quinta-feira, 14 de outubro de 2021

1º Encontro Regional de Olaria do Alto Alentejo


Fig. 1 - REDONDO - Prato falante com a inscrição “1º ENCONTRO REGIONAL DE
OLARIA DO ALTO ALENTEJO”. Prato covo de média dimensão. Esgrafitado e pintado.


Introdução
Ao continuar a inventariação dos exemplares da minha colecção de cerâmica de Redondo, constatei a existência de um prato falante (Fig. 1) com a inscrição: 1º ENCONTRO REGIONAL DE OLARIA DO ALTO ALENTEJO”, que me faz recuar no tempo.

Identificação e dimensões
Trata-se de um prato covo em barro vermelho de Redondo, esgrafitado, pintado e vidrado. Ostenta no fundo um molho de 3 cravos pintados em tons de verde e ocre, numa clara alegoria à Revolução dos Cravos.
Orla do bordo do prato pintado de verde e bordo com a inscrição “1º ENCONTRO REGIONAL DE OLARIA DO ALTO ALENTEJO”.
As dimensões são as seguintes: diâmetro da base: 21,5 cm; diâmetro da abertura: 29 cm; largura do bordo: 3 cm; Altura: 4 cm.

Significado da inscrição
Entre 4 e 15 de Junho de 1980 (já lá vão 41 anos), teve lugar no terreiro do Paço Ducal em Vila Viçosa, o I Encontro Regional de Olaria do Alto Alentejo (Fig. 2). A Comissão Organizadora do Encontro era integrada pelas seguintes associações culturais: Centro Cultural Popular Bento de Jesus Caraça, Centro Cultural de Borba, Sociedade Filarmónica Municipal de Redondo, Casa da Cultura de Estremoz e Grupo de Cantadores de Redondo.
Eu integrei a Comissão Organizadora do Encontro, em representação da Casa da Cultura de Estremoz, a cuja direcção pertencia na época.
A organização encomendou a um oleiro a produção de alguns exemplares dum prato comemorativo que ficasse a assinalar o evento, o qual foi oferecido a todos os intervenientes no Encontro. Daí eu estar na posse de um desses pratos, que foi objecto do presente estudo.

Autoria do prato
O prato não está assinado, pelo que visando determinar a sua autoria, houve que recorrer a quem percebe da “poda”, neste caso Mestre Xico Tarefa (1951- ), da Olaria XT de Redondo (Fig. 3), que fez parte da Comissão Organizadora do Encontro e foi um operacional no terreno. Mestre Xico Tarefa revelou-me que o trabalho de roda é seu e que a pintura e o esgrafitado são da autoria de Mestre Álvaro Chalana (1916-1983). Bem haja, Mestre Xico, pela inestimável informação prestada.

Fecho
Na altura do Encontro eu tinha 34 anos e já coleccionava Bonecos e louça de barro vermelho de Estremoz. Ao integrar a Comissão Organizadora do Encontro, rasgaram-se os horizontes e abri os olhos a outras olarias. Ao receber de bom grado o prato comemorativo do Encontro, herdei uma pesada responsabilidade e brotou em mim o fascínio pela cerâmica redondense, que nunca mais parou e cuja chama se mantem bem viva. Aquele prato tem para mim especial significado. Foi o primeiro exemplar da minha colecção de cerâmica redondense. Por mais raro e mais valioso que seja outro espécime adquirido ou que venha a adquirir, aquele ocupará sempre um lugar muito privilegiado no meu coração. É que foi o primeiro da minha colecção.

 Hernâni Matos

 
Fig. 2 - I Encontro Regional de Olaria do Alto Alentejo. Cartaz com ilustração
reproduzindo desenho a tinta-da-China de Carlos Alves.

Fig. 3 - Mestre Xico Tarefa a trabalhar na roda, na sua oficina.
 

terça-feira, 12 de outubro de 2021

Monumento nacional demolido em Estremoz para dar lugar a hotel de charme

 

O edifício situa-se na encosta escarpada da colina de Estremoz.

Reportagem de CARLOS DIAS transcrita com a devida vénia do jornal PÚBLICO de 11-10-2021, com autorização do seu director MANUEL CARVALHO, a quem o autor do blogue, reconhecidamente agradece. 

