segunda-feira, 5 de setembro de 2011

A criação na toponímia portuguesa

PATOS E PAVÕES (c. 1680)
Melchior d' Hondecoeter (1636-1695)
Óleo sobre tela (211 x 177 cm)
Wallace Collection, London.

Pese embora a importância que a criação desempenha na economia doméstica das gentes do campo e mesmo das vilas e cidades, não são abundantes os topónimos relativos a criação. Apenas identificámos os seguintes:

FRANGONEIRO - Lugar da freguesia de Fortios, concelho de Portalegre.
GALINHEIRO - Lugar da freguesia de Marvila, concelho de Santarém.
GALINHEIRO - Lugar da freguesia de S. Salvador, concelho de Santarém.
GALINHELA - Lugar da freguesia de Arentim, concelho de Braga.
GALOS - Lugar da freguesia de Vilaça, concelho de Braga.
PERÚ - Lugar da freguesia de Castelo, concelho de Sesimbra.
PINTAINHOS - Lugar da freguesia de Santiago, concelho de Torres Novas.
PINTO - Lugar da freguesia de Vila Nova de Souto de El-Rei, concelho de Lamego.
PINTOS - Lugar da freguesia de Azinheira doa Barros, concelho de Grândola.
PINTOS - Lugar da freguesia de Rebordosa, concelho de Paredes.
PATARIA — Lugar da freguesia de Barro, concelho de Resende.
PATEIRA — Lugar da freguesia de Merelim (S. Pedro), concelho de Braga.
PATEIRÃO — Lugar da freguesia de Roriz, concelho de Barcelos.
FATEIRA E PEDREIRA — Lugar da freguesia e concelho de Silves.
PATEIRO — Lugar da freguesia de Estômbar, concelho de Lagos.
PATEIRO — Lugar da freguesia de Pêro Soares, concelho da Guarda,
PATELOS — Lugar da freguesia de Serafão, concelho de Fafe.
PATÕES — Lugar da freguesia de Rabaçal, concelho de Panela.
PATUDOS — Lugar da freguesia e concelho de Alpiarça.

BIBLIOGRAFIA
[1] – FRAZÃO, A. C. Amaral. Novo Dicionário Corográfico de Portugal. Editorial Domingos Barreira. Porto, 1981.