quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Ana das Peles, presente!


Ana das Peles (1859-1945). Fotografia (1940) de Albert t’Serstevens (1886-1974).
Arquivo fotográfico do autor.

LER AINDA

Evocação
Há figuras que pela sua acção desempenharam um papel de relevo na construção da Memória de Estremoz, pelo que não podem ser olvidadas nas páginas da História local. É o que se passa com Ana das Peles (1859-1945), velha barrista que foi o instrumento primordial da recuperação da extinta tradição de manufactura dos Bonecos de Estremoz, empreendida pelo escultor José Maria de Sá Lemos nos anos 30 do séc. XX.
A 19 de Fevereiro de 2020 completam-se 75 anos sobre a morte da barrista que foi uma figura chave na recuperação duma tradição extinta e que hoje é motivo de orgulho para todos os estremocenses.
Ana das Peles partiu, mas os seus Bonecos muito apreciados e procurados, povoam vitrinas de coleccionadores e de museus para deleite de espírito. Com eles a imagem de marca da nossa identidade cultural local e transtagana, testemunho e herança de uma época.
Para além dos Bonecos nascidos das suas mãos, Ana das Peles encontra-se perpetuada nas palavras escritas daqueles que com olhos de ver, souberam transmitir aos vindouros o que ela era, o que ela fazia e o que ela representava: o memorialisno de Sá Lemos, as estrofes de Celestino David, o jornalismo de Albert t’Serstevens, a evocação regionalista de Azinhal Abelho.
Hoje como ontem, os barristas de Estremoz continuam a criar figuras que viajam por esse mundo fora, para tornar as pessoas felizes. Daí que na 1.ª Feira de Arte Popular e Artesanato do Concelho de Estremoz, o Poeta António Simões tenha proclamado: “Barro incerto do presente / Vai moldar-te a mão do Povo / Vai dar-te forma diferente / Para que sejas barro novo!”
75 anos volvidos sobre a morte de Ana das Peles, os seus gestos de modeladora de sonhos, continuam a ser repetidos, ainda que recriados pelos barristas de hoje. Por isso Ana das Peles é imortal e os Bonecos de Estremoz serão eternos.
Ana das Peles partiu mas estará para todo o sempre presente na nossa memória e nos nossos corações. É caso para dizer
- ANA DAS PELES, PRESENTE!
Nota final
Esta evocação de Ana das Peles é a homenagem singela e possível de vozes insubmissas que se recusam a ser cúmplices do silêncio olímpico e majestático do Município, que passou ao lado da efeméride.  

Estremoz, 18 de Fevereiro de 2020
(Jornal E nº 240, de 19-02-2020)

sábado, 15 de fevereiro de 2020

Veiros: quem protege os moradores da Eira da Pedra Alçada?


Veiros: Bairro da Eira da Pedra Alçada

Veiros:
quem protege os moradores da Eira da Pedra Alçada?

Maria Helena Figueiredo
Membro da Mesa Nacional e da Comissão Coordenadora
Distrital de Évora do Bloco de Esquerda
Texto transcrito com a devida vénia,
do jornal Brados do Alentejo, de Estremoz,
do dia 13 de Fevereiro de 2020

Fotografias enviadas
     por um morador do local 


A construção da barragem de Veiros, em meados de 2015 e a que correspondeu um investimento público de cerca de 25 de milhões de Euros, veio responder a uma aspiração antiga e com ela a água tornou-se acessível à agricultura.

Ao contrário do que seria uma vantagem para Veiros com a água vêm os projectos de agricultura intensiva e super intensiva, os impactos negativos para o ambiente e um pesadelo para muitos dos que lá vivem.

Junto ao Bairro da Eira da Pedra Alçada, está a ser preparado o terreno para instalação de um olival intensivo ou super intensivo, numa propriedade que chega mesmo junto às casas ali existentes, o que está a preocupar, com razão, quem lá vive.

Escassos 10 ou 15 metros separam os muros das habitações que ali existem dos terrenos que estão já a ser preparados para o futuro olival intensivo.

A plantação de olival intensivo vai chegar perto das casas e há um conjunto de questões de saúde pública que se levantam e que, com razão, preocupam a população ali residente e relativamente às quais as entidades responsáveis parecem não dar qualquer importância.