O edifício foi abandonado nos anos 30 do século passado e chegou a 2021 reduzido à fachada principal, derrubada em Abril. Será reconfigurada com os elementos que a constituíam, no projecto assinado por Siza Vieira e Carlos Castanheira.

 

Com o arranque, no mês de Abril, das obras de adaptação de um conjunto de antigos edifícios abandonados, entre eles a “Casa do Alcaide-Mor”, que é monumento nacional desde 1924, para dar lugar a um hotel de charme e várias habitações turísticas, com a designação de villas, fica encerrado um conturbado processo iniciado em 2016.

No entanto, a polémica persiste. Vítor Cóias, especialista na requalificação e reabilitação de património que privilegia a utilização de técnicas e materiais tradicionais, contesta opções do projecto que é assinado pelos arquitectos Siza Vieira e Carlos Castanheira. Na informação que prestou ao PÚBLICO, interroga-se: “Pode-se demolir um monumento nacional e substituí-lo por uma réplica com estrutura de betão armado?” E dá a resposta: “Pode, como se demonstra com a Casa do Alcaide-Mor da Cidadela de Estremoz.”

Ao fim de quase um século de abandono, em que sucessivos executivos municipais antes e depois do 25 de Abril contemporizaram com a progressiva degradação de um monumento nacional, nem a fachada, derradeiro testemunho do que foi a “Casa do Alcaide-Mor”, foi possível recuperar. No local das obras já estão montadas as armaduras e cofragens de pilares de betão armado, “aparentemente no plano das fachadas demolidas”, refere o especialista.

O edifício que foi a residência privada de D. Sancho de Noronha, alcaide-mor de Estremoz durante o século XV, mantinha a mais interessante fachada de arquitectura civil erguida na encosta escarpada da colina de Estremoz, a cerca de 80 metros da torre de menagem do castelo. Evidenciava vários estilos, tais como o mudéjar, o renascentista, o manuelino e o neoclássico. Destacavam-se as janelas da fachada frontal de estilo manuelino-mudéjar.

José Sádio, que será o próximo presidente da Câmara de Estremoz e é vereador no actual executivo, pelo PS, explicou ao PÚBLICO que o processo se tornou “irreversível”, mas que a fachada agora demolida será reposta. “Foi mapeada toda a estrutura, para que possa ser construída igual à que estava” e onde serão colocados todos os elementos que a caracterizavam. “Foram guardadas as cantarias para serem incorporadas na nova fachada”, referiu Vítor Cóias.

Em Abril de 2016, o então presidente da Câmara de Estremoz, Luís Mourinha, eleito na lista do Movimento Independente por Estremoz e que perdeu o mandato em Fevereiro de 2019 por ter sido condenado pelo crime de prevaricação, garantia ao PÚBLICO: a deliberação aprovada (em Março de 2016) pelo executivo municipal determina que a fachada da antiga casa “vai manter-se tal com está”. Mas, em Abril passado, acabou por ser demolida.

Projecto de milhões

A Casa do Alcaide-Mor de Estremoz foi adquirida em hasta pública por 180 mil euros pelo antigo presidente da Portucel e ex-administrador da EDP Jorge Godinho, que é sócio-gerente da empresa Barrocas Turismo e Lazer. Também comprou um conjunto de outros edifícios do mesmo quarteirão a particulares, desde a antiga Casa do Alcaide-Mor até à Capela da Rainha Santa Isabel. Na sua maior parte, estavam devolutos. O promotor teve de negociar apenas a saída de um residente que tinha feito obras no edifício que habitava.

Durante a apresentação do projecto da autoria de Siza Vieira e Carlos Castanheira, a 17 de Julho de 2019, Jorge Godinho adiantou que o empreendimento oferece, para além do hotel e das villas, “vários pátios, com espaços de lazer, e um patamar ajardinado junto à muralha” que permita a todos os hóspedes e visitantes frequentar uma zona de restauração na unidade hoteleira.

O conjunto das casas adquiridas a particulares vão funcionar como suítes, todas elas viradas para um hall central, e o projecto vai custar “vários milhões de euros”, refere o promotor, sem adiantar números precisos. Os hóspedes vão usufruir de todos os serviços do hotel.

