quinta-feira, 15 de março de 2012

A gestação dum texto

Fotografia de Rui Alves.



                                                           À Catarina, minha filha:


Como decerto já perceberam, sou um homem dado a prazeres. Tenho prazer em escrever, assim como muito me agrada que me leiam e se possam regalar com a leitura.
A gestação dum texto nem sempre é fácil. Pode ser rápida, mas também pode ser demorada. Todavia, o parto é sempre doloroso e ainda bem que assim é. Torna-se necessário sentir na pele o que custa criar algo, a partir de pouco mais que coisa nenhuma. Por isso não se pode escrever a metro, como quem enche chouriços. Há que ser artesão das palavras.
Os textos precisam de despertar o apetite como de morangos se tratasse e ter sonoridade quanto baste como os ribeiros de água cristalina.
Alguma “patine” também é precisa, Por isso, os textos devem ter cabelos brancos e rugas, que isso faz parte da beleza da vida.
De resto, é importante fazer passar a mensagem “Maria não vás com as outras”. O texto deve ter cabeça própria e mergulhar raízes na nossa identidade cultural, única forma de nos imunizar do contágio da eurocracia de pacotilha.
Finalmente, se o texto for irreverente, tanto melhor. E se deitar a língua de fora ao poder, então ainda melhor.
PIM! O texto chegou ao fim!