Como todos sabemos estas culturas desenvolvem-se de forma rentável pelo recurso a um elevadíssimo consumo de água, da ordem dos 4.000 a 7.000 m3 por ha, e à aplicação de adubos e de fitofármacos que produzem fortíssimos impactos no ar que se respira, no solo e nas águas de superfície e subterrâneas.

Mesmo nos casos em que a produção é desenvolvida em modo integrado, ou seja, seguindo regras menos danosas para o ambiente, a instalação de um olival intensivo (e mais ainda super intensivo) implica sempre a aplicação adubos, de fungicidas e pesticidas e pulverizações regulares, que sujeitarão a população a respirar o ar contaminado com estes produtos.

Muitos destes produtos são glifosatos, muito perigosos para a saúde humana e vão ser aplicados junto às habitações.

Também a utilização de fertilizantes e pesticidas vai poluir as águas superficiais e subterrâneas, águas de poços que muita desta população utiliza.

De acordo com a legislação em vigor, a aplicação destes produtos em zonas urbanas é sujeita a um conjunto de regras, mas neste caso, como será numa exploração agrícola, nenhuma dessas precauções será aplicável, apesar de as casas estarem a escassos 10 ou 15 metros.

Legitimamente os moradores estão muito preocupados e receosos. Quais as consequências para a sua saúde e a dos seus filhos e netos por estarem a respirar regularmente ar contaminado pelas pulverizações de químicos? Como vão garantir que a qualidade da água dos poços e furos não é afectada pela drenagem dos fitofármacos e adubos e como vão continuar a comer a produção dos seus quintais? Quem quererá viver com um olival intensivo à porta de casa e quem quererá comprar as suas casas se quiserem ou tiverem que as vender?

O que está em causa já não é apenas o impacto ambiental destas culturas super intensivas, o consumo excessivo de água ou a salinização e sodificação dos solos. O que está em causa em Veiros é, no imediato, a saúde pública destes moradores e nenhum argumento tornará admissível que se instalem culturas intensivas a 10 ou 20 metros das habitações, seja em Veiros seja noutro qualquer local.

As entidades públicas questionadas pelos moradores não tem dado respostas ou quando as dão  pouco adiantam,  como foi o caso da Junta de Freguesia, que questionou os promotores do projecto, os quais, naturalmente, terão defendido que o mesmo não constituía qualquer perigo para a população, tendo a Junta concluído que se tudo for como os promotores dizem não haverá prejuízo, incómodo ou perigo para os moradores.

E se não for assim?

Hoje sabemos, pela experiência de muitas populações, em particular no Baixo Alentejo, que a sua qualidade de vida e a sua saúde estão fortemente ameaçadas com a instalação de olivais e amendoais intensivos e super intensivos perto das habitações.

E porque sabemos, não é admissível que os poderes públicos fechem os olhos a situações destas, omitindo a sua obrigação primeira que é a protecção das populações.

Exige-se, por isso que, quer a Câmara Municipal de Estremoz, quer a Junta de Freguesia de Veiros, quer os Ministérios da Agricultura e da Saúde, desenvolvam todas as acções ao seu alcance para proteger os moradores de Veiros, em especial da Eira da Pedra Alçada.

E que o façam agora, enquanto é tempo.


Veiros: Bairro da Eira da Pedra Alçada

Veiros: Bairro da Eira da Pedra Alçada

Veiros: Bairro da Eira da Pedra Alçada

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Bonecos de Estremoz: João Fortio


João Fortio (1951- )

