segunda-feira, 18 de junho de 2018

O Verão na Bíblia Sagrada


Verão - Ruth e Boaz (1660-64).
Nicolas Poussin (1594-1665).
Óleo sobre tela (118 x 160 cm).
Musée du Louvre, Paris.

São múltiplas as referências bíblicas ao Verão:
Enquanto durar a Terra, jamais faltarão sementeira e colheita, frio e calor, Verão e Inverno, dia e noite". (Génesis 8,22)
mas no tempo do Verão evaporam-se e, chegando o calor, desaparecem de seus leitos. (Job 6,17)
Como o calor do Verão suga a água da neve, também a morada dos mortos suga o pecador. (Job 24,19)
Apesar disso, no Verão ela acumula o grão e ajunta provisões durante a colheita. (Provérbios 6,8)
Como a neve no Verão e chuva na ceifa, assim a honra não convém ao insensato. (Provérbios 26,1)
as formigas, povo fraco, mas que recolhe comida no Verão; (Provérbios 30,25)
A névoa húmida do orvalho, depois do Verão, traz alegria. (Eclesiástico 43,22)
Era como a rosa na Primavera, como lírio junto da água corrente, como ramo de árvore de incenso no Verão! (Eclesiástico 50,8)
Tudo será abandonado aos abutres dos montes e às feras selvagens. No Verão, sobre eles estarão as aves de rapina, e sobre eles todas as feras selvagens passarão o Inverno. (Isaías 18,6)
o tumulto dos estrangeiros como o calor de Verão. Tu alivias o sol forte com a sombra de uma nuvem e fazes calar o canto dos tiranos. (Isaías 25,5)
Vou derrubar a casa de Inverno e a casa de Verão. Serão destruídas as casas de marfim, desaparecerão os palácios de luxo - oráculo de Javé. (Amós 3,15)
Pobre de mim! Estou na situação de alguém que recolhe no Verão, que colhe depois de acabada a colheita. Não há nenhum cacho de uva para eu chupar, nem sequer um figo temporão para me matar a vontade. (Miquéias 7,1)
Naquele dia, sairão águas vivas de Jerusalém. Metade correrá para o mar do lado Nascente e metade para o mar do lado Poente, tanto no Verão como no Inverno. (Zacarias 14,8)
Vendo que elas começam a lançar rebentos, sabeis que o Verão está perto. (São Lucas 21,30)

sábado, 16 de junho de 2018

O calor no adagiário português


A SESTA DOS CEIFEIROS – ALENTEJO (1918). Dórdio Gomes (1890-1976). Óleo sobre tela
(74 x 59 cm). Museu Nacional de Arte Contemporânea, Lisboa.
 
“O sol quando nasce, é para todos.”, “Não há casa onde o sol não entre” e “O sol aquece igualmente o rico e o pobre.”. Todavia, quando o calor do sol nos esturrica os sentidos, o pobre não tem ar condicionado em casa, nem isolamento térmico das paredes e janelas. O ar condicionado do pobre é a sombra de uma árvore.
Nem todos reagimos de igual modo ao calor: “A concha é que sabe o calor da panela.”.
Muitos preferem o calor ao frio: “Antes assoprar que tremer.”.
O calor dantes tinha tempo próprio: “Ande o calor por onde andar, pelo Santo António, há-de chegar.” e “Corra o ano como for, haja em Agosto e Setembro calor.”. Actualmente, devido ao efeito de estufa causado pela poluição, temos calor durante quase todo o ano.
No período em que é normal haver calor, há indícios disso: “Cigarra cantou, calor chegou.”.
Parecendo contrariar a afirmação de que “Não há casa onde o sol não entre.”, surgem os adágios: “Casa onde entra o sol não entra o médico.” e “Onde entra o sol não entra o médico.”, bem como “Onde não entra o sol, entra o médico.”, o que está de acordo com o pensamento de Aristóteles (a.C. 384-322 a.c.): “A saúde é a justa medida entre o calor e o frio.”.
O calor leva a dar alguns conselhos: “No tempo quente, refresca o ventre.”,“No amor e no calor, não metas o cobertor.” e “Quando muito arde o sol, nem mulher, nem carnes, nem caracol.”. E esta hein?

