quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Bonecos de Estremoz estudados ao pormenor


Transcrevo com regozijo e com a devida vénia, 
a Notícia do Município de Estremoz, nº 1872,
de 9 de Dezembro de 2014.
  
O Laboratório Hércules da Universidade de Évora, uma das instituições mais prestigiadas na área do Restauro e Conservação a nível nacional, com a colaboração do Centro Ciência Viva de Estremoz, irá iniciar o estudo material e técnico do Figurado em Barro de Estremoz (vulgo Bonecos de Estremoz), em particular alguns dos antigos exemplares da Coleção Júlio Maria dos Reis Pereira.
O estudo, que também vai contar com o apoio técnico do Museu Municipal de Estremoz, vai abranger o período histórico do séc. XVIII-XIX, e contará com a realização de alguns exames em situ e de análises laboratoriais. O mesmo tem como objetivos esclarecer as dúvidas que atualmente existem em termos de composição química e estrutural do suporte (barro), assim como identificar quais os pigmentos e o ligante utilizados na execução das tintas, e ainda a identificação do material utilizado como camada de proteção.
Os exames a realizar serão, entre outros, a Radiografia, a Espectrometria de Fluorescência de raios X (FRX), análise estratigráfica, entre outras.
Este é mais um marco importantíssimo na história do Boneco e no âmbito do Plano de Salvaguarda do Figurado em Barro de Estremoz, porque não se pode salvaguardar, preservar e conservar sem conhecermos em profundidade a matéria e a técnica que lhe está subjacente, assegurando uma boa fundamentação técnica para a proposta à UNESCO de inserção do Figurado na Lista Representativa de Património Cultural Imaterial da Humanidade.