terça-feira, 8 de outubro de 2013

José Saramago, Prémio Nobel há 17 anos

José Saramago a receber o Prémio Nobel entregue por Carlos Gustavo da Suécia.
Foto "FLT-PICA".

A 8 de Outubro de 1998, José Saramago (1922-2010) torna-se o primeiro autor de língua portuguesa a ser galardoado com o Prémio Nobel de Literatura, o qual lhe viria a ser entregue a 10 de Dezembro desse ano, em Estocolmo, pelo rei Carlos Gustavo da Suécia.
Segundo a Academia Sueca, responsável pela atribuição do Prémio, Saramago recebe-o por uma obra "…cujas parábolas, respaldadas por imaginação, piedade e ironia, nos permitem apreender de forma contínua uma realidade ilusória.".
Sobre a atribuição do Nobel a Saramago muito foi dito. Destacamos apenas: ”Por tudo quanto escreveu e como escreveu, a justiça do Prémio Nobel a José Saramago é devida e justificada. Afora a regularidade da sua produção, a maneira singular de transformar o comum em essencial, no que tange ao mais profundo, dramático e impronunciável do ser humano; a provocadora e instigante forma de repensar a história e de projectar o futuro, fazem-no merecedor do Prémio - o primeiro concedido a um escritor de Língua Portuguesa.” (Maria de Lourdes Simões, ensaio publicado em “A Tarde Cultural”. Salvador, 5 de Dezembro de 1998).
Antes de ter sido agraciado com o Prémio Nobel da Literatura, José Saramago já ganhara em 1991 o Grande Prémio da Associação Portuguesa de Escritores com o romance “O Evangelho Segundo Jesus Cristo” e em 1986, o Prémio Camões por toda a sua obra.
A obra de Saramago é vasta e diversificada, distribuindo-se por múltiplos géneros literários: ROMANCES - Terra do Pecado (1947), Manual de Pintura e Caligrafia (1977), Levantado do Chão (1980), Memorial do Convento (1982), O Ano da Morte de Ricardo Reis (1984), A Jangada de Pedra (1986), História do Cerco de Lisboa (1989), O Evangelho Segundo Jesus Cristo (1991), Ensaio Sobre a Cegueira (1995), Todos os Nomes (1997), A Caverna (2000), O Homem Duplicado (2002), Ensaio Sobre a Lucidez (2004), As Intermitências da Morte (2005), A Viagem do Elefante (2008), Caim (2009), Clarabóia (2011). POESIA – Os Poemas Possíveis (1966), Provavelmente Alegria (1970), O Ano de 1993 (1975). VIAGENS – Viagem a Portugal (1983). PEÇAS TEATRAIS – A Noite (1979), Que Farei com Este Livro? (1980), A Segunda Vida de Francisco de Assis (1987), In Nomine Dei (1993), Don Giovanni ou O Dissoluto Absolvido (2005). CONTOS – Objecto Quase (1978), Poética dos Cinco Sentidos - O Ouvido (1979), O Conto da Ilha Desconhecida (1997). CRÓNICAS – Deste Mundo e do Outro (1971), A Bagagem do Viajante (1973), As Opiniões que o DL Teve (1974), Os Apontamentos (1977). LITERATURA INFANTIL - A Maior Flor do Mundo (2002). DIÁRIO E MEMÓRIAS – Cadernos de Lanzarote (I-V) (1994), As Pequenas Memórias (2006).
Sobre o estilo inconfundível de José Saramago afirmaram: “José Saramago foi conhecido por utilizar um estilo oral, coevo dos contos de tradição oral populares em que a vivacidade da comunicação é mais importante do que a correcção ortográfica de uma linguagem escrita. Todas as características de uma linguagem oral, predominantemente usada na oratória, na dialéctica, na retórica e que servem sobremaneira o seu estilo interventivo e persuasivo estão presentes. Assim, utiliza frases e períodos compridos, usando a pontuação de uma maneira não convencional; os diálogos das personagens são inseridos nos próprios parágrafos que os antecedem, de forma que não existem travessões nos seus livros. Este tipo de marcação das falas propicia uma forte sensação de fluxo de consciência, a ponto do leitor chegar a confundir-se se um certo diálogo foi real ou apenas um pensamento. Muitas das suas frases (i.e. orações) ocupam mais de uma página, usando vírgulas onde a maioria dos escritores usaria pontos finais. Da mesma forma, muitos dos seus parágrafos ocupariam capítulos inteiros de outros autores.” (Revista “Entre livros, nº 23. Editora Duetto, São Paulo (2007), citada pela Wikipédia).