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Mulheres (de) Coragem - POR UM MUNDO MAIS JUSTO



Mulheres (de) Coragem - POR UM MUNDO MAIS JUSTO é o título da mais recente obra de Maria do Céu Pires, lançada no passado dia 9 de Junho, pelas 16 horas no Centro de Ciência Viva em Estremoz.  A apresentação do livro esteve a cargo da Professora Maria de Fátima Crujo.
A obra é constituída por um volume de capa mole, com grafismo de Raquel Ferreira, a partir de aguarela de Teresa Carvalho. Formato 16 cm x 23 cm, com 170 páginas. A edição é da Colibri e temo preço de lançamento de 14 euros, sendo posteriormente comercializada nas livrarias ao mesmo preço. 
A autora
Maria do Céu dos Santos Pires é natural de Portalegre, onde nasceu em 1960. Professora de Filosofia no Ensino Secundário, é licenciada em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e Doutora em Filosofia pela Universidade de Évora. É Colaboradora do Pólo de Évora do Centro de Investigação “PRAXIS – Centro de Filosofia, Política e Cultura” da Universidade da Beira Interior. Desenvolve actividades no âmbito da Cidadania e dos Direitos Humanos, sendo Coordenadora do Grupo de Estremoz da Secção Portuguesa da Amnistia Internacional.
Participou nas seguintes obras colectivas: A dicotomia política esquerda-direita: a problemática da sua validade e actualidade (Organização de Victor Correia), Fonte da Palavra, 2012; Marginalidade e alternativa – vinte e seis FILÓSOFAS para o século XXI, (Coordenação de Maria Luísa Ribeiro Ferreira e Fernanda Henriques), Colibri, 2016.
É autora das seguintes obras: Pão e Rosas – Exercícios de Cidadania, Edições Colibri, 2012; Ética e Cidadania – um diálogo com Adela Cortina, Edições Colibri, 2015.
A obra
Trata-se de uma colectânea de 32 textos da autora que na Apresentação nos diz que “Este livro está organizado em duas partes distintas. A primeira in­tegra um conjunto de pequenos ensaios cuja origem se situa em trabalhos e comunicações realizadas em contexto académico nos Cursos de Mestrado e de Doutoramento em Filosofia na Universi­dade de Évora, entre os anos de 2008 a 2014. Inclui, igualmente, dois textos: "Para além do contrato social - o papel das emoções na vida política" que resultou da adaptação de uma comunicação apre­sentada na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, em se­tembro de 2016, e "O papel do cuidado na Ética ambiental", adap­tado a partir de uma comunicação apresentada na Conferência "O que devemos ao futuro", promovida pela Sociedade de Ética Ambiental, em outubro de 2017, na Fundação Gulbenkian, em Lis­boa. Este primeiro momento termina com a recensão crítica da obra Filosofia e Género da autoria de Fernanda Henriques.
Ainda segundo a autora, “A segunda parte é constituída por textos que foram, original­mente, publicados no Jornal local "Brados do Alentejo" e no Jornal online "Tornado", entre 2016 e 2017. Trata-se de peque­nas notas biográficas sobre mulheres que se destacaram pelo seu pensamento e pela sua intervenção em diferentes épocas históricas e em diferentes áreas mas que, em muitos casos, foram remetidas ao esquecimento. Juntam-se igualmente outros textos cuja temática se centra em várias situações de discriminação, baseadas em questões de género.”
No Prefácio diz-nos André Barata, Professor da Universidade da Beira Interior: “Dona de uma linguagem cristalina, informada e filosoficamente conhecedora, com densidade mas sem nunca perder o cuidado para com a leitura a que se destina, Maria do Céu Pires capta neste livro esses dois registos – o do horizonte fechado de um passado de mulheres apenas clandestinamente pensadoras e o de um horizonte largo de aparecimento de grandes filósofas contemporâneas. Depois de Hannah Arendt, de alguma maneira percursora, ela que nem se revia na designação de filósofa, surgem outras pensadoras maiores, sem tutelas mais ou menos disfarçadas, que Maria do Céu Pires nos apresenta – Sheila Benhabib, Martha Nussbaum, Adela Cortina. Com estas pensadoras, este é também um livro que pensa o nosso tempo, com uma esplêndida capacidade de fazer perguntas que nos dizem respeito, por isso mobilizadoras, e que conduzem o leitor a caminhos de respostas possíveis.”


