sábado, 22 de setembro de 2018

Monumento aos Bonecos de Estremoz


Projecto do pintor Armando Alves para o Monumento aos Bonecos de Estremoz (Uma perspectiva).

Projecto do pintor Armando Alves para o Monumento aos Bonecos de Estremoz (Outra perspectiva).


Quis a Câmara Municipal de Estremoz, assinalar e perpetuar a inscrição do Figurado de Barro de Estremoz na lista representativa do Património Cultural e Imaterial da Humanidade. Para tal pensou em mandar erigir um monumento comemorativo dessa inscrição e encarregou o pintor Armando Alves da elaboração do projecto. De acordo com a memória descritiva, “Este monumento é constituído por um espelho de água, com repuxos iluminados e com passadeiras metálicas e escadas de acesso à plataforma central, revestida a mármore cinza a onde assentam dois grandes maciços de mármore branco, areados, onde são aplicados dois dos mais emblemáticos bo­necos do Figurado de Estremoz, são eles "O Amor é Cego" e "A Primavera", executados em cerâmica policromada. A face posterior do maciço onde se encontra a "A Primavera" tem a seguinte inscrição:
AOS ARTISTAS DO BARRO
QUE DERAM ORIGEM AOS "BONECOS"
E ÀS ARTESÃS E ARTESÃOS,
QUE COM O SEU TRABALHO,
HONRAM E ENGRANDECEM
O NOME DE ESTREMOZ
A face posterior do maciço onde se encontra "O Amor é Cego" tem a seguinte inscrição:
A presença das passadeiras metálicas e dos degraus confere ao monumento uma dimensão arquitectónica e urbana que o seu carácter público convoca. Para responder também a esta dinâmica do espaço, estabeleceu-se uma relação entre os dois grandes maciços de mármore, fazendo avançar um e recuar o outro. Todo o conjunto é iluminado com focos espe­ciais, embutidos na plataforma gerando diferentes leituras em função momento em que for observado.
O sentido simbólico do monumento que aqui se apresenta deve ser entendido, não apenas como celebração e homena­gem aos artesãos do passado e do presente - na função de consagração e memoria que todo o monumento implica - mas como contributo para a permanência dos artistas do barro en­quanto elemento vivo de Estremoz, na cumplicidade que deve estabelecer com a população, que é também uma preocupa­ção do Município e do seu Presidente.”
O monumento será erigido à saída das Portas de Santa Catarina, no local onde estacionam camiões Tires e para o qual a Câmara tem um projecto de reabilitação urbana.