terça-feira, 6 de abril de 2021

"O Amor é cego" com a "Sagrada Família" no coração

 

"O Amor é cego" com a "Sagrada Família" no coração (2020). Isabel Pires (1955 -  ).

LER AINDA

Uma figura composta

Tive recentemente conhecimento de uma interessante figura da Barrística Popular de Estremoz, criada por Isabel Catarrilhas Pires em 2020. Trata-se de uma figura composta por outras duas figuras.
Um dessas figuras é “O Amor Cego”, Boneco de Estremoz cuja origem remonta ao séc. XIX e é considerado uma figura de Carnaval. Trata-se de uma alegoria à cegueira do amor, expressa através do Cupido de olhos vendados. É representado como uma figura feminina, alada e de olhos tapados. Enverga um vestido rodado e vistoso, de cores garridas e decorado com motivos florais. Na cabeça usa um turbante que pompeia superiormente quatro plumas tricolores e ostenta frontalmente um coração - símbolo do amor. Calça botas apetrechadas com cordões entrelaçados. Na mão esquerda empunha um ramo de flores, enquanto que a mão direita segura um coração trespassado por dua setas e mostrado em corte. A figura assenta numa base circular, de cor verde, orlada de motivos florais no topo.
A outra figura, ela própria uma figura composta é um “Presépio de 3 figuras” ou “Sagrada Família”, envergando trajes bíblicos de fantasia. Está alojada no interior do coração de “O Amor é Cego”, mostrado em corte.

Da Natividade à Quaresma
Estamos em presença de uma figura composta tematicamente bivalente, uma vez que é simultaneamente um Presépio e uma figura de Carnaval.
O Presépio é um dos grandes símbolos religiosos, que retrata o Natal, festividade cristã que enaltece o nascimento de Jesus Cristo.
O Carnaval é o período de 3 dias, caracterizado por alegres festas populares que precedem o período da Quaresma, o qual antecede o domingo de Páscoa. Durante a Quaresma, a Igreja convida os fiéis a um período de penitência e de meditação, através da prática do jejum, da esmola e da oração, como preparação para o Domingo de Páscoa, durante o qual se comemora a Ressurreição de Jesus Cristo.
A figura composta objecto do presente estudo, sintetiza a vida de Jesus Cristo, recorrendo a figuras que integram há muito a Barrística Popular de Estremoz.
 
Cromatismo da composição
A cor dominante é o ocre amarelo, cor da terra onde decorreu a vida de Jesus. Segue-se o azul do céu para o qual, segundo o cristianismo, decorreu a Ascensão de Jesus, quarenta dias após a Ressurreição. Depois vem o vermelho, simbolizando o sangue derramado por Jesus e finalmente o verde, prenunciando a esperança da vida eterna.
De salientar ainda que o negro da venda de ”O amor é cego” simboliza a escuridão,  a tristeza e a dor da morte de Jesus.

A análise
A figura aqui dissecada é a meu ver daquelas que encerram em si uma mudança de paradigma, com a Barrística Popular de Estremoz a ascender a um patamar superior aquele que é habitual.
Trata-se da magistral criação de uma barrista com um estilo acentuamente personalizado, assente numa profunda interpretação naturalista e num cromatismo muito vivo, que tornam apelativas as figuras que fruto dum pulsar de alma lhe brotam à flor das mãos. Como tal, a barrista é merecedora dos meus melhores encómios, os quais aqui registo para que conste agora e para memória futura.

Hernâni Matos

Sem comentários:

Publicar um comentário