João Manuel Pires Fortio nasceu a 12 de Dezembro de 1951 na freguesia de Santo André do concelho de Estremoz. Filho legítimo de Arménio João Marvão Fortio, de 29 anos, bancário, natural de Veiros no concelho de Estremoz e de Aida Leonisa da Graça Pires, de 23 anos, doméstica, natural da freguesia de São Saturnino do concelho de Fronteira, ambos moradores na Rua Brito Capelo, nº 17, em, Estremoz (297). No IADE tirou o Curso de Design de Interiores e na tropa frequentou o Curso de Fotografia e Cinema dos Serviços Cartográficos do Exército. Foi Professor de Educação Visual e de Educação Visual e Tecnológica na Escola Preparatória Sebastião da Gama, funções que desempenhou a partir de 1978 até à sua aposentação, em 2008. Desenhador, Pintor e Ceramista, nele as várias formas de expressão artística surgiram espontaneamente em distintos instantes: Desenho (1961), Pintura (1968), Cerâmica (1982) e hoje completam-se umas às outras. Em qualquer das formas de expressão artística que cultiva, o Artista tem palmilhado diversas fases que se completam e o completam. Na Cerâmica começou por recriar os Bonecos de Estremoz, pois além de executar os “Bonecos da Tradição”, criou muitos outros modelos, o que aconteceu entre 1982 e 1996. Partiu depois para a Azulejaria. O seu ateliê começou por ser na sua residência, na Avenida Dr. Marques Crespo, 31. Dali transitou par o Largo Dom Dinis, 8 e acabou por se fixar na Horta do Forinho em São Bento do Ameixial, onde, depois de um longo interregno na arte bonequeira, resolveu agora retomar a actividade. De salientar a sua participação em múltiplas edições das Feiras de Arte Popular e Artesanato do Concelho de Estremoz, na dupla condição de bonequeiro e de azulejista. Ensinou Cerâmica na Escola Profissional da Região Alentejo, tendo ainda elaborado o programa de Cerâmica para o 2º ciclo do Ensino Básico, visando criar a disciplina de Cerâmica como oferta de Escola. Na condição de Ceramista é membro fundador da Associação de Artesãos do Concelho de Estremoz. Na sua actividade artística, a Pintura é dominante e impõe-se ao Desenho e à Cerâmica, de tal modo que se fosse forçado a expressar-se plasticamente de uma forma única, escolheria a Pintura, que para ele é um modo de dar vida (cor, forma, luz, movimento) e algum sentido ao imaginário que o povoa no quotidiano Para a definição da sua identidade artística muito contribuíram Picasso, Almada Negreiros e E. C. Escher. E Professores como Espiga Pinto e Lima de Freitas. Tem participado em múltiplas exposições colectivas e individuais, com Desenhos, Pinturas e Cerâmica diversa, sendo de salientar os Salões da Primavera do Estoril na década de 70, o Festival de São Lucas de Évora nos anos 80 e a Exposição Retrospectiva de 40 anos de Actividade Artística em 2008 no Centro Cultural Dr. Marques Crespo em Estremoz, numa organização da Associação Filatélica Alentejana. Está representado em muitas colecções particulares e espaços públicos da Europa, Estados Unidos, Argentina, Brasil e Tailândia, entre outros. Além de artista plástico, é escritor. Publicou até hoje: Orvalho do Sol (2008), Demasiado / too much (2008), Promontório da Utopia (2011), Livro dos Prefácios 1 (2011) e Cento e tal Sonetos (2012). Tem diversos livros no prelo. Anteriormente acontecera uma incursão pelo jornalismo nos Brados do Alentejo e no Eco de Estremoz, onde foi repórter desportivo e cobriu acontecimentos mundanos
  
Pastor (1996). João Fortio (1951- ). Colecção e fotografia de Adelino Caravela.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

Poesia Portuguesa - 096


Fernanda de Castro

O SACO DE RETALHOS
FERNANDA DE CASTRO (1900-1994)

O Saco de Retalhos

Velho saco, onde estavas? No baú
das coisas mortas,
esquecidas como tu?
Guardado na gaveta
como as sedas, as cassas,
os ramos de violeta,
a poeira e as traças?

Velho saco, onde estavas? Pendurado
numa daquelas portas
que um dia se fecharam
sobre a infância, o passado,
e nunca mais se abriram?

Ou no sótão,
na trouxa dos farrapos,
misturado com os trapos?

Velho saco dos tempos esquecidos,
nos teus retalhos desbotados
reconheço os meus bibes,
as chitas e os percais dos meus vestidos.

Estes velhos riscados
foram saias, corpetes, aventais
de criadas que então eram meninas.
E estas cambraias, estas sedas finas,
usou-as minha mãe.