O imóvel que se encontrava ao abandono desde a década de 30, e que chegou a ser um bordel, teve na sua génese as dificuldades de alojamento que D. Afonso V sentia sempre que se deslocava a Estremoz para caçar. A casa do alcaide-mor passou a albergar o monarca e a sua numerosa corte durante longos períodos, transformando-se em paço real, obrigando o alcaide-mor e a sua família a deslocarem-se para outro local.

É neste contexto que surge a necessidade de encontrar uma nova habitação para o alcaide-mor, que se materializa com a construção da casa onde vai surgir agora, no século XXI, um hotel de charme.

O edifício, que também é conhecido por Casa da Câmara medieval, terá acolhido o paço municipal, mas Túlio Espanca (historiador de arte e primo de Florbela Espanca) admite que esta funcionalidade “parece não ter muito fundamento”. Depois passou por momentos conturbados, quando a Câmara de Estremoz o colocou à venda numa criticada hasta pública.

Foi arrematado por John Ryan, cidadão irlandês em representação de Iris Holding Group, empresa dos Estados Unidos da América com sede num paraíso fiscal nos EUA e com sucursal na Praça Luís de Camões, em Estremoz, pelo preço de 279 mil euros. O cheque no valor de 10% do preço global da licitação (27.900 euros) foi depositado na conta do município de Estremoz, mas rapidamente se descobriu que estava sem provisão-

John Ryan foi notificado pela autarquia para, no prazo máximo de cinco dias úteis, proceder à regularização do cheque. Nada feito. Segue-se mais uma série de prorrogações para que regularizasse o pagamento da caução e é ameaçado com a possibilidade do município recorrer à via judicial para a cobrança em dívida, o que não surtiu qualquer efeito. Depois de várias insistências, Ryan mostrou-se apenas disponível para assinar “o que fosse necessário para a realização de nova hasta pública ou para a adjudicação do imóvel a quem fez a proposta imediatamente anterior à última efectuada” em hasta pública. A venda acabou por ser revogada.

Por fim, em Agosto de 2018 e em nova hasta pública, a Casa do Alcaide-Mor de Estremoz foi arrematada a Jorge Godinho, pelo valor de 180 mil euros, e as obras de reconversão do imóvel, que deveriam ter arrancadono início de 2020, começaram em Abril de 2021.

O edifício que foi a residência privada de D. Sancho de Noronha, alcaide-mor de
Estremoz durante o século XV, evidenciava vários estilos, tais como o mudéjar,
o renascentista, o manuelino e o neoclássico.

Fachada será reconstruída

Na reunião da Câmara de Estremoz realizada no dia 28 de Abril de 2021, os vereadores da oposição (PS) questionaram o presidente da autarquia pela falta de informação que está a envolver o projecto, alegando desconhecerem as razões que forçaram à demolição da fachada do edifício. Mesmo assim, esperam que o derrube da estrutura tenha sido feito “após um levantamento preciso para a sua reconstrução e de acordo com a imagem existente.”

O vereador José Trindade respondeu que foi efectuada uma “demolição/contenção da fachada com aproveitamento de todos os elementos necessários para a sua replicação”, tendo o processo sido precedido de um relatório prévio devidamente aprovado pelos Serviços de Arqueologia da Direcção Regional de Cultura do Alentejo.

Vítor Cóias diz que o projecto de Siza Vieira e Carlos Castanheira “‘turistifica’, mais do que requalifica, e contraria as intenções que vinham sendo manifestadas pelo município, que eram de criar um espaço aberto ao público, com uma utilização de índole cultural.”

Não foi possível obter esclarecimentos do presidente da Câmara de Estremoz, Francisco Ramos, nem da Direcção Regional de Cultura do Alentejo, sobre o assunto.


CARLOS DIAS

segunda-feira, 11 de outubro de 2021

O Peralta sou eu


Peralta. Joana Oliveira (1978-   ).

