domingo, 19 de junho de 2011

O meu churrião


Há cerca de 15 anos, o Quintino, negociante de velharias em Bencatel, quis vender-me um churrião, em estado impecável, por vinte contos. Eu tinha as vinte milenas para lhe dar, mas o pior, era o resto. É que moro numa casa com primeiro, segundo e terceiro andar, mas garagem, nem vê-la. Ainda se tivesse garagem, punha o automóvel ao sete-estrelo e transformava a garagem em cocheira. Arrumava lá o churrião e só tinha que arranjar um muar e uma boa provisão de palha. Sim, porque um muar é um motor de combustão a palha. Mas eu não tinha garagem e a única alternativa era alugar um guindaste para pôr o churrião na varanda, situada ao nível dum terceiro andar. Mas então ficaria sem estendal para a roupa e corria o risco de por vingança, as mulheres da casa, porem a roupa a secar no meu escritório. Vocês estão-me a imaginar a escrever à secretária, por entre ceroulas, soutiens e lenços de assoar? Até me dava uma coisa ruim…Bom, foi um dos maiores desgostos da minha vida. E eu que tenho fama de ser teimoso como uma porta e não gosto de desistir de nada, desta vez tive de me dar por vencido. E lá fiquei com as vinte milenas, à espera doutra oportunidade. Entretanto, descarreguei a frustração, escrevendo sobre churriões e motores de combustão a palha. Mas eis que surge um dado novo. No passado sábado, no mercado das velharias, em Estremoz, o meu amigo, alfarrabista António Oliveira, de Évora, ofereceu-me um livrete dum carro de tracção animal. Foi um para mim, um momento de rara felicidade e, desde então, começo novamente a vislumbrar uma luz ao fundo do túnel. Será que é desta vez que vou arranjar o churrião? Como não posso mudar de casa, aguardo desde já que qualquer alma caridosa, me possa facultar uma cocheira ou uma garagem, para não sofrer nova desilusão. A esperança essa nunca se perde…