Ó velho saco, feito de retalhos,
rever-te fez-me bem.
Este linho desfeito, remendado,
foi lençol de noivado,
e quantas vezes te vi pôr na cama,
ó minha ama,
esta chita vermelha de ramagens.
Meu velho saco, meu livro de imagens,
rever-te fez-me bem.

Não sei, porém,
que travo amargo esta alegria tem,
que tristeza me fez, que nostalgia,
ver surgir na distância
a minha infância,
descosida, em farrapos,
e reencontrar a minha mocidade
remendada e puída
numa saca de trapos.

Ó saco, ó velho saco de farrapos,
já não sei, afinal,
se ver-te me fez bem ou me fez mal.

FERNANDA DE CASTRO (1900-1994)


segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

Bonecos de Estremoz: Carlos Alves


Carlos Alves (1958- ). Fotografia de Filomena Meira.

Entre 2010 e 2014, Carlos Alberto Alves (1958- ), com o Curso de Artes Gráficas da Escola Artística António Arroio e designer gráfico, manufacturou Bonecos de Estremoz, que vendia por encomenda “on line” e foram também comercializados no Museu Municipal de Estremoz.
Actualmente desenvolve actividade comercial na área das Lavandarias e continua a modelar, ainda que sem comercializar.

Mulher a lavar a roupa. Carlos Alves (1958- ). Fotografia de Catarina Matos.

Mulher a passar a ferro. Carlos Alves (1958- ). Fotografia de Catarina Matos.

Senhora a servir o chá. Carlos Alves (1958- ). Fotografia de Catarina Matos.

Hernâni Matos

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

Nossa Senhora dos Mártires de Estremoz


Imagem do Museu Municipal de Estremoz. Fotografia de Isabel Água.

