domingo, 13 de setembro de 2009

Pintura de Maria Helena Alves


Exposição retrospectiva de trabalhos seus, patente ao público de 12 de Setembro a 25 de Outubro, na Sala de Exposições do Centro Cultural Dr. Marques Crespo, na Rua João de Sousa Carvalho, em Estremoz.
A Exposição pode ser visitada, de 3ª feira a sábado, entre as 9 e as 12,30 horas e entre as 14 e as 17 horas.A iniciativa é da Associação Filatélica Alentejana e conta com o apoio da Câmara Municipal de Estremoz.

Reformada como professora aos 65 anos, que não da vida, Maria Helena resolveu começar a pintar com aquela belíssima idade. Onze anos depois, disponibilizou-se, mediante insistência de amigos, a fazer uma exposição retrospectiva de trabalhos seus.
Maria Helena é natural de Estremoz, onde os seus pais trouxeram a este mundo 11 filhos, cada um dos quais seguiu o seu percurso individual. A Maria Helena ao longo da sua vida, viria a ser professora do 1º, 2º e 3º ciclo, acarretando sempre consigo os genes da família Alves, que nos legou nomes ligados aos mais diversos âmbitos das Artes Plásticas: Armando Alves (primo), Aníbal Alves (irmão), Carlos Alves, Jorge Alves, Rui Alves e Miguel Alves (sobrinhos).
Maria Helena sempre gostou de desenhar e habituou-se a transportar consigo um bloco ou um papel onde ia rabiscando tudo aquilo que considerava interessante. Foi assim que começou a desenhar.
Quando aos 65 anos se reformou, fez contas à vida e resolveu arranjar uma actividade que lhe preenchesse o tempo e que simultaneamente lhe proporcionasse o convívio com outras pessoas. E como sempre se interessara pelas Artes Plásticas, decidiu que haveria de pintar. Procurou então quem a pudesse ensinar. Através de uma amiga, conheceu o professor Camol de Évora, cujas aulas começou a frequentar aos 66 anos. Ali começou a pintar a óleo sobre tela com motivos à vista ou a partir de fotografias por ela tiradas. Mas não ficou por ali. Mais tarde, começou a ter aulas de desenho e pintura com a professora Teodolinda Pascoal na Galeria Teoartis, em Évora, onde passou a ir novamente uma vez por semana, mas trocando agora a pintura a óleo, pela pintura a acrílico, por causa do cheiro.
No princípio fez cópias de trabalhos de grandes pintores, os quais admirava, afim de aprender as técnicas das suas pinceladas, bem como as cores e os motivos utilizados. Sempre se interessou pelo período impressionista e dentre os pintores deste ciclo, destaca Monet e Van Gogh. Deles efectuou várias cópias, assim como de outros como Renoir, Cezanne, Turner, Degas, Berthe Morissot e Klimt Muitas vezes substituiu os materiais usados pelos pintores, os óleos por pastel ou aguarela ou vice-versa. Pensa ter aprendido bastante com as experiências que então foi levada a empreender.
Maria Helena dispersa-se pelas múltiplas modalidades da pintura, já que é muito curiosa e tudo gosta de experimentar, o que a conduz a não se especializar em nada, em particular.
No que respeita a temas, enquanto pintou a óleo, Maria Helena centrou-se na pintura de montes alentejanos, paisagens e naturezas mortas ou com o modelo à vista ou partindo de fotografias que ia tirando. Na pintura a acrílico, também se baseia em fotografias, que podem ou não ser suas. O desenho é à vista ou de modelos no atelier ou obtidas em saídas à rua. Por vezes estes desenhos são um ponto de partida de futuras pinturas.
A paisagem e as naturezas mortas constituem um tema dominante e transversal às modalidades de Artes Plásticas que cultiva. A sucessão porque as começou a cultivar foi: desenho, óleo, acrílico, aguarela e pastel de óleo ou seco. Presentemente e tirando a pintura a óleo que abandonou pelo motivo apontado, todas as restantes modalidades coexistem, já que Maria Helena é incapaz de se confinar a uma única e sente necessidade de mudar para não se desmotivar. Apesar de tudo, a pintura a acrílico é dominante e impõe-se em relação às restantes. Se por um motivo de força maior fosse forçada a ter que optar por uma única, talvez escolhesse o desenho e o pastel que, no fundo, também é desenho.
Para Maria Helena, desenhar ou pintar é uma forma de perpetuar, a seu modo, a sensação especial e espacial, que encontra numa paisagem, numa taça de fruta ou numa simples flor recolhida à beira do caminho. Quando desenha ou quando pinta, sente muita satisfação ou, por vezes, frustração quando acha que não consegue exprimir aquilo que vê.
Gosta muito das cores primárias e nestas tem preferência pelo amarelo, ainda que isso tenha que ver com o motivo. Em contrapartida, nunca utiliza o preto. Em relação aos materiais, está agora a utilizar mais o acrílico, visando aperfeiçoar esta técnica.
O actor central da sua pintura é unicamente aquilo que vê, já que não se aventura pelo domínio do abstracto, uma vez que segundo diz, precisaria não só de muito mais escola, como também de talento, que modestamente diz não possuir.
Continua a frequentar a Teoartis, pois o convívio com colegas é para si um incentivo ao trabalho. Se ficar em casa, há sempre mil e um motivos que lhe roubam o tempo e tiram a vontade de pintar. No entanto, durante as férias, com mais tempo livre, é com imenso prazer que se dedica mais à pintura.
Maria Helena não se considera uma artista plástica, mas apenas uma pessoa que ocupa os seus tempos livres com várias actividades, das quais ressalta a pintura. É uma insatisfeita com o seu trabalho e diz ter uma perfeita noção do que ele vale. Tem prazer no que faz e isso basta-lhe. Segundo ela, tudo se aprende fazendo e só tem pena de ter começado tão tarde e de saber que não lhe vão restar muitos anos para aprender mais, de modo a conseguir sentir-se mais segura naquilo que faz. Aprendizagem, descoberta e experimentação são na sua óptica, passos essenciais para progredir na pintura.
Ao contrário do que acontece nalguns casos, Maria Helena nunca teve professores ligados às Artes Plásticas, no Ciclo, no Ensino Secundário e durante a sua formação académica, que a influenciassem nessa área e que tivessem desempenhado um papel marcante em relação a ela.
Se tivesse que se situar numa corrente artística ou numa escola artística, diz que seria realista, uma vez que não se consegue afastar daquilo que vê.
Quanto aos artistas plásticos nacionais que mais aprecia, destaca os nossos conterrâneos Rogério Ribeiro e Armando Alves, bem como Vieira da Silva, Manuel Ribeiro de Pavia e Cipriano Dourado. Estrangeiros, para além dos citados, também Manet, Goya, Miguel Ângelo, Velasquez, Vermeer e muitos, muitos outros.
Maria Helena é uma eterna insatisfeita com tudo