A autora Maria do Céu Pires, ladeada à esquerda pela apresentadora Maria de
Fátima Crujo e à direita pelo editor Fernão Mão de Ferro. Fotografia de 
António Júlio Rebelo.

Um aspecto da assistência presente na sessão de lançamento do livro no Centro
Ciência Viva de Estremoz. Fotografia de António Júlio Rebelo.

sábado, 2 de junho de 2018

O elogio das palavras – III


RUA DE NISA (1932).  Raquel Roque Gameiro Ottolini (1889-1970).
Aguarela sobre papel (41 x 50 cm).

As palavras acompanham-nos continuamente, mesmo em sonhos.
Há sempre o risco de esquecer algumas palavras, pelo que nos podem faltar palavras.
É permitido revisitar palavras nossas e mesmo inventar palavras. O que não se deve fazer, é reproduzir palavras dos outros, como se fossem nossas. Tão pouco se devem deturpar palavras.
Por vezes há que poupar palavras, por uma questão de tempo ou de espaço. Não se deve é balbuciar palavras, porque é indício de insegurança.
É através de palavras que defendemos pontos de vista e damos ênfase àquilo em que acreditamos e àquilo de que gostamos. Também é através das palavras, que damos conta daquilo que rejeitamos e não nos agrada.
As palavras são armas com as quais nos defendemos de agressões verbais ou não. Mas são também armas de ataque com as quais praticamos também agressões verbais.
A utilização das palavras, nem sempre é ética, já que através delas é possível dissimular, confundir e mentir. O mesmo se passa em relação à possibilidade de através das palavras, se atemorizar, aterrorizar, intimidar e dominar.
Há palavras que encerram em si, o purismo da língua. Coexistem com outras que são regionalismos ou integram a gíria popular e o calão. Há ainda palavras que constituem neologismos, estrangeirismos ou internetês.
As palavras são pilares que sustentam a língua, como factor de identidade nacional.
As palavras são porto de abrigo. Nelas nos refugiamos, na fuga de tempestades e na procura de bonanças.
As palavras constituem uma tábua de salvação. A elas nos agarramos, quando tudo parece estar perdido.
As palavras sobrevivem à morte de quem as pronuncia. Se não todas, pelo menos algumas, através do seu registo, tanto escrito como falado.
As palavras têm alquimia. Com elas conseguimos transmutar o nosso estado de espírito e o estado de espírito de quem nos ouve.
A nobreza das palavras é desigual. Algumas têm nobreza como um touro Miura. E para aqui não é chamada a nobreza de sangue azul, que pouco mais é que coisa nenhuma. A nobreza não é monárquica. É uma atitude republicana.
As palavras têm carácter e têm que ser usadas com carácter. Uma das maiores tragédias sociais, é a falta de carácter de alguns que as usam, servindo-se de cargos para os quais erradamente foram designados.
As palavras exigem plena fidelidade à sua essência e à mensagem que lhes está subjacente. Traí-las é trair o texto, o que pode configurar uma atitude de rendição.
As palavras têm que ser frontais. Caso contrário, quem as profere, não tem as partes no sítio.
Há palavras para o tudo e palavras para o nada.
Há palavras para acabar com as palavras:
– PIM! O TEXTO CHEGOU AO FIM!

quinta-feira, 31 de maio de 2018

O elogio das palavras - II


VOLTA DO MERCADO (1925) -  Raquel Roque Gameiro Ottolini (1889-1970).
Aguarela sobre papel (30x50 cm).