Quem procura quer achar
A inventariação e catalogação do figurado em barro de Estremoz está longe de estar completa e ser definitiva. É o que ocorre com exemplares dos sécs. XVIII e XIX, para os quais se desconhece a autoria e data de manufactura, aliada à coexistência de designações distintas para o mesmo espécime.
Caso em estudo
Na Exposição “Barristas do Alentejo” (1) realizada em Évora no ano de 1962, esteve patente ao público um Boneco de Estremoz, ao qual foi atribuído o número 288, identificado como sendo do séc. XVIII, pertença do Eng.º Júlio dos Reis Pereira. A designação atribuída à figura exposta foi a de “Dama orando”. Passo de imediato à sua descrição.
Trata-se de uma figura antropomórfica feminina de mãos postas e levantadas. Traja um vestido comprido com mangas, que lhe encobre os pés e é de cor castanha avermelhada, decorado com motivos florais em cuja composição entra o verde, o vermelho e o zarcão. O vestido apresenta uma gola branca ornamentada por dois folhos igualmente brancos que lhe cobrem os ombros. A cabeça está coberta com uma touca branca com folhos à frente e que lhe cobre o cabelo castanho quase na totalidade. Sobre os punhos do vestido assenta uma toalha branca. A figura enverga um manto com um grande capuz, qualquer deles de cor verde escura e com uma orla denteada, simulando galão dourado. Do lado esquerdo do manto e à altura dos joelhos é visível um enfeite em relevo, constituído por uma flor cor de zarcão e quatro folhas verdes.
A imagem assenta numa peanha paralelepipédica de base quadrada e topo cor de zarcão, a qual configura um andor. As faces laterais são de cor verde e encontram-se ornamentadas com motivos florais centrados e cuja constituição integra o verde, o vermelho e o zarcão. À excepção das arestas da base, todas as outras apresentam uma orla em relevo, de cor amarela dourada e com incisões perpendiculares às arestas. Em cada um dos quatro vértices do topo da peanha são visíveis furos que poderão ter servido de encaixe a arames que suportavam decorações fitomórficas, tal como acontece noutras imagens.
Nomes e mais nomes
A “Dama orando” integra a colecção de Bonecos que a Câmara Municipal de Estremoz adquiriu ao Eng.º Júlio dos Reis Pereira e faz parte do acervo do Museu Municipal. Joaquim Vermelho (7) manteve a designação atribuída por Reis Pereira àquela figura. Também eu (5) possuo na minha colecção um exemplar análogo ao descrito, ainda que sem toalha, pelo que subscrevi igualmente aquela designação.
Actualmente, o exemplar descrito está exposto no Museu Municipal sob a designação “Senhora com Manto / Maria?”, a qual gera dúvidas por ser ambivalente.
Por outro lado, já ouvi alguém sugerir que possa ser uma imagem de “Nossa Senhora das Dores” assente num andor, à semelhança da imagem de Nosso Senhor Jesus dos Passos. Creio que quem produziu o alvitre se baseou no facto de ambos os andores integrarem a Procissão do Senhor dos Passos.
O facto de a figura em estudo ter recebido diferentes designações ao longo do tempo, é revelador da necessidade de aprofundar o estudo da imagem para ver qual das designações é a mais adequada. Foi o que fiz.
Valha-me Frei Agostinho
Não aceitei de bom grado a designação de “Nossa Senhora das Dores”, já que iconograficamente esta é representada com um ou mais dos seguintes atributos: - Uma expressão dolorosa; - Ferida por uma ou sete espadas, simbolizando a dor que a trespassou quando da morte de Jesus; - O Rosário das Lágrimas com 49 contas brancas divididas em sete partes de sete contas cada. Todavia, não excluí a hipótese de se tratar de uma imagem devocional de Nossa Senhora, a quem a intensa devoção dos católicos levou a atribuir-lhe inúmeros títulos.
Pensei de imediato consultar o “Santuario Mariano” (6) e a consulta do tomo VI conduziu-me à leitura proveitosa do “TITULO XXXXII - Da milagrosa Imagem de N. Senhora dos Martyres , da Villa de Estremoz”.
A imagem de Nossa Senhora dos Mártires
Frei Agostinho de Santa Maria (6) menciona a construção do Templo de Nossa Senhora dos Mártires, mas relativamente à miraculosa imagem da Padroeira afirma não ter conseguido apurar nada acerca da sua origem e como apareceu no local. Refere que a imagem é formosíssima, com vestidos, estando a Senhora de pé e de mãos levantadas. Alude que o povo tem pela imagem uma grande devoção, recorrendo a ela nos seus apertos e necessidades, retribuindo a Santa com as suas petições bem despachadas, o que o leva a oferecer-lhe lembranças pelos benefícios recebidos.
Nas Memórias Paroquiais de 1758 (2), Frei João Afonso Magro, prior da freguesia de Santa Maria de Estremoz, referindo-se à Igreja de Nossa Senhora dos Mártires, relata que no Altar-mor se venera a sagrada, milagrosa e formosíssima imagem de Nossa Senhora dos Mártires, de roca, composta com vestidos, de 6 palmos de altura e que tem as mãos postas e levantadas. Narra ainda que ao Templo concorre todo o povo pela devoção que tem com a Senhora, a quem procura nas suas necessidades e apertos, confiante nos milagrosos despachos às suas petições.   
António Henriques da Silveira (4) refere-se à imagem de Nossa Senhora dos Mártires, declarando que: “A imagem da Senhora é perfeitíssima, e de notável veneração”.
Túlio Espanca (3) diz que a imagem de Nossa Senhora dos Mártires não foi alienada na profanação da Igreja em 1912 e é uma imagem de roca, com vestes ricas de tecelagem bordada.
Milagre de Nossa Senhora do Mártires
Frei Agostinho de Santa Maria (6) conta que os milagres de Nossa Senhora dos Mártires são inumeráveis, mas há um em que resplandece a grande piedade da Mãe de Deus para com os miseráveis e pobres pecadores, relatando-o.
Uma mulher nobre da Vila de Estremoz, devota de Nossa Senhora, em sinal de agradecimento por graça recebida, confeccionou uma toalha em pano rico, guarneceu-a com uma renda igualmente rica e ofereceu-a para o Altar de Nossa Senhora, pondo-a com as suas próprias mãos.  
Outra mulher, pobre e cheia de necessidade, implorou a Nossa Senhora que lhe valesse e lhe acudisse. Estando sozinha na Igreja e vendo a toalha no Altar, dirigiu-se a Nossa Senhora mais ou menos nestes termos: Bem vedes da minha pobreza e da necessidade que padeço com os meus filhos. Dai-me licença para que vos tire e leve a toalha e a venda para com o valor dela acudir à minha necessidade. Assim na suposição que vós ma dais, tiro-a do vosso Altar e levo-a.
A mulher tomou então a toalha e levou-a consigo, sem que ninguém visse. Como tinha que arranjar quem a comprasse, calhou a ir a casa da devota mulher que a tinha oferecido a Nossa Senhora. À nobre mulher pareceu que a toalha era a sua, mas temendo errar, não disse nada à pobre mulher, dando-lhe alguma coisa para a entreter e mandando-a voltar no dia seguinte, para lhe dar o resto do valor que tinham combinado. Depois, mandou uma criada à Igreja, para ver se no Altar estava a toalha que tinha oferecido a Nossa Senhora. A criada depois de chegar ao Altar achou que a toalha era aquela que a sua ama lhe pusera e regressou a casa para dar conta desse facto à ama. Esta foi certificar-se que era a sua toalha que estava no Altar e depois de a examinar muito bem, concluiu que era. A pobre mulher recebeu então inteiramente o valor da toalha e remediou a seus filhos. Compreendeu-se a piedade que Nossa Senhora usara com a pobre mulher aflita, mandando pôr outra no Altar pelas mãos dos Anjos, tão parecida que não se pudesse julgar que a pobre mulher a tinha furtado. Creu-se assim que tinha ocorrido um Milagre de Nossa Senhora dos Mártires.
Acerto de agulhas
É natural que o “Milagre da toalha” tenha sido perpetuado na iconografia de Nossa Senhora dos Mártires e em particular na barrística popular de Estremoz. Daí que exista uma figura antropomórfica feminina, envergando um manto com um grande capuz, de mãos postas em atitude de oração, tendo ou não uma toalha branca assente sobre os punhos do vestido. A meu ver, deverá ser designada por “Nossa Senhora dos Mártires”, abandonando-se designações como: “Dama orando”, “Senhora com Manto”, “Maria” e “Nossa Senhora das Dores”.
A imagem já não é a mesma
A Capela de Nossa Senhora do Mártires, começou a construir-se em 1371 por iniciativa de D. Fernando I e terminou com D. Nuno Álvares Pereira, tendo sofrido modificações no reinado de D. Manuel I e de D. João V. Foi classificada como Monumento Nacional em 1922 e sofreu múltiplas intervenções no decurso do tempo, reabrindo ao culto em 1972. Pelo caminho ficou a primitiva imagem de Nossa Senhora dos Mártires de mãos postas e levantadas. Foi substituída por outra imagem também de roca, que segura o Menino Jesus ao colo e nada tem a ver com a imagem que está na génese do presente texto e cujo “Milagre da toalha” foi perpetuado na barrística popular de Estremoz.

