quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

BONECOS DE ESTREMOZ - Semear para colher


Semeador (1987). Liberdade da Conceição (1913-1990). Colecção particular.

A recente inscrição da "Produção de Figurado em Barro de Estremoz" na “Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade” integrou a cidade de Estremoz na rota do Património Cultural Imaterial da Humanidade. Daqui resultará um previsível incremento do turismo cultural, com reflexos importantes em termos da economia local. Todavia, a cidade “não se pode encostar à sombra da bananeira”. Pelo contrário, tal como sentencia o adagiário português, "Quem semeia, colhe" e "Cada um colhe segundo semeia".
Foi o Município de Estremoz que teve a iniciativa de apresentar a candidatura da “Produção de Figurado em Barro de Estremoz" à inscrição na “Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade”. É pois a ele que cabe a responsabilidade de tomar iniciativas diversificadas, visando divulgar, exaltar, salvaguardar e valorizar aquele registo, bem como a Memória dos barristas que já partiram e que com o seu trabalho também constituíram pilares duma candidatura vencedora.
Como é meu timbre, reflecti aprofundadamente em torno de toda esta temática e conclui existir uma mão cheia de iniciativas que podem ser tomadas nos sentidos atrás apontados e algumas que a meu ver, terão mesmo que inexoravelmente ser consumadas. Naturalmente que cabe ao Município e só a ele, tomar decisões, o que de modo algum é impeditivo de aqui apresentar sugestões que foram sistematizadas em 4 grandes grupos: Prioridades, Barristas, Eventos e Edições.
Prioridades
- Registar as designações “Bonecos de Estremoz” e “Figurado em Barro de Estremoz” como exclusivas do Município e as marcas homónimas como exclusivas dos barristas certificados pelo Município de Estremoz; - Instalar “outdoors” de dimensão adequada nos acessos às entradas da cidade, salientando a classificação da produção do Figurado em Barro de Estremoz como Património Cultural da Humanidade; - Criar um Centro Interpretativo do Figurado de Estremoz; - Erigir em Estremoz um monumento exaltador da produção de Figurado em Barro de Estremoz.
Barristas
- Certificar os barristas vivos cujo trabalho serviu de fundamento à candidatura apresentada à UNESCO e cuja produção artesanal se integra no processo de produção, dito “ao modo de Estremoz”; - Criar um selo certificador da condição de Património Cultural Imaterial da Humanidade a ser usado por cada barrista certificado pelo Município; - Implementar na cidade uma sinalética adequada que indique a localização das oficinas dos barristas; - Colocar uma lápide em mármore na fachada da oficina de cada um dos barristas falecidos, assinalando que trabalharam ali; - Atribuir a ruas de Estremoz nomes de barristas falecidos que foram esquecidos na mais recente atribuição de nomes a ruas da cidade. São eles: Ana das Peles, Sabina Santos, José Moreira, António Lino de Sousa, Mário Lagartinho, Isabel Carona e Aclénia Pereira;
Eventos
- Adoptar o Figurado em Barro de Estremoz como tema integrador do CARNAVAL DE ESTREMOZ 2018 e elemento de decoração na FIAPE 2018 e na COZINHA DOS GANHÕES 2018; - Promover eventos centrados na produção do Figurado em Barro de Estremoz: a) Exposição de colecções particulares; b) Exposição bibliográfica; c) Concursos de Desenho e Pintura, abertos a todos os graus de ensino do concelho, seguidos de exposições nas escolas em que foram realizados; d) Jogos Florais de âmbito nacional, na modalidade de quadra, soneto, poesia livre e décimas sujeitas a mote. Posteriormente, editar em livro as produções literárias submetidas a concurso; e) Encontro de Poetas Populares que declamariam décimas sujeitas a mote. Posteriormente, editar em livro as produções apresentadas no Encontro; f) Concurso de Fotografia, seguido de uma exposição num espaço exposicional municipal e nas sedes das Juntas de Freguesia; g) Seminário Interdisciplinar sobre Figurado de Estremoz, envolvendo professores do concelho das seguintes áreas: Artes, Biologia, Ciências Sociais, Filosofia, Física e Química, História, Português e Religião e Moral. Posteriormente, editar em livro as comunicações do Seminário; - Organizar em 2018, as 3ªs JORNADAS PARA A SALVAGUARDA DO PATRIMÓNIO CULTURAL IMATERIAL DO ALENTEJO em parceria com a Associação Portuguesa para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial; - Promover a formação de professores do concelho da área das Artes, na produção do Figurado em Barro de Estremoz, de modo que estes possam ensinar os alunos, visando assim despertar vocações; - Incentivar a realização de visitas guiadas ao Museu Municipal e às oficinas dos barristas.
Edições
- Produzir uma 2ª impressão no papel timbrado do Município (envelopes e folhas de ofícios), de modo que neles figure uma referência à classificação da produção do Figurado em Barro de Estremoz como Património Cultural da Humanidade; - Agir junto dos Correios de Portugal, visando uma emissão de selos de correio e de um inteiro postal; - Promover edições centradas na produção do Figurado em Barro de Estremoz: a) Cartaz encomendado a um artista plástico de nomeada e que poderia ser distribuído por embaixadas e consulados estrangeiros em Portugal, bem como embaixadas e consulados portugueses no estrangeiro. Poderia ser ainda distribuído por câmaras municipais, agências de viagens, estações de metro, terminais de autocarros e aeroportos; b) Livros sobre o Figurado em Barro de Estremoz;
c) Medalha em bronze, comemorativa da classificação da produção do Figurado em Barro de Estremoz como Património Cultural da Humanidade; d) Colecção de postais ilustrados reproduzindo exemplares de Figurado em Barro de Estremoz dos séc. XVIII e XIX, do acervo do Museu Municipal, a serem comercializados num estojo em cartolina, tendo impressa uma resenha histórica sobre a produção do Figurado em Barro de Estremoz; e) Colecção de postais ilustrados reproduzindo exemplares de Figurado em Barro de Estremoz, de barristas vivos ou já falecidos dos séc. XX e XXI, a serem comercializados num estojo em cartolina, tendo impressa uma resenha biográfica de cada barrista; f) Colecção de marcadores de livros, reproduzindo exemplares de Figurado em Barro de Estremoz dos sécs. XVIII e XIX, do acervo do Museu Municipal; g) Cartões de Boas Festas com presépios de Estremoz e cartões de Dia dos Namorados ilustrados com o “Amor é cego”; h) Calendários de bolso; i) Jogos (baralho de cartas, ludo, puzzles bidimensionais, puzzles de cubo); j) Objectos de uso escolar (cadernos, esferográficas, lápis, caixas de lápis de cor); k) Pin metálico, exaltador da inscrição da produção do Figurado em Barro de Estremoz na Lista Representativa do Património Cultural da Humanidade;
Nota final
Alguns dirão que pensei muito ou até demasiado nisto tudo. Pela minha parte direi que pensei e repensei bastante, já que como proclama o rifonário português “O bem pensado nunca sai errado” e “Mal pensa quem não repensa”. “Envergonhe-se quem nisto vê malícia”, uma vez que o meu envolvimento em toda esta reflexão é fruto da motivação suscitada em mim pelos Bonecos de Estremoz, os quais transporto na massa do sangue.