Uma pedrada no charco
Colecciono Bonecos de Estremoz há mais de quatro décadas e como é sabido sou um coleccionador da velha escola. Significa isso que tenho vindo a reunir exemplares desde o séc. XVIII até aos dias de hoje, de todos os barristas conhecidos e desconhecidos, o que me permite conhecer as marcas identitárias e os estilos de cada um, bem como aqueles que no modo de produção ao modo de Estremoz, foram mais conservadores e os que foram mais inovadores. Estou pois à vontade para falar do assunto e nele “navego como peixe na água”.
Foi em 2020 que tive o prazer de conhecer o trabalho da barrista Joana Oliveira e confesso-vos que foi “amor à primeira vista”. Concluí de imediato estar em presença de uma barrista de primeira linha, disposta a “dar pedradas no charco”, pelo que me tornei de imediato seu admirador e necessariamente cliente, já que sou coleccionador. A amizade e a defesa acérrima do seu trabalho, surgiram depois e continuam para o que der e vier.

Uma encomenda
Em devido tempo e pela segunda vez, contactei a barrista de quem queria possuir figuras que já tinha doutros criadores. “Roma e Pavia não se fizeram num dia”, pelo que só em finais de Setembro, a encomenda me seria entregue por fiel portador.   
A encomenda vinha acompanhada de uma carta, da qual cito um excerto:
“Caro Hernâni:
Espero que estas peças o encantem bem, e cheguem até si inteiras e ao seu gosto.
Como tenho mau feitio e, tem que ser admitido, dificuldade em fazer o que me pedem, quando me pediu o Peralta e eu o comecei a modelar, digamos que o barro falou comigo e as minhas mãos comandaram. Quando fui a ver, o dito Peralta já tinha bigode e era um rapaz todo janota que enfim poderia ser o Hernâni, caso se fizesse uma versão “Peralta” do amigo Hernâni”. (…).

Aviso de recepção
Conferida a encomenda e lida a carta, expedi de imediato, via correio electrónico, o seguinte aviso de recepção:
“Joana:
A encomenda chegou nas melhores condições. E aconteceu um facto inesperado que nunca me passaria pela cabeça. A lotação era superior ao previsto e vinha um passageiro a mais. Brevemente, vou ter que falar dele, assim como das senhoras que o acompanhavam. Mas, para já, aqui fica a primeira impressão, em jeito de quadra popular:

“É um peralta.
Está a matar.
Nada lhe falta
para destoar.”

E assim terminei o aviso de recepção.
A estrofe de quatro versos pentasilábicos de rima alternada, com que encerrei a missiva, foi a primeira de um conjunto mais vasto que integra um poema dedicado a todos os Peraltas que tenho. Oportunamente será feita a apresentação pública dos mesmos, envergando vaidosos as estrofes que lhes compus.

Peralta à vista
Trata-se de um Peralta elegantemente vestido com traje de cerimónia.
Do conjunto sobressai um casaco preto, tipo paletó com lapelas em cetim da mesma cor (smoking), bem como um par de calças às listras pretas e cor de cinza, com bainhas.
Sob o casaco uma camisa branca, decerto com a frente trabalhada e cujo colarinho ostenta um vistoso laço (papilon) de seda preta. A camisa está supostamente cingida à cintura por uma faixa de seda preta que não é visualizável.
Nos pés, os clássicos sapatos pretos, de verniz, encimados por polainas brancas de veludo, que protegem a parte inferior das pernas.
O cabelo e bigode são de cor cinza, reveladora da patina do tempo. Os olhos grandes e profundos dão conta do muito que já viu e do muito que ainda anseia ver. Por isso tem os olhos bem abertos.
O chapéu às três pancadas dá-lhe um ar de “bon vivant”, que ainda está pronto para as curvas.
A postura das mãos indicia que se está a preparar para iniciar uma pirueta. A figura lembra-me de imediato o actor, cantor e bailarino Fred Astaire na canção “Andando Com Estilo” (Puttin´on The Ritz -1930).
 
E se fosse verdade?
Bom, se fosse verdade, o meu bigode teria de ter um penteado diferente, como disse em 2011 em texto dirigido a uma amiga:
O meu bigode é um bigode com as pontas reviradas para baixo. Você já me imaginou com o bigode revirado para cima, com ar de monárquico órfão à espera que El-Rei D. Sebastião regresse numa manhã de nevoeiro? (Que me perdoem os meus amigos monárquicos, que os tenho, por tecer considerações sobre os seus reais bigodes). Mas eu, que sou realmente republicano, só posso usar um bigode com as pontas reviradas para baixo.”
Para além disso nada de apontamentos a sugerir que estou pronto para as curvas, já que as únicas que me são permitidas são as curvas da caligrafia.
Finalmente nada de insinuações que danço sapateado à maneira do Fred Astair. Creio ser mais credível sugerir que pertenço à tribo dos pés de chumbo.

