quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Manifesto da cor

Imagem de Pedro Madeira (ARTBOX).

Desde sempre as cores traduziram estados de espírito, paixões e emoções. Por isso, os arautos do marketing político e os fazedores de opinião, à semelhança dos estilistas da lusitana praça, que o conúbio com o poder mais ou menos (des)coberto se encarrega de mediatizar, impingem-nos determinadas cores, que é ponto assente terem determinado significado e até mesmo funções específicas de condicionamento psicológico.
Circula a ideia de que:
- O azul simboliza a segurança, a lealdade, a tranquilidade e a honestidade;
- O cor-de-laranja simboliza o movimento, a espontaneidade, a tolerância e a gentileza;
- O cor-de-rosa simboliza a beleza, a saúde, a sensualidade e o romantismo;
- O vermelho simboliza a paixão, a conquista, o orgulho, a força, a coragem, a agressividade e a liderança.
Todavia, por experiência própria com reflexos naturais nas marcas do corpo, da alma e da carteira, já estamos fartos do azul, do cor-de-laranja e do cor-de-rosa, já que foram eles que nos conduziram aos becos esconsos onde nos encontramos, ainda que contra a própria vontade.
Há que encontrar uma saída!
Daqui para a frente, o que nós queremos é vermelho! Passou ele a ser a cor da esperança gorada pelas outras cores.
- Viva o vermelho! Viva!
- Abaixo as outras cores! Pim!

10 comentários:

  1. Sendo benfiquista desde miudo, concordo com o vermelho! :-)

    ResponderEliminar
  2. ... no vermelho já nós andamos... do défice :)
    piadas à parte .. gostei do blog ... continuo a explorar..
    Também já andei por estas bloguisses mas cansei de falar para o deserto.. e acho que já disse tudo o que tinha para dizer..
    Aqui fica http://portudo-e-pornada.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Eurico:
    Obrigado pelo seu comentário.
    Também irei explorar o seu blogue.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Obrigada pelo envio do seu blog. Muito me sensibilizou por tudo o que ele contem: A República, o Alentejo,as fotografias,os videos do youtube,os bilhetes postais, a referência ao livro As Mulheres do Meu País de Maria Lamas etc, etc, etc. Resumindo: gostei mesmo de tudo. Logo que possa encomendar-lhe-ei o seu livro. Penso que pode ser enviado à cobrança...
    Cordialmente
    Helena Moraes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Helena:
      Muito obrigado pelo seu comentário.
      Congratulo-me por ter gostado do meu blogue.
      É gratificante ter conhecimento que gostam daquilo que escrevemos.
      Os meus melhores cumprimentos.

      Eliminar
  5. Viva! Viva o vermelho sem dúvida. Mas de qual vermelho falamos aqui?

    ResponderEliminar
  6. Augusto:
    Decerto que o vermelho consequente, não o vermelho de meias tintas, com um pé assente numa margem do rio e o outro precisamente na margem contrária, para ver onde mais lhe convém assentar o outro pé.

    ResponderEliminar
  7. Gostei muito da imagem. E do vermelho consequente, sem paciência para as meias tintas. Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Manuela:

      Muito obrigado pelo seu comentário.
      O vermelho é aquela cor que nos vai na alma...
      Cumprimentos.

      Eliminar