sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

É UMA TOURADA À PORTUGUESA, CONCERTEZA!


Cavaleiro tauromáquico (1934). Ilustração de Almada Negreiros na capa da
PANORAMA – Revista de Arte e Turismo, nº 3, de Agosto de 1941.

Os anti-taurinos, comandados por uma minoria de lunáticos alojados no Parlamento, pretende em nome de supostos valores civilizacionais, criar por etapas, condicionantes que conduzam à erradicação da Tauromaquia em Portugal.
Foi assim que na Assembleia da República, a Ministra da Cultura declarou que tenciona manter a taxa de IVA de 13% para os espectáculos tauromáquicos, prevista no Orçamento do Estado para 2018, argumentando que "há valores civilizacionais que diferenciam políticas".

A reacção dos partidos
Quem ficou incomodado com as declarações da Ministra da Cultura em relação às touradas foi o poeta e histórico socialista Manuel Alegre que em declarações ao jornal Público no início do mês declarou: ”o que está em causa com as suas declarações é a liberdade de uma grande tradição ibérica”, acrescentando “Agora são as touradas, depois há de ser a caça e depois o livro que podemos ou não ler”. E concluiu: “É este tipo de intolerâncias que cria os Bolsonaros. Atitudes como esta colocam em causa a democracia”.
Da Ministra da Cultura discorda a maioria do Grupo Parlamentar do PS, que com o seu líder Carlos César à cabeça, não dá cobertura aquela Figura, auto-travestida em Ministra da Intolerância Tauromáquica.
António Costa há muito que percebeu e aceitou o direito à diferença. Todavia, apesar de político experiente, vê-se metido numa grandessíssima tourada, já que aceitou o direito à diferença da sua Ministra da Cultura, pelo que não tem outro remédio, por maioria de razão, senão aceitar o direito à diferença do seu Grupo Parlamentar em relação àquela e por arrastamento, em relação a ele próprio.
A nível de Geringonça e desta tourada toda, sai incólume o PCP, que tem peso político em municípios com tradições taurinas e há muito percebeu que é preciso respeitar o Povo.
O PS é historicamente caracterizado por ter um pé de um lado do rio e o outro do lado contrário, não vá o Diabo tecê-las. Apesar dessas condicionantes todas, a matriz popular que ainda o incorpora e até ver, parece ser favorável à Tauromaquia, o que a meu ver constituirá uma atitude sábia de um partido que, no terreno social e político, se afirma e tem pretensões a ser um partido charneira.
Do Bloco de Esquerda é melhor não falar, porque fico mal disposto. Do PEV e do PAN, que são criações surrealistas de alguém em maré imaginativa, tão pouco falo, já que são partidos urbanos e residuais, que servem de bengala quando dá jeito.
A direita é comandada pelo CDS em nome da Tradição, já que “La Noblesse oblige” e leva o PSD na sua peugada. Este partido, apesar de estar na fase Rio, é como o PS, useiro e vezeiro por questões tácticas, em apostar em dois cavalos ao mesmo tempo.      
Outras reacções
A PróToiro – Federação Portuguesa de Tauromaquia,  lançou uma “Petição  para defender o respeito pela cultura portuguesa, pela lei e pelos direitos inalienáveis do acesso de todos à cultura, em liberdade, e sem discriminações.”
Como era de esperar, surgiu uma “Petição pela abolição das touradas e de todos os espectáculos com touros” e uma “Petição que defende um Referendo Nacional para abolição das touradas”.
Nas redes sociais, abolicionistas e anti-abolicionistas deram conta dos seus pontos de vista. Assim a PróToiro editou na sua página do Facebook, uma fotografia do poeta e histórico social-democrata Vasco da Graça Moura, acompanhada do excerto de um discurso seu no Parlamento Europeu: “As touradas são um ritual diante do perigo em que arte e coragem, inteligência e perícia, entusiasmo e audácia, criatividade e liberdade permitem (ao toureiro) revisitar e refazer o mito imemorial da luta do Homem contra o que de mais obscuro e brutal existe na natureza, concentrados no toiro que ataca.”
Como aficionado partilhei o texto da PróToiro na minha página do Facebook e imediatamente comecei a receber “Gostos”, mas também comentários desajustados em relação a Vasco da Graça Moura e em relação a mim mesmo. Comentários da parte de quem, gozando do direito democrático que a Constituição lhe confere de não gostar de touradas, não admite que outros possam gostar de touradas, graças a essa mesma Constituição. Chama-se a isso intolerância. É uma atitude inadmissível num Estado de Direito, onde o direito à diferença está consignado na lei.
Os activistas anti-touradas, que não são obrigados a frequentá-las, pretendem por todos os meios que outros que as queiram frequentar, não o possam fazer. Ainda não há muito tempo, Marco Pernas Fanéco, da Tertúlia Tauromáquica Estremocense, se queixou na sua página do Facebook, ter visto a sua integridade física em risco por um grupo de manifestantes anti-taurinos, quando pretendia entrar na Praça do Campo Pequeno, em Lisboa. Mas o que é isto? É caso para proclamar:
- Perdoai-lhes Pai, que eles não sabem o que fazem! Foram cegados por fundamentalismos doutrinários e crêem-se detentores da verdade.