Agradecimentos
Quero agradecer à barrista o ar simpático que conferiu ao meu rosto, que na prática é uma carantonha capaz de assustar um feroz touro Miura.
Quero agradecer-lhe também a linda roupa com que presenteou o meu representante e que me daria muito jeito, para me vestir à Peralta de vez em quando.
Quero agradecer-lhe finalmente toda a frescura e simpatia irradiantes que soube imprimir à representação de uma pessoa idosa, fruto da sua visão transformadora do mundo e da vida, em sintonia com a sua alma de criadora, transmitida ao barro pela dupla magia das sua mãos e da paleta de cores usadas.
Obrigado Joana por mais esta “pedrada no charco” e por partilhar connosco tesouros como este, que ficam a honrar a barrística de Estremoz.

Publicado inicialmente em 9 de Outubro de 2020

domingo, 10 de outubro de 2021

Parabéns, Benfica!

 

Bilha em barro vermelho de Estremoz. Decoração fitomórfica
e emblema do Sport Lisboa e Benfica no bojo.

Sou benfiquista desde que há 75 anos rasguei o ventre a minha mãe. Nascido em Estremoz, terra de barro que já foi de oleiros, há muito que guardo memórias da olaria. Como é o caso da presente bilha, decorada com elementos fitomórficos e que ostenta no bojo, o emblema do meu clube de eleição.
Com esta imagem mostro o meu regozijo pela eleição de Rui Costa como Presidente da Direcção do SLB, por 84,48 % dos votos.

PARABÉNS, BENFICA!

Hernâni Matos

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

Atributos, pormenores e estilo


Mulher a passar a ferro. Jorge da Conceição (1963-  ). Colecção do autor.


Prólogo
A barrística de Estremoz é diversificada, pelo que legitimamente se põe a questão de saber quais as características que os exemplares produzidos ao modo de Estremoz, não podem deixar de ter. Vou procurar dar uma resposta a essa questão num caso concreto.

Atributos
Na barrística de Estremoz, cada um dos chamados “Bonecos da Tradição”, goza de determinados atributos. Estes não são mais que as particularidades invariantes que obrigatoriamente um barrista deve ter em conta na confecção de cada uma dessas figuras. Essas particularidades estão associadas a cada uma dessas figuras e ajudam a identificá-las.
No caso da figura conhecida por “Mulher a passar a ferro” (Figs. 1 a 13) esses atributos são quatro: mesa, peça de roupa, ferro de engomar e mão direita da mulher a segurar o ferro;

Pormenores
Para além das particularidades invariantes atrás referidas, existem outras particularidades variáveis (pormenores) cuja inclusão na manufactura de uma figura, depende do livro arbítrio do barrista. No caso da figura conhecida por “Mulher a passar a ferro”, esses pormenores são os seguintes:
- MESA: pode variar o tipo de mesa, bem como a sua cor e a cor do tampo;
- FERRO DE ENGOMAR: pode ser de diferentes tipos;
- PEÇA DE ROUPA A SER ENGOMADA: de tipo e cor variável;
- PEÇAS DE ROUPA EXSTENTES EM CIMA DA MESA: Em número, tipo e cor variável;
- COBERTURA DO TAMPO DE MESA: pode existir ou não;
- MÃO ESQUERDA DA MULHER: pode estar assente sobre a mesa, segurando ou não a peça de roupa, mas pode estar também apoiada no corpo, em posição variável; 
- VESTIDO DA MULHER: de tipo, cor e componentes variáveis;
- OUTRO VESTUÁRIO DA MULHER: pode trajar avental ou ter um xaile nas costas;
- CABELO DA MULHER: o penteado é variável;
- CABEÇA DA MULHER: a cabeça pode estar a descoberto ou ser protegida por um lenço ou ainda estar ornamentada com uma canoa;
- GEOMETRIA DA BASE: rectangular ou trapezoidal, com as pontas vivas, adoçadas ou aparadas em bisel;
- TOPO DA BASE: verde-escuro simples ou pintalgado de zarcão, branco e amarelo. Em alternativa pode ter uma decoração que simula um chão, como por exemplo, de tijoleira;
- ORLA DA BASE: zarcão, castanho ou pintalgado com as cores da base.

Estilo
O estilo é o modo como cada barrista se exprime, revelando a sua individualidade através de marcas identitárias que lhe são próprias e que se repetem ao longo da sua produção.

Epílogo
A pluralidade de resultados distintos possíveis de obter na confecção de uma figura, mesmo dos chamados “Bonecos da tradição”, é reveladora da riqueza da barrística de Estremoz.

Publicado inicialmente em 6 de Outubro de 2020
Oficinas de Estremoz do séc. XIX. Colecção do autor.

Ana das Peles (1859-1945). Colecção Jorge da Conceição.

Mariano da Conceição (1903-1959). Colecção Jorge da Conceição.

Sabina da Conceição (1921-2005). Colecção do autor.

Liberdade da Conceição (1913-1999). Colecção Jorge da Conceição.

José Moreira (1926-1991). Colecção do autor.


Maria Luísa da Conceição (1934-2015). Colecção Jorge da Conceição.

Jorge da Conceição (1963-  ). Colecção do autor.

Carlos Alves (1958-  ). Colecção do autor.

Ricardo Fonseca (1986-  ). Colecção do autor.

José Carlos Rodrigues (1970-   ). Colecção do autor.

Luís Parente (?  -   ). Colecção do autor.

Jorge Carrapiço (1968  -   ). Colecção do autor


#hernanimatos #bonecosdeestremoz #figurado de estremoz

quarta-feira, 6 de outubro de 2021

Provérbios de Outubro


OUTUBRO - Iluminura do “Livro de Horas do Duque de Berry” (Século XV), manuscrito
com iluminuras dos irmãos Paul, Jean et Herman de Limbourg, conservado no
Museu Condé, em Chantilly, na França.

- Aí por São Lucas (18/10) bem sabem as uvas.
- Andar marinheiro, andar, não te apanhe São Simão (28/10) no mar.
- Com a vinha em Outubro, come a cabra e engorda o boi.
- Com a vinha em Outubro, come a cabra, engorda o boi e ganha o dono.
- De São Simão (28/10) a São Judas (28/10), comidas são as uvas.
- Dia de Santa Iria (20/10), pega nos bois e guia.
- Em dia de São Simão (28/10), quem não assa um magusto não é bom cristão.
- Em Outubro centeio ruivo.
- Em Outubro não fies só lã; recolhe o teu milho e o teu feijão, senão de Inverno tens a tua barriga em vão.
- Em Outubro não vás ao mar para pescar; mas vai ao celeiro e abre o mealheiro.
- Em Outubro o fogo ao rubro.
- Em Outubro o lume já é amigo.
- Em Outubro ou secam as fontes, ou passam os rios por cima das pontes.
- Em Outubro paga tudo e recolhe tudo.
- Em Outubro paga tudo.
- Em Outubro pega tudo e recolhe tudo.
- Em Outubro pega tudo.
- Em Outubro recolhe tudo.
- Em Outubro sê prudente: guarda o pão, guarda a semente.
- Em Outubro semeia e cria, terás alegria.
- Em Outubro, centeio ruivo.
- Em Outubro, cordoadas de São Francisco (4/10).
- Em Outubro, meu trigo cubro.
- Em Outubro, Novembro e Dezembro, abre o teu celeiro e o teu mealheiro.
- Em Outubro, Novembro e Dezembro, quem come do mar, tem que jejuar.
- Em Outubro, o fogo ao rubro.
- Em Outubro, o lume já é amigo.
- Em Outubro, ou secam as fontes ou passam os rios por cima das pontes.
- Em Outubro, S. Simão (28/10), favas no chão.
- Em Outubro, S. Simão (28/10); semear, sim; navegar, não.
- Em Outubro, semeia, cria e terás alegria.
- Em São Simão (28/10), fava na mão.
- Janeiro gear, Fevereiro chover. Março encanar, Abril espigar, Maio engrandecer. Junho ceifar, Julho debulhar, Agosto engavelar. Setembro vindimar, Outubro revolver, Novembro semear, Dezembro nasceu Deus para nos salvar.
- Logo que Outubro venha, procura a lenha.
- No dia de São Simão (28/10) e São Judas já colhidas são as uvas.
- No dia de São Simão (28/10), barcos para trás do portão.
- No Outono o Sol tem sono.
- No São Simão (28/10), fava no chão.
- Outubro chuvoso faz ano venturoso.
- Outubro chuvoso toma o lavrador venturoso.
- Outubro erveiro, guarda para Março o palheiro.
- Outubro lavrar, Novembro semear, Dezembro nascer.
- Outubro meio chuvoso, torna o lavrador venturoso.
- Outubro nublado, Janeiro molhado.
- Outubro quente traz o Diabo no ventre.
- Outubro seca tudo.
- Outubro seca tudo. Se em Outubro demorares a terra a lavrar, pouco hás-de enceleirar.
- Outubro secão, negaças de verão.
- Outubro sisudo colhe tudo.
- Outubro sisudo, recolhe tudo.
- Outubro suão, negaças de Verão.
- Outubro vaca para o palheiro e porco para o outeiro.
- Outubro, paga tudo.
- Outubro, pega tudo.
- Outubro, recolhe tudo.
- Outubro, rega tudo.
- Outubro, revolver.
- Outubro, seca tudo.
- Outubro, vaca para o palheiro e porco para o outeiro.
- Ouvidos a comer, água que vai chover.
- Pelo São Francisco (4/10) semeia o teu trigo e a velha que o dizia, semeado o linha.
- Pelo São Francisco (4/10), nem nado, nem no cortiço.
- Pelo São Lucas (18/10), mata os porcos e tapa as cubas.
- Pelo São Simão (28/10) e São Judas (18/10) já colhidas são as uvas.
- Pelo São Simão (28/10) enfarrusca o pinhão.
- Pelo São Simão (28/10), quem não faz um magusto, não é cristão.
- Pelo São Tadeu (28/10) e São Judas (28/10) prova as uvas.
- Por Santa Ireia (20/10), toma os bois e semeia.
- Por São Francisco (4/10) semeia o teu trigo; e a velha que o dizia, já semeado o tinha.
- Por São Francisco (4/10), semeia teu trigo.
- Por São Lucas (18/10) mata teus porcos e tapa tuas cubas.
- Por São Lucas (18/10), sabem as uvas.
- Por São Simão (28/10) e São Judas, colhidas são as uvas.
- Por São Simão (28/10), fava na mão.
- Por São Simão (28/10), favas no chão.
- Por São Simão (28/10), semear sim, navegar não.
- Quando o Outubro for erveiro, guarda para Março o palheiro.
- Quando Outubro for erveiro, guarda para Março o palheiro.
- Quem planta no Outono leva um ano de abono.
- São Simão (28/10), fava na mão.
- Se as andorinhas partirem em Outubro, seca tudo.
- Se em Outubro demorares a terra a lavrar, pouco hás-de enceleirar.
- Se em Outubro te sentires gelado, lembra-te do gado.
- Setembro, vindimar; Outubro, revolver.
- Vindima em Outubro que S. Martinho te dirá.
Publicado inicialmente em 26 de Outubro de 2011

segunda-feira, 4 de outubro de 2021

Quando a mudez fala por si

 

Fig. 1 - Bacia em barro vermelho vidrado de Redondo.


Prólogo
Proponho-me analisar um objecto cerâmico (Fig. 1) que não pode integrar a chamada “cerâmica falante”, visto não conter dizeres inscritos. Todavia, tem muito para nos contar, como veremos de seguida.

Identificação e dimensões
Trata-se de uma bacia em barro vermelho vidrado de Redondo, decoração pintada em tons de verde, amarelo e ocre. As dimensões são as seguintes: diâmetro da base: 34 cm; diâmetro exterior da abertura: 46 cm; diâmetro interior da abertura: 44 cm; largura do bordo: 1 cm; Altura: 11 cm.

Decoração
Bordo liso, pincelado irregularmente a verde. Pinceladas amarelas, ocres e verdes, reunidas em grupos afastados entre si. Estas pinceladas dirigem-se todas do bordo para o fundo, ao longo do covo, desviadas para a direita.
O fundo da bacia está decorado com uma bandeira quadrada e bipartida verticalmente em duas cores, verde escuro e ocre, ficando o ocre do lado da tralha. Ao centro e sobreposta à união das cores, figura uma esfera armilar em amarelo e assente sobre elas um escudo de armas com uma alegoria à República. Esta é materializada sob a forma de figura feminina, usando na cabeça um barrete frígio vermelho, o qual desde o séc. XVIII é conhecido como um símbolo de liberdade.

Bandeira nacional
Com a queda da Monarquia a 5 de Outubro de 1910, ocorre uma mudança de paradigma. As instituições e símbolos monárquicos (Rei, Cortes, Bandeira Monárquica e Hino da Carta) são proscritos e substituídos pelas instituições e símbolos republicanos (Presidente da República, Congresso da República, Bandeira Republicana e A Portuguesa), o mesmo se passando com a moeda e as fórmulas de franquia postais.
Visando a criação de uma nova bandeira para o regime republicano, por decreto de 15 de Outubro de 1910, o Governo Provisório nomeou uma “Comissão da Bandeira” integrada por Columbano Bordalo Pinheiro (pintor), Abel Botelho (escritor), João Chagas (jornalista e político), Ladislau Pereira (tenente) e Afonso Palla (capitão).
Poucos dias depois, em 29 de Outubro, a Comissão apresentou ao Governo Provisório uma primeira proposta de bandeira (Fig. 3), assente num cromatismo verde-rubro, o qual remonta ao movimento do 31 de Janeiro de 1891. Também em 5 de Outubro, foi utilizado por Machado Santos na Rotunda e, depois, em todos os quartéis e no alto do Castelo de São Jorge. A proposta, foi de resto, inspirada na bandeira da Carbonária (Fig. 2), sociedade secreta e revolucionária, que teve papel determinante na Revolução de 5 de Outubro de 1910.
Para além daquela proposta e como resultado do entusiasmo popular que então se vivia, surgiram ainda inúmeras outras propostas, suscitando todas elas um debate público muito vivo, centrado no cromatismo e no simbolismo da bandeira.
A 29 de Novembro, após algumas alterações à primeira proposta da Comissão, o Governo Provisório aprovou o projecto final da bandeira (Fig. 4): a bandeira verde e rubra, que após ser produzida pela Cordoaria Nacional, foi distribuída por todo o país.
A decisão do Governo Provisório viria a ser ratificada por decreto aprovado pela Assembleia Nacional Constituinte, na sua sessão inaugural, a 19 de Junho de 1911.

Datação da bacia
A bandeira que decora o fundo da bacia não corresponde ao modelo aprovado pelo Governo Provisório, pelo que se trata de um dos inúmeros projectos que vieram a público, antes do modelo ser aprovado. Tal facto, leva-nos a admitir que a bacia tenha sido produzida no período 1910-1911. Vejam lá a estória que a bacia tinha para nos contar.

BIBLIOGRAFIA

- ARQUIVO NACIONAL ALFREDO PIMENTA. República na Cidade. [Em linha]. Disponível em: https://www.amap.pt/p/hist-republica-na-cidade-2 [Consultado em 01 de Outubro de 2021].
- COMISSÃO NACIONAL PARA AS COMEMORAÇÕES DO CENTENÁRIO DA REPÚBLICA. Projectos de bandeira nacional. [Em linha]. Disponível em: https://5outubro.centenariorepublica.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=100&Itemid=98 [Consultado em 01 de Outubro de 2021].
- MUSEU DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Bandeira Nacional. [Em linha]. Disponível em: https://www.museu.presidencia.pt/pt/conhecer/simbolos-nacionais/bandeira-nacional/ [Consultado em 01 de Outubro de 2021].
- PARTIDO POPULAR MONÁRQUICO DE BRAGA. Bandeira nacional de Portugal. [Em linha]. Disponível em: https://ppmbraga.blogspot.com/2014/02/bandeira-nacional-de-portugal.html [Consultado em 01 de Outubro de 2021]. 

Publicado inicialmente a 4 de Outubro de 2021

Fig. 2 - Bandeira da Carbonária.

Fig. 3  - Bandeira portuguesa - 1.ª proposta da Comissão de Bandeira.

Fig. 4 - Bandeira portuguesa - 2.ª proposta da Comissão de Bandeira.