Há palavras sólidas, como as há líquidas e até voláteis.
As palavras têm estrutura. Podem ser cristalinas ou amorfas.
As palavras são materiais com que moldamos, forjamos ou carpintejamos textos.
As palavras têm transparência ou não, já que também há palavras opacas.
As palavras têm brilho. Podem ser brilhantes ou baças.
É necessário saber escolher as palavras.
As palavras permitem gerar códigos e cifras.
As palavras permitem-nos comunicar com os outros. Através delas podemos transmitir emoções e sentimentos, bem como descrever situações, eventos e fenómenos.
As palavras não têm todas a mesma dificuldade. Há palavras mais fáceis e palavras mais difíceis.
Há palavras que são incontornáveis.
Há palavras sondas, com as quais formulamos perguntas, para saber o que os outros pensam.
As palavras pertencem a uma de dez classes gramaticais, reconhecidas pela maioria dos gramáticos: substantivo, adjectivo, advérbio, verbo, conjunção, interjeição, preposição, artigo, numeral e pronome.
As palavras têm género. Podem ser masculinas ou femininas. Não há palavras gays, nem lésbicas.
Há palavras que designam agrupamentos, enquanto que outras se referem apenas a um componente único.
A ortografia das palavras têm variado ao longo das épocas e as mudanças nunca são pacíficas, como acontece no presente, com o país partido em dois: os detractores e os defensores do novo acordo ortográfico.
As palavras podem ser características de uma época, ainda que haja palavras intemporais.
Em certos locais e em certas épocas, algumas palavras foram consideradas impróprias, constituindo tabu e sendo mesmo proibidas.
Há palavras características de cada profissão, mas há igualmente as que lhe são transversais.
Há palavras que são mais usadas num dado período da vida que noutros.
Há palavras características de cada regime. Umas são monárquicas, outras são republicanas.
A religiosidade das palavras é variável. Há palavras laicas e há palavras religiosas que alguns podem considerar mesmo santas ou sagradas. E há ainda a palavra de Deus, que repetidamente é invocada no culto.
As palavras têm mãos que ao entrelaçarem-se com outras, conferem consistência ao texto.
As palavras têm pés para encontrar e percorrer o seu próprio caminho.
As palavras são peças que fazem funcionar o texto.
As palavras são bicicletas que pedalamos e que nos permitem fazer caminho, à procura de um texto.
As palavras fazem-nos suar, porque nem sempre é fácil parir palavras que traduzam exactamente o que nos vai na alma.
As palavras são arados. Com eles lavramos a terra-mãe do pensamento.
As palavras são as mensageiras do pensamento.
As palavras são arautos, tanto de boas como de más notícias.
As palavras são escadas que ligam os patamares do texto.
As palavras servem de ponte, umas às outras.
As palavras são cerejas, que puxam umas pelas outras.

terça-feira, 29 de maio de 2018

O elogio das palavras - I


ESTUDO PARA O "VIRA" (1904). Alfredo Roque Gameiro (1864-1935). Aguarela sobre
papel (39 x 26,5 cm). Museu de Aguarela Roque Gameiro (Minde).

