quarta-feira, 27 de maio de 2015

As fontes

Fonte do Hospital de São João de Deus. Foto Tony (cerca de 1960).

Estremoz é uma cidade de serviços e tem necessidade de Turismo, como de pão para a boca. Consciente disso, o Município vem procedendo, desde o mês de Abril, à pintura e conservação de vários edifícios no Largo D. Dinis, para conservação do Património Cultural e para garantir que os turistas levem de Estremoz a melhor das imagens.
Na parte baixa da cidade, igualmente visitada pelos turistas, existe também Património Cultural, entre o qual as fontes: - FONTE DAS BICAS, construída em data desconhecida do séc. XVI e que teve contíguo um tanque de lavagem, que o Município de 1905 transferiu para o Lavadouro Público; - FONTE DO HOSPITAL DE SÃO JOÃO DE DEUS, mandada construir pela Câmara de 1834, no muro contíguo à ermida de São Brás e que a edilidade de 1901 ordenou que fosse removida para o local onde actualmente se encontra; - FONTE DO ESPÍRITO SANTO mandada construir pelo Senado de 1834 e que chegou a ter chafariz para animais de carga e sela. Nos anos sessenta do século passado, o chafariz foi sacrificado ao pseudo progresso, já que foi arrancado a fim de facilitar a circulação automóvel; - A FONTE DOS CURRAIS, situada na Rua Brito Capelo (antiga Rua dos Currais) e que foi mandada construir pela Câmara Municipal em 1907.
Sendo Estremoz tão rica em água, não se percebe a razão porque não corre água nas fontes de Estremoz. É que sendo as centenárias fontes um pólo de atracção turística, com água a jorrar das suas bicas, Estremoz teria mais encanto, como todos nós pretendemos. Que responda quem souber. Até lá, apetece parafrasear o fado de António Mourão: “Oh tempo volta para trás, dá-me tudo o que eu perdi!”.
 Hernâni Matos



Fonte do Espírito Santo. Foto de Rogério de Carvalho (cerca de 1940).
Fonte das Bicas. Foto de Rogério de Carvalho (cerca de 1940).

Fonte dos Currais. Foto de autor e data desconhecidos.