BIBLIOGRAFIA
1 – Catálogo da Exposição “Barristas do Alentejo” realizada de 24 de Junho a 15 de Julho de 1962 no Palácio de D. Manuel em Évora. Grupo Pró-Évora. Évora, 1962. (págs. 26 e 34)   
2 – COSTA, Mário Alberto Nunes. Estremoz e o seu concelho nas “Memórias Paroquiais de 1758”. Separata do Boletim da Biblioteca da Universidade de Coimbra, Vol. XXV. Coimbra, 1961. (pág. 57)
3 - ESPANCA, Túlio. Inventário Artístico de Portugal - VIII. Distrito de Évora. Concelhos de Arraiolos, Estremoz, Montemor-o-Novo, Mora e Vendas Novas. Vol. I. Academia Nacional de Belas Artes. Lisboa, 1975. (pág. 91)
4 - FONSECA, Teresa. António Henriques da Silveira e as Memórias analíticas da vila de Estremoz. Câmara Municipal de Estremoz. Estremoz, 2003 (pág. 180).
5 - MATOS, Hernâni. Bonecos de Estremoz. Afrontamento. Estremoz / Póvoa de Varzim, 2018. (pág. 16)
6 - SANTA MARIA, Frei Agostinho de. Santuario Mariano, tomo VI. Na Officina de António Pedrozo Galram. Lisboa, 1718. (págs. 147, 148 e 149)
7 - VERMELHO, Joaquim. Barros de Estremoz. Limiar. Porto, 1990. (págs. 84 e 106)
Estremoz, 31 de Janeiro de 2020
(Jornal E nº 239, de 06-02-2020)

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

Homenagem a Mário Tomé


Casa do Alentejo, Lisboa. Vista parcial do salão onde decorreu a homenagem.