As palavras são multifacetadas como as pedras preciosas. Podem ser encaradas sob vários ângulos. Podem significar uma coisa ou outra, ou mesmo quase coisa nenhuma.
As palavras têm o seu próprio visual. Há palavras elegantes e outras que não o são tanto. Há mesmo palavras deselegantes.
As palavras têm a sua própria sonoridade. Há palavras ruidosas, como as há graves ou melodiosas. Há palavras que fazem eco e outras que esbarram contra muros de silêncio.
As palavras têm cheiro. Há palavras que fedem a distância, tal como as há aromáticas, constituídas por agradáveis e subtis fragrâncias.
As palavras têm sabor. Há palavras doces, tal como as há azedas, amargas ou ácidas.
As palavras são tácteis. Há palavras macias e mesmo aveludadas, mas também há palavras ásperas, como as há peganhentas e mesmo viscosas.
Há palavras terrestres, como as há aéreas, subterrâneas e aquáticas.
As palavras são caminheiras que se deslocam entre as margens do papel.
As palavras são mariposas que cruzam os ares, entre bocas e ouvidos.
As palavras em movimento geram correntes, ondas e turbilhões.
As palavras geram movimentos de apoio e de solidariedade, mas também de repulsa.
As palavras permitem saltar obstáculos e mesmo mover montanhas.
As palavras têm a sua própria velocidade. Há palavras lentas, tal como as há velozes.
As palavras têm o seu tempo próprio, não devem ser ditas antes, nem depois dele.
As palavras têm uma aceleração própria. Há palavras cadenciadas, como as há acelerantes ou atrasadoras.
As palavras têm forma, umas são angulosas e outras são redondas, já que não tem ponta por onde se lhes pegue.
As palavras têm simetria ou não. Há palavras simétricas e palavras assimétricas.
As palavras têm cor. Umas são mais coloridas, outras mais cinzentas e mesmo negras. Há mesmo palavras para todas as cores do espectro do arco-íris.
As palavras têm tamanho. Umas são curtas como a polegada, outras são compridas como a légua da Póvoa.
As palavras têm volume. Umas são como senhoras anafadas, outras como modelos anorécticos.
As palavras têm peso. Umas são pesos leves e outras, pesos pesados, tal como no boxe.
As palavras não têm todas igual densidade. Há palavras maciças, como há palavras balofas e mesmo ocas. As mais compactas submergem no texto, enquanto que as de compactidade reduzida, flutuam à flor do texto.
As palavras têm força. Há palavras fortes e palavras fracas.
As palavras têm potência. Umas são potentes, outras nem tanto e outras são mesmo impotentes.
A eficácia das palavras é variável. Umas são eficazes, outras não.
As palavras não têm todas a mesma duração. Há palavras imortais, como as há duradouras e breves. Há mesmo palavras que já ultrapassaram o prazo de validade.
As palavras não têm todas a mesma temperatura. Há palavras escaldantes, mas também as há cálidas, mornas, frias e gélidas.

sábado, 26 de maio de 2018

I Jogos Florais do Jornal E de Estremoz (1.º Prémio - Poesia Livre)



1.º PRÉMIO - POESIA LIVRE
Pseudónimo: Bonecos de Estremoz
(Fernando Máximo – Avis)

Bonecos de Estremoz

Bonecos de Estremoz são
O melhor da tradição
Que o nosso povo enaltece...
São vistos por toda a parte
Esta tão velhinha arte
A todos nós envaidece.

O idóneo bonequeiro
Idealiza primeiro
Aquilo que quer fazer...
Só depois, com muito amor,
Faz um arco ou um andor
O que mais lhe apetecer...

Após o barro amassado
Dá ele por começado
Um trabalho de primeira:
A samarra dum pastor
Ou um lenço multicor
No chapéu duma ceifeira.

Os seus dedos são tão ágeis
Que até as peças mais frágeis
Manuseia com destreza;
Depois da obra acabada
Por certo vai ser gabada
Disso tem ele a certeza...

Cenas do quotidiano
Compõe mais de cem ao ano:
Desde o cante na taberna
Aos afazeres da matança,
Mais os dias de festança
Ou uma cena mais terna...

Qualquer pedaço de barro
Serve p'ra fazer um tarro
Um rei ou uma rainha...
Um abegão, um pastor,
Um livro com uma flor
Um anjo ou uma santinha...

Depois da peça moldada
Como foi imaginada
E a fantasia convida,
Vai pintá-la com fervor
Dando-lhe assim outra cor
Para que tenha mais vida

E o mundo, surpreendido,
Ao vê-los, fica rendido
E agradece a quem os pôs
Para lá de Portugal
Dando fama mundial
Aos Bonecos de Estremoz...