domingo, 16 de janeiro de 2011

Refeição de provérbios


CASAMENTO CAMPONÊS (1568). Pieter Bruegel – O Velho (1525-1569). Óleo sobre madeira (164x114 cm). Museu de História de Arte, Viena.

O alentejano é comummente reconhecido como dado aos prazeres da mesa, uma vez que o clima desaconselha pressas desgastantes e “ barriga vazia não conhece alegria”. Daí que a riqueza da gastronomia alentejana, possa ser responsável por padecimentos que não são de hoje, como são o caso da tensão, do colesterol e do ácido úrico elevados, associados a obesidade e a excesso de peso. A essas pessoas em risco, recomendo profilacticamente a ingestão da seguinte refeição de provérbios:
BARRIGA
A barriga faz a perna andar.
Barriga cheia, pé na estrada.
Não tenhas mais olhos do que barriga.
REFEIÇÕES
Quem bem almoça, melhor janta.
Faz bem jejuar, depois de jantar.
Quem ceia vinho, almoça água.
COMER
Quem come até se fartar, cedo vem a jejuar.
Quem come fiado anda magro.
Quem come pouco, aproveita muito.
FOME
A fome é boa cozinheira.
A fome é o melhor tempero.
Fome e esperar fazem rabiar.
FARTURA
Comer à tripa forra.
De fartas ceias, estão as sepulturas cheias.
Quem arrota, bem almoça.
CALDO
Caldo sem pão, só no Inferno o dão.
Cautela e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém.
Comida sem caldo, papo seco.
SOPA
Antes da sopa, molha-se a boca; sopa em meio, copo cheio; sopa acabada, goela lavada.
Do prato à boca, perde-se a sopa.
Sopa de ganhão, cada três um pão.
PEIXE
A sardinha de S. João unta o pão.
Peixe fresco, come-o cedo.
Quanto maior é o peixe, melhor é o sabor.
CARNE
Carne de vaca, bem cozida e mal assada.
Leitão de um mês, pato de três.
Quando não há lombo, linguiça como.
PÃO
Comida sem pão é comida de lambão.
Mais vale pão duro que nenhum.
Não há mau pão com boa fome.
QUEIJO
Leite de cabras, queijo de ovelhas e manteiga de vaca.
Pão com olhos, queijo sem olhos e vinho que salte aos olhos.
Pão e queijo, mesa posta é.
SOBREMESA
Da noz o figo é bom amigo.
O melão e a melancia só se conhecem depois de abertos.
O que é doce nunca amargou.
BEBER
Come e bebe bem, quem bem trabalha.
Quem bebe muito vinho, perde o tino.
Quem muito bebe, tarde ou nunca paga o que deve.
ÁGUA
Água corrente não mata gente.
Nunca digas: desta água não beberei.
Quem come salgado, bebe dobrado.
VINHO
Alegrai-vos, tripas, que ai vem o vinho.
Bom vinho não precisa de rolha.
Quando o vinho desce, as palavras sobem.
CAFÉ
Café de cima, vinho do meio e chá do fundo.
Café do primeiro e chá do derradeiro.
Café sem bucha, meu bem, não puxa.
MEDICINA CASEIRA
Comer devagar faz a vida durar.
Não comas quente: não perderás o dente.
Depois de jantar e depois de cear, passear.
Refeições destas se não atenuarem o mal de que padeceis, terão pelo menos o mérito de reforçar a vossa identidade cultural, facto que é igualmente assaz importante. Por isso, sirvam-se à vontade, que esta refeição foi confeccionada artesanalmente com a finalidade de vos limpar a alma, na procura de raízes da nossa memória colectiva.