sábado, 26 de maio de 2018

I Jogos Florais do Jornal E de Estremoz (1.º Prémio - Poesia Livre)



1.º PRÉMIO - POESIA LIVRE
Pseudónimo: Bonecos de Estremoz
(Fernando Máximo – Avis)

Bonecos de Estremoz

Bonecos de Estremoz são
O melhor da tradição
Que o nosso povo enaltece...
São vistos por toda a parte
Esta tão velhinha arte
A todos nós envaidece.

O idóneo bonequeiro
Idealiza primeiro
Aquilo que quer fazer...
Só depois, com muito amor,
Faz um arco ou um andor
O que mais lhe apetecer...

Após o barro amassado
Dá ele por começado
Um trabalho de primeira:
A samarra dum pastor
Ou um lenço multicor
No chapéu duma ceifeira.

Os seus dedos são tão ágeis
Que até as peças mais frágeis
Manuseia com destreza;
Depois da obra acabada
Por certo vai ser gabada
Disso tem ele a certeza...

Cenas do quotidiano
Compõe mais de cem ao ano:
Desde o cante na taberna
Aos afazeres da matança,
Mais os dias de festança
Ou uma cena mais terna...

Qualquer pedaço de barro
Serve p'ra fazer um tarro
Um rei ou uma rainha...
Um abegão, um pastor,
Um livro com uma flor
Um anjo ou uma santinha...

Depois da peça moldada
Como foi imaginada
E a fantasia convida,
Vai pintá-la com fervor
Dando-lhe assim outra cor
Para que tenha mais vida

E o mundo, surpreendido,
Ao vê-los, fica rendido
E agradece a quem os pôs
Para lá de Portugal
Dando fama mundial
Aos Bonecos de Estremoz...