A Casa do Alentejo foi pequena
Mário Tomé foi alvo de uma entusiástica homenagem que decorreu no passado dia 25 de Janeiro, no salão principal da Casa do Alentejo, em Lisboa. Aí teve lugar um almoço que reuniu cerca de 260 pessoas que encheram literalmente o salão. A sua presença ali visava assinalar também os 40 anos da eleição de Mário Tomé como deputado da UDP à Assembleia da República.
À homenagem associaram-se camaradas de luta, militares de Abril, dirigentes sindicais, activistas de movimentos sociais, amigos e amigas de Mário Tomé.
A iniciativa foi promovida por uma comissão alargada, presidida pelo general Pezarat Correia.
Otelo Saraiva de Carvalho foi uma das personalidades que na impossibilidade de estar presente, enviou uma calorosa mensagem a Mário Tomé.
O almoço terminou com intervenções de Pezarat Correia e de Mário Tomé, às quais se seguiram momentos musicais e de leitura de poemas, com José Fanha, Francisco Naia, Jorgete Teixeira, e Francisco Rosa, apresentados pelo actor Luís Vicente.
Biografia de Mário Tomé
De acordo com o Centro de Documentação 25 de Abril da Universidade de Coimbra, a biografia de Mário Tomé é a que se segue.
“Mário António Baptista Tomé é natural de Estremoz, coronel do Exército e foi condecorado, entre outras, com a Cruz de Guerra.
4 comissões na guerra colonial (1963/64, Guiné; 66/68, Moçambique; 70/72, Guiné; 72/74, Moçambique).
Reserva compulsiva desde Maio 1984, no posto de major. Na reforma desde 1993. Em 1970, em comissão na Guiné, sob comando de Spínola, pediu a demissão das FA's por "desacordo com a guerra colonial e com a política em geral do Governo".
Coordenador do Movimento dos Capitães em Moçambique, membro da Assembleia do Movimento das Forças Armadas, redactor do "Documento do COPCON" (que em Agosto de 1975 surgiu como alternativa de esquerda ao "Documento dos Nove"), subscritor do "Manifesto dos Oficiais  Revolucionários aos Soldados, Operários, Camponeses e Povo Trabalhador" (Novembro de 1975).
2.º Comandante do Regimento de Polícia Militar, delegado na Assembleia Democrática da Unidade (regimento) e responsável pelo Grupo de Dinamização da Unidade, delegado da Unidade na Assembleia do MFA. Preso em 26 de Novembro de 1975 no seguimento do golpe do "25 de Novembro". (Cadeia de Custóias e Presídio Militar de Santarém). Libertado em 23 de Abril de 1976 ficando na situação de residência fixa e arbitrariamente impedido sine die de exercer a sua profissão até ser passado compulsivamente à reserva em 1984.
Membro da Comissão Nacional da Candidatura de Otelo à Presidência da República em 1976, Deputado à Assembleia da República de 1979 a 1983 como independente pela UDP e de 1991 a 1995, eleito nas listas da CDU na base de um acordo do PCP  com a UDP.
No seguimento da lei 43/99 teve a sua carreira reconstituída ficando, por tal, no posto de coronel, posto mínimo que lhe competia no desenvolvimento normal da carreira. Foi dirigente nacional da União Democrática Popular – UDP.”
Mário Tomé, hoje
Dos aspectos biográficos de Mário Tomé ressaltam os de resistente anti-fascista, militar de Abril, resistente anti-neoliberalismo e defensor das conquistas de Abril e do socialismo.
Mário Tomé tem militado activamente no Bloco de Esquerda desde a sua fundação em 1999, tendo sido mandatário das candidaturas às eleições europeias (2013) e às eleições legislativas (2019).

Hernâni Matos
Estremoz, 31 de Janeiro de 2020
(Jornal E nº 239, de 06-02-2020)

Créditos fotográficos: Manuel Xarepe.

Mesa com Mário Tomé, Pezarat Correia e Vasco Lourenço.