Passemos em revista algumas opiniões sobre as obras essenciais de Saramago: LEVANTADO DO CHÃO - “A epopeia dos trabalhadores alentejanos, a elucidação da reforma agrária, a narrativa dos casos, conhecidos ou não, que fizeram do Alentejo um mar seco de carências, privações, torturas, sangue e uma impossibilidade de viver.” (Alzira Seixo em "O Essencial sobre Saramago.”. “Um comunista escrever sobre o Alentejo é tão óbvio com um “tio” escrever sobre os gelados Santini. Saramago encontrou a sua voz neste romance sobre trabalhadores rurais mas poderia ter escrito sobre operários da Lisnave.” (Bruno Amaral – Crítico literário do diário “i”.). MEMORIAL DO CONVENTO - “Certamente o mais celebrado, estudado e discutido dos romances de Saramago” (Carlos Reis). “Um romance histórico inovador no contexto da literatura mundial” (José Luís Peixoto no “JORNAL DE LETRAS”). “Não diga a ninguém que nunca leu. Há um Baltazar, uma Blimunda e um Bartolomeu, um rei megalómano com um interesse pouco cristão por freiras e um fascínio por edifícios faraónicos e um tanto inúteis” (Bruno Amaral – Crítico literário do diário “i”.). "O ANO DA MORTE DE RICARDO REIS" (1984) - “Cada vez mais o meu romance preferido, do conjunto da obra saramaguiana” (Carlos Reis). “Um labirinto construído sobre outro labirinto, a forma brilhante, brilhante como a ficção se aproxima de um tempo real” (José Luís Peixoto no “JORNAL DE LETRAS”). “Um romance onde Saramago elabora conjecturas fecundas para a compreensão de uma época ou de uma figura” (Alzira Seixo). “Quatro anos antes do centenário do nascimento de Fernando Pessoa, Saramago “matou” o heterónimo Ricardo Reis, aquele rapaz que preferia ficar de mãos dadas com Lídia em vez de trocar carícias” (Bruno Amaral – Crítico literário do diário “i”.). "HISTÓRIA DO CERCO DE LISBOA" (1989) - “Um dos enredos mais bem imaginados da literatura portuguesa” (José Luís Peixoto no “JORNAL DE LETRAS”). "O EVANGELHO SEGUNDO JESUS CRISTO" (1991) - “O Evangelho segundo Jesus Cristo contém uma história que todos conhecemos. E contém cenas e afirmações que há alguns anos atrás teriam lançado o autor na fogueira, sem direito a sepulcro. O escritor toma para si liberdades que são a substância da criação, e comporta-se, na invenção do seu mundo, como Deus. Este é o evangelho segundo Saramago...” (Clara Ferreira Alves, no “Expresso”). “Um Jesus Cristo humano, demasiado humano, um diabo simpático e um Deus insuportável. Com este romance, Saramago despertou a fúria dos católicos e ofereceu ao país um personagem inesquecível: Sousa Lara.” (Bruno  Amaral – Crítico literário do diário “i”.). "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA" (1995) - “Quase em ritmo e registo de ficção científica, Ensaio sobre a Cegueira mantém, na escrita de José Saramago e na sua aventura romanesca, uma dimensão rara e singular na actual literatura portuguesa: a constante demanda de um laço que prenda o romance à arte de questionar e que, daí, exija o lugar de uma ética mais profunda que a própria arte de pensar. Como se o romance fosse, e nunca tivesse deixado de ser, uma interrogação sobre o mundo como ele é e como ele devia ser.” (Francisco José Viegas na “Visão”) “Ensaio sobre a Cegueira, de alguma forma representou o início de uma nova fase na obra de Saramago. E, decerto não por acaso, foi depois dele que se passou a falar ainda mais da grande possibilidade de, com inteira justiça, lhe ser atribuído o Nobel.” (José Carlos de Vasconcelos no “JORNAL DE LETRAS”). “A cegueira como metáfora e como factor que desencadeia o mais primitivo e brutal que a Humanidade carrega. A única personagem que resiste à epidemia é a mulher de um médico: a burguesia é sempre privilegiada.” (Bruno  Amaral – Crítico literário do diário “i”.). AS INTERMITÊNCIAS DA MORTE - “São livros como este que nos tocam fundo, nos desarmam e nos deixam sem resposta. Apenas sabemos que na morte e no seu compromisso para com a humanidade reside o medo atávico do desconhecido, do vazio, algures numa hora e num lugar dentro de nós.” (Luísa Mellid-Franco no Expresso). POESIA COMPLETA – “Uma edição bilingue saída em Espanha, essencial na sua obra. Quem a ler perceberá porquê.” (José Manuel Mendes, da Associação Portuguesa de Escritores).
