domingo, 14 de julho de 2024

Agente do FBI? Nem pensar!

 

Fotografia de Luís Dias.


Frequentador assíduo do Mercado da Velharias em Estremoz, sou considerado por muitos como fazendo parte da “mobília”. E não sou “cristão novo”! A minha fé no Mercado remonta aos tempos da sua criação.

Por ali tenho conhecido algumas das minhas maiores alegrias como coleccionador e tenho cimentado amizades sólidas e de respeito mútuo com muitos vendedores, com os quais tenho partilhado conhecimentos e com os quais também tenho aprendido muito.

Com Sebastião da Gama, partilho entre muitas outras coisas, a firme convicção de que o sábado é o melhor dia da semana. Por isso, nos sábados de manhã, o meu escritório é ali. Quem me quiser encontrar já sabe onde eu assento arraiais e cumpro os meus preceitos e rituais de coleccionador da velha guarda.

Foi no Mercado das Velharias que no passado dia 27 de Abril fui surpreendido pelo fotógrafo Luís Dias, o que me levou instintivamente a esboçar um sorriso com que iluminei aquilo a que os outros convencionaram chamar um “ar carrancudo”. Foi um sorriso parcialmente eclipsado pelas lentes fotocromáticas que me protegem dos ultravioletas.

Agente do FBI? Nem pensar?

quinta-feira, 11 de julho de 2024

Visita guiada à exposição “NEO-REALISMO / MEMÓRIAS GUARDADAS / COLECÇÃO HERNÂNI MATOS”



Créditos fotográficos:
Jorge Mourinha - Município de Estremoz

No próximo dia 13 de Julho (sábado), terá lugar pelas 16 horas, uma visita guiada à exposição de artes plásticas NEO-REALISMO / MEMÓRIAS GUARDADAS / COLECÇÃO HERNÂNI MATOS, patente ao público na Sala de Exposições Temporárias do Museu Municipal de Estremoz Prof. Joaquim Vermelho.

A visita será conduzida por mim próprio na qualidade de expositor. Nela começarei por dar uma visão do que foi o movimento neo-realista português, o modo como surgiu e porque surgiu, os seus marcos mais importantes, as lutas em que se envolveu antes do 25 de Abril, bem como as suas naturais implicações.

Seguidamente, orientarei uma visita guiada à exposição, procurando facilitar a leitura e interpretação das obras dos artistas plásticos patentes ao público: Júlio Pomar, António Cunhal, Lima de Freitas, Júlio Resende, Manuel Ribeiro de Pavia, Cipriano Dourado, Rogério Ribeiro, Alice Jorge, Jorge de Almeida Monteiro, Espiga Pinto, Querubim Lapa e Aníbal Falcato Alves.

No seu conjunto, as obras expostas são em número de 40 e distribuem-se por diferentes tipologias: desenho a grafite, desenho a tinta-da-China, guache, aguarela, técnica mista, serigrafia, linoleogravura, xilogravura, litografia, água forte e água tinta e colagem.

A exposição integra o programa das Comemorações "50 ANOS EM LIBERDADE: COMEMORAÇÕES DO 50° ANIVERSÁRIO DA REVOLUÇÃO DE ABRIL DE 1974”, promovidas pelo Município de Estremoz.

A mostra estará patente ao público até ao próximo dia 15 de Setembro.

A participação na visita guiada não carece de marcação e é inteiramente gratuita.

quarta-feira, 3 de julho de 2024

Carlos Alberto Alves distinguido com menção honrosa na FIA – Lisboa 2024

 

Fotografia de Tiago Martins

O barrista estremocense Carlos Alberto Alves foi hoje distinguido com uma das três menções honrosas atribuídas pelo Júri do Concurso de Artesanato FIA - Feira Internacional de Lisboa 2024, na modalidade de Artesanato Tradicional. A distinção do júri incidiu sobre a figura composta do Figurado de Estremoz, designada por “Cante alentejano”. O barrista está de parabéns e com ele a cidade de Estremoz, em cuja comunidade bonequeira se insere.

RESULTADOS GLOBAIS DO CONCURSO DE ARTESANATO FIA LISBOA 2024

Ao fim da tarde de hoje, foram divulgados os resultados do Concurso de Artesanato FIA - Feira Internacional de Lisboa 2024.
As distinções atribuídas pelo Júri foram:

Artesanato tradicional
1º Prémio: Fernando de Araujo Pereira | Peça: Alforge Tradicional Barrosão | Stand: 2C55
Menções Honrosas:
Marta Teixeira da Cruz | Peça: Colcha de Labirinto | Stand 2G50
Carlos Alberto Alves | Peça: Cante Alentejano | Stand: 2A37
Maria da Conceição Medeiros | Peça: Superação | Stand: 2G32
Artesanato Contemporâneo
1º Prémio: Catarina Tudella | Peça: Albarrada | Stand: 2C01
Menções Honrosas:
Isabel Carneiro | Peça: Tiara da Deusa Grega Gaia | Stand: 2E54
Telmo Roque | Peça: Faca para cogumelos Alcaide | Stand: 2A46
Teodolinda Semedo | Peça: Abeira | Stand: 2A55

A composição do júri foi a seguinte:
- Leandro Coutinho (FPAO - Federação Portuguesa de Artes e Ofícios)
- Alexandre Oliveira (IEFP - Instituto Emprego e Formação Profissional)
- Rita Jerónimo (DGARTES - Direção-Geral das Artes)
- Graça Ramos (Portugal à Mão)
- Teresa Costa e equipa (ADERE-Certifica)
- Luis Rocha (CEARTE - Centro de Formação Profissional para o Artesanato e Património)

Em comunicado distribuído, a Direcção da FIA Lisboa agradece a todos os concorrentes pela participação nos Concursos de Artesanato da FIA LISBOA e dá os seus sinceros parabéns a todos os premiados. Informa ainda que as peças premiadas se encontram expostas a partir de 4 de Julho na entrada do Pavilhão 2.
A entrega de Prémios terá lugar na 6ªfeira, dia 5 de Junho às 18 h, no Auditório FIA – Pavilhão 2

IMPORTÂNCIA E SIGNIFICADO DOS PRÉMIOS
De acordo com Teresa Costa e equipa (ADERE-Certifica), “A equipa ACERTIFICA entende que o concurso de Artesanato promovido pela FIA, é por um lado um incentivo à criatividade dos artesãos, por outro lado um reconhecimento do seu trabalho, quer seja uma peça tradicional, quer seja contemporânea, dando notoriedade às suas produções. Participar é sempre o mais importante”
Segundo Luís Rocha (CEARTE), “Os Prémios de Artesanato da FIA são um instrumento importante para valorizar, promover e celebrar os artesãos e o artesanato português.
Distingue, dos artesãos participantes na FIA, aqueles que se destacam pelas suas produções, sejam de natureza tradicional ou contemporânea, reconhecendo deste modo o exímio domínio do saber-fazer artesanal de que os artesãos são detentores, bem como, no contemporâneo, a sua capacidade para apresentar novas soluções, novos materiais e a conjugação do tradicional com a contemporaneidade.
Ao promover artesãos e o artesanato, contribui para a criação de valor a afirmação do valor patrimonial, cultural identitário, e económico do artesanato português.”

sexta-feira, 28 de junho de 2024

Adagiário dos Santos Populares Portugueses

 



As actividades agro-pastoris e pescatórias estão associadas ou são balizadas por determinadas datas, tanto do calendário juliano como do calendário hagiológico. Daí não ser de estranhar que os nomes dos Santos Populares integrem o adagiário português.

Santo António (13 de Junho)
- Dia de Santo António vêm dormir as castanhas ao castanheiro.
- Não peças água a Luzia e a Simão, nem sol a António e a João, que eles tudo isso te darão.

São João (24 de Junho)
- A chuva de S. João, bebe o vinho e come o pão.
- A chuva de S. João, tolhe o vinho e não dá pão.
- Água de S. João, tira o vinho e não dá pão.
- Ande o Verão por onde andar, pelo S. João cá vem parar.
- Até S. Pedro, o vinho tem medo.
- Cavas em Março e arrenda pelo São João, todos o sabem, mas poucos o dão.
- Chuva de S. João, acaba com o vinho e não ajuda o pão.
- Chuva de S. João, talha vinho e não dá pão.
- Chuva pelo S. João, bebe o vinho e come o pão.
- Chuvinha de S. João, cada pinga vale um tostão.
- Do Natal a São João, seis meses são.
- Em Abril queima a velha o carro e o carril, uma camba que ficou, ainda em Maio a queimou e guardou o seu melhor tição para o mês de São João.
- Em dia de São Pedro, vê o teu olivedo e se vires um bago espera por um cento.
- Galinhas de S. João, pelo Natal poedeiras são.
- Galinhas de São João, pelo Natal ovos dão.
- Guarda pão para Maio, lenha para Abril e o melhor tição para o S. João.
- Lavra pelo S. João e terás palha e pão.
- Lavra pelo S. João se queres ter pão.
- Lavra pelo São João se queres ter palha e pão.
- Maio louro, mas nem muito louro e São João claro como olho-de-gato.
- Março amoroso, Abril chuvoso, Maio ventoso, São João calmoso, fazem o ano formoso.
- Março chuvoso, S. João farinhoso.
- Março duvidoso, S. João farinhoso.
- Março molinhoso, S. João farinhoso.
- Não peças água a Luzia e a Simão, nem sol a António e a João, que eles tudo isso te darão.
- Ouriços do S. João, são do tamanho de um botão.
- Pelo S. João, a sardinha pinga no pão.
- Pelo S. João, ceifa o teu pão.
- Pelo S. João, deve o milho cobrir o cão.
- Pelo S. João, figo na mão, pelo S. Pedro, figo preto.
- Pelo S. João, lavra e terás palha e pão.
- Pelo S. João, perdigoto na mão.
- Pelo S. João, semeia o teu feijão.
- Pelo São João, foice na mão.
- Pintos de S. João, pela Páscoa ovos dão.
- Porco, no São João, meão; se meão se achar, podes continuar; se mais de meão, acanha a ração.
- Quando Jesus se encontra com João, até as pedras dão pão.
- Quando o vento ronda o mar na noite de S. João, não há Verão.
- Quem quiser bom melão, semeia-o na manhã de São João.
- S. João e S. Miguel passados, tanto manda o amo como o criado.
- Sardinha de S. João, já pinga no pão.
- Se bem me quer João, suas obras o dirão.
- Se queres ter pão, lavra pelo São João.
-Tem o porco meão pelo S. João.

São Pedro (29 de Junho)
- Até São Pedro, há o vinho medo.
- Dia de São Pedro, tapa o rego.
- Dia de São Pedro, vê o teu olivedo; e, se vires um grão, espera por cento.
- Nevoeiro de São Pedro põe em Julho o vinho a medo.
- Pelo São Pedro vai ao arvoredo; se vires uma, conta um cento.

quarta-feira, 19 de junho de 2024

Os dias de verão - Sophia de Mello Breyner Andresen





Os dias de verão

Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004)


Os dias de verão vastos como um reino
Cintilantes de areia e maré lisa
Os quartos apuram seu fresco de penumbra
Irmão do lírio e da concha é nosso corpo

Tempo é de repouso e festa
O instante é completo como um fruto
Irmão do universo é nosso corpo

O destino torna-se próximo e legível
Enquanto no terraço fitamos o alto enigma familiar dos astros
Que em sua imóvel mobilidade nos conduzem

Como se em tudo aflorasse eternidade

Justa é a forma do nosso corpo


Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004)

Hernâni Matos

#Poesia Portuguesa - 218

Nostálgica - Álvaro Feijó

 



Nostálgica
Álvaro Feijó (1916-1941)

Debruço-me no cais por sobre o rio,
vendo os navios partir,
vendo os navios voltar.
Vejo algum no horizonte e sigo a esteira
até ele ancorar,
e vou seguindo a esteira
dos que partem, até deixar
de os ver.
No cais há sempre gente!
Muita gente como eu que das viagens
só vê princípio e fim.

Álvaro Feijó (1916-1941)


#Poesia Portuguesa - 217

terça-feira, 18 de junho de 2024

O neo-realismo nas artes plásticas

 

Fig. 1 – Gadanheiro (1945). Júlio Pomar (1926-2018). Óleo sobre aglomerado de madeira,
122 × 83 cm. Museu Nacional de Arte Contemporânea, Lisboa.


LER AINDA


A LUTA CONTRA O REGIME
Foi em 25 de Abril de 1974, graças à acção militar coordenada do Movimento das Forças Armadas – MFA, que foi conseguido o derrube da ditadura mais velha da Europa – o regime totalitário e fascista de Salazar e de Caetano.
O 25 de Abril foi antecedido de muitas lutas contra o regime por parte de múltiplos sectores da sociedade portuguesa. Entre eles a frente cultural de escritores e artistas plásticos, descontentes com a política cultural do regime e que integrou o chamado “Movimento neo-realista português”. Este surge em finais dos anos 30 e identifica-se com a oposição ao regime, afirmando-se como representante e porta-voz dos anseios das classes trabalhadoras, retratando a realidade social e económica do país e empenhando-se na transformação das condições sociais do mesmo. Nesse sentido, foca-se no homem comum, procurando saber como vivem operários e camponeses. Aborda e aprofunda temas como as desigualdades sociais e a exploração do homem pelo homem. Escrutina as injustiças e analisa o modelo social vigente. Pugna pela elevação moral dos oprimidos e deposita esperança no futuro do Homem.

MARCOS DO NEO-REALISMO NAS ARTES PLÁSTICAS
Há marcos importantes na génese e desenvolvimento do neo-realismo no âmbito das artes plásticas, os quais importa aqui salientar:

1 - A IX Missão Estética de Férias em Évora em 1945
As Missões Estéticas de Férias (MEF), instituídas pelo Decreto-Lei n.º 26957, de 28 de Agosto de 1936, destinavam-se a facilitar aos artistas e estudantes portugueses de artes plásticas, o conhecimento dos valores de carácter paisagístico, étnico, arqueológico e arquitectónico de Portugal, bem como a contribuírem para o seu cadastro, inventário e classificação.
As MEF tiveram lugar durante os meses de Agosto e Setembro no período 1937-1963 e visavam promover a formação de uma elite artística no contexto da visão política, académica e estética do Estado Novo. Para tal, os participantes eram escolhidos pelos órgãos da Academia Nacional das Belas Artes, atendendo ao seu mérito académico.
A IX Missão Estética de Férias realizada em Évora em 1945, foi orientada pelo pintor Dórdio Gomes e nela há a salientar a participação não só de pintores como Júlio Resende, António Lino e Júlio Pomar, como de arquitectos como Nadir Afonso e Francisco Rodrigues, bem como do escultor Arlindo Rocha.
O quadro “Gadanheiro” (Fig. 1) de Júlio Pomar ficou a marcar a Missão Estética de 1945, na qual o pintor produziu ainda obras como “Descanso” (Fig. 2) e “Retrato de Camponês” (Fig. 3). No relatório da Missão entregue à Academia Nacional de Belas-Artes, Dórdio Gomes destacou que Júlio Pomar não se interessou pela cidade, antes pelo trabalho dos camponeses, o que na sua opinião constitui outra face do Alentejo.
As pinturas de Júlio Pomar acima referidas, são consideradas pinturas inaugurais do Movimento neo-realista português, em ruptura com o panorama artístico conservador e retrógrado da década de 40.

2 - As Exposições Gerais de Artes Plásticas (1946-1956)
As Exposições Gerais de Artes Plásticas - EGAP ocorreram entre 1946 e 1956 na SNBA - Sociedade Nacional de Belas Artes, com um interregno em 1952, devido à SNBA ter sido encerrada pela PIDE. Foram cruciais na afirmação das correntes artísticas portuguesas do pós-guerra, em particular do neo-realismo. Constituíram também um marco relevante na afirmação das artes plásticas no âmbito político-social, bem como na história da luta contra o fascismo em Portugal.
As EGAP surgiram numa época em que nas poucas salas de exposições como a SNBA, ou imperava um academismo conservador ou se exaltava o regime fascista, como acontecia com o SNI - Secretariado Nacional de Informação, dirigido por António Ferro.
As EGAP foram organizadas anonimamente pelo MUD - Movimento de Unidade Democrática e inseriram-se numa acção política de oposição ao regime, abalado pela crise económica de 1945, no final da guerra. Os expositores eram convidados a participar, sendo-lhes dado conhecimento da inexistência de júri e de prémios, sendo-lhes apenas exigida uma condição: nunca ter exposto no SNI ou doravante não o voltar a fazer.
É de realçar o carácter multidisciplinar das EGAP, já que para além da pintura, escultura, desenho e gravura, incorporaram com regularidade a arquitectura, as artes gráficas, a publicidade, as artes decorativas e esporadicamente, a fotografia.
A 1ª exposição foi um sucesso, o qual se repetiu na 2ª, cujo catálogo assinalava o desejo de aproximar a arte do povo, ao qual era endereçada uma mensagem de amizade e solidariedade. Ao perceber o significado real da iniciativa, o regime reage com violência, primeiro através do Diário da Manhã (órgão da União Nacional – partido único) e depois com uma rusga policial, a qual culminou com a apreensão de obras de Arnaldo Almeida, Avelino Cunhal, José Viana, Júlio Pomar, Maria Keil, Mário Dionísio, Nuno Tavares, Ribeiro de Pavia e Rui Pimentel, entre outros. A partir da 3ª exposição (1948) passou a ser accionada a censura prévia às exposições.
A importância das EGAP foi um corolário natural da sua regularidade e da inexistência de júris e prémios. Na verdade, um tal contexto viabilizou o surgimento de vagas consecutivas de jovens artistas que se destacariam na arte portuguesa, como Manuel Ribeiro de Pavia, Júlio Pomar, Cipriano Dourado, João Hogan, Maria Keil, Rolando Sá Nogueira, Alice Jorge, Querubim Lapa, Lima de Freitas, João Abel Manta, Rogério Ribeiro e António Alfredo, mas não só. Também escultores como Vasco da Conceição, Maria Barreira, Jorge Vieira, José Dias Coelho e Lagoa Henriques e arquitectos como Keil do Amaral, Hernani Gandra, Celestino de Castro, Castro Rodrigues e Sena da Silva. Por outro lado, as EGAP deram visibilidade a tendências variadas, entre elas o neo-realismo, de tal modo que a história deste passa pela história das EGAP.
A participação dos neo-realistas nas EGAP nunca foi maioritária nem assumiu contornos definidos, insurgindo-se os neo-realistas contra a própria ideia de estilo.
O período de afirmação do neo-realismo coincide com a duração das EGAP, já que a partir daí o movimento se dispersa e os artistas vão seguindo cada um o seu caminho.

3 - O ciclo do arroz (1953)
O “Ciclo do arroz” foi uma experiência colectiva, artístico-literária, realizada em 1953, na qual participaram Alves Redol, Júlio Pomar, Rogério Ribeiro, Cipriano Dourado, Lima de Freitas, António Alfredo e Alice Jorge. Consistiu na realização de trabalho de campo junto das trabalhadoras dos arrozais do Ribatejo - cavadoras, mondadeiras e plantadoras de arroz - visando conhecer o seu modo de vida, as condições e a dureza do trabalho. O registo desse trabalho de campo, efectuado através de apontamentos e de fotografias, viria a ser utilizado na criação de obras (fig. 5)que receberam o título comum "Ciclo do arroz".

4 - A fundação da Sociedade Portuguesa de Gravadores (1956)
Em 1956 foi criada em Lisboa, a GRAVURA – Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses, a qual visava promover a gravura enquanto forma de arte. À data, nem sequer as Escolas de Belas Artes de Lisboa e do Porto se dedicavam a essa modalidade artística.
O seu objectivo era desenvolver a produção e divulgação da gravura original em Portugal e a venda aos sócios das gravuras produzidas através da sua actividade, incluindo uma oficina de gravura.
Do conjunto de sócios fundadores em número de 18, ressaltam os nomes de Júlio Pomar, Cipriano Dourado, José Cardoso Pires, Alice Jorge, Rogério Ribeiro, Armando Augusto Vieira dos Santos, José Júlio Andrade dos Santos, Joaquim José Barata e Francisco da Conceição Silva.
A gravura, devido à sua possibilidade de reprodução técnica, constituía um meio privilegiado de tentativa de democratização da prática artística e de aproximação da arte do povo. Por isso, a GRAVURA promoveu exposições itinerantes que percorriam o país e na quais todos os artistas participavam.

BIBLIOGRAFIA

- COSTA, Diogo Moraes Leitão Freitas da. Missões estéticas de férias: estética, academia e política numa iniciativa de formação artística do Estado Novo. Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Lisboa, 2016. [Em linha].  Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/27968?locale=pt_PT . [Consultado em 10 de Abril de 2024].

- ESTEVES, João. EXPOSIÇÃO "OS CICLOS DO ARROZ" - MUSEU DO NEO-REALISMO . Vila Franca de Xira, 2016 [Em linha]. Disponível em: https://silenciosememorias.blogspot.com/2016/04/1438-exposicao-os-ciclos-do-arroz-i.html . [Consultado em 12 de Abril de 2024].

- GOMES, Inês Vieira. Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses: O renascimento da Gravura em Portugal. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Lisboa, 2010. [Em linha]. Disponível em: http://run.unl.pt/bitstream/10362/5700/1/tese.pdf [Consultado em 13 de Abril de 2024].

- NEVES, José. O comunismo mágico-científico de Alves Redol em Etnográfica - Revista do Centro em Rede de Investigação em Antropologia. VOL. 11 (1) | 2007. [Em linha]. Disponível em:  https://journals.openedition.org/etnografica/1884. [Consultado em 10 de Abril de 2024].

- POMAR, Alexandre. 1945 - MISSÃO ESTÉTICA, ÉVORA. [Em linha]. Disponível em: https://alexandrepomar.typepad.com/alexandre_pomar/2020/04/1945-miss%C3%A3o.html . [Consultado em 10 de Abril de 2024].

- QUEIROZ, João Paulo. A Sociedade Nacional de Belas Artes - História em Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa, 2020. [Em linha]. Disponível em: https://snba.pt/wp-content/uploads/2020/12/ASNBA_Historia-2.pdf . [Consultado em 11 de Abril de 2024]. 

- SANTOS, David (coordenador). BATALHA PELO CONTEÚDO / EXPOSIÇÃO DOCUMENTAL / MOVIMENTO NEO-REALISTA PORTUGUÊS. Câmara Municipal de Vila Franca de Xira e Museu do Neo-realismo. Vila Franca de Xira, 2007.

- WIKIPÉDIA. Exposições Gerais de Artes Plásticas. [Em linha]. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Exposi%C3%A7%C3%B5es_Gerais_de_Artes_Pl%C3%A1sticas . [Consultado em 11 de Abril de 2024].

- WIKIPÉDIA. Gravura – Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses. [Em linha]. Disponível em:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Gravura_%E2%80%93_Sociedade_Cooperativa_de_Gravadores_Portugueses [Consultado em 13 de Abril de 2024].

- XAVIER, Pedro do Amaral. Educação artística no Estado Novo: as missões estéticas de férias e a doutrinação das elites políticas em Apha. Boletim #4. Associação Portuguesa de Historiadores de Arte. Porto, 2006. [Em linha]. Disponível em: https://apha.pt/wp-content/uploads/boletim4/PedroXavier.pdf . [Consultado em 10 de Abril de 2024].

Hernâni Matos



Fig. 2 – Descanso (1945). Júlio Pomar (1926-2018). Óleo e areia sobre aglomerado,
48 x 80 cm. Museu do Neo-Realismo, Vila Franca de Xira.

Fig. 3 – Retrato de camponês (1945). Júlio Pomar (1926-2018). Óleo sobre
cartão colado sobre tela, 42x34 cm. Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa.

Fig. 4 – Ordem (1946). José Viana (1922-203). Óleo sobre tela, 73 x 83 cm.
Centro de Arte Moderna, Lisboa.

Fig. 5 – Mondadeiras (1954). Rogério Ribeiro (1930-2008). Aguarela, tinta-da-China e óleo
 sobre papel, 53,2 x 60,4 cm. Museu do Neo-Realismo, Vila Franca de Xira.