Sobre o conjunto da obra de Saramago também muito foi escrito. Destacamos apenas algiumas opiniões:
“Com José Saramago a Língua Portuguesa jorrou de potencialidades incomensuráveis, de rebeldia, de fascínio e emoção. A obra de Saramago expulsa as certezas, questiona o país e o mundo na procura de quem somos e porque estamos aqui. A obra de Saramago rejeita as verdades únicas, desafia as fronteiras das convenções sociais e artísticas. Por tudo isto, quando soou a hora da despedida, emergiram nas mãos dos leitores e leitoras anónimas, os livros, as histórias, as personagens que ficam mais sós, porque… … …”Um dia vou deixar de estar aqui”, Saramago.” (Luísa Mesquita, autora da primeira tese académica sobre a obra de Saramago).
“A sua obra, apesar de controversa, é uma referência do exercício mais pleno de liberdade. Destaco o carácter insubordinado e insurrecto de José Saramago, embora tenha discordado de algumas atitudes de maior intolerância. Saramago morreu depois de uma vida cheia, pode dizer “confesso que vivi” como o livro de Pablo Neruda. Só os escrivães recolhem unanimismo. Fica-me na memória o “Memorial do Convento”, um livro que só nos acontece uma vez na vida.” (Moita Flores no “Jornal do Ribatejo”).
“… é quase sempre admirável a maneira como Saramago desenvolve uma linguagem literária que, logo à partida, pretenderia aproximar-se de uma oralidade ideal e primordial, a partir da qual todos os planos da narrativa se diferenciam e na qual todos voltam depois a convergir. Esta técnica singular ter-se-á por vezes tornado num dos seus maneirismos, mas é extremamente eficaz em muitos casos.” (Vasco da Graça Moura no DIÁRIO DE NOTÍCIAS).
José Saramago é um dos escritores portugueses mais lidos e traduzidos no estrangeiro. A sua obra foi publicada em 68 países: Albânia, Alemanha, Argentina, Áustria, Bangladesh, Bósnia-Herzegovina, Brasil, Bulgária, Canadá, China (mandarim, cantonês), Colômbia, Coreia do Sul, Croácia, Cuba, Dinamarca, Emiratos Árabes Unidos, Eslováquia, Eslovénia, Espanha (castelhano, catalão, valenciano, euskera), Estados Unidos da América, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Guatemala, Hungria, Índia (índi, malayam, bengalí), Irão (farsi), Iraque, Islândia, Israel, Itália (italiano, sardo), Japão, Letónia, Lituânia, Macedónia, México, Montenegro, Noruega, Países Baixos, Perú, Polónia, Reino Unido, República Checa (checo, eslovaco), República Dominicana, Roménia, Rússia, Sérvia, Síria, Suécia, Suíça, Tailândia, Taiwan, Turquia, Uruguai, Qatar, Egipto, Vietnam, Holanda.
Os livros de José Saramago foram traduzidos para 42 idiomas: albanês, alemão, castelhano, bengali, sérvio (cirílico), croata (latino), búlgaro, inglês, mandarim, cantonês, coreano, dinamarquês, árabe, eslovaco, checo, esloveno, catalão, valenciano, euskera, finlandês, francês, grego, húngaro, índi, malayam, farsi, islandês, hebraico, italiano, sardo, japonês, letão, lituano, norueguês, holandês, polaco, romeno, russo, sueco, tai, turco, esperanto.

Foi há 15 anos que Saramago recebeu o Prémio Nobel da Literatura. Parece que foi ontem.


BIBLIOGRAFIA
José Saramago a ser aplaudido após ter recebido o Prémio Nobel.
Foto "Diário de Notícias". 

José Saramago mostrando o galardão com que foi distinguido.
Foto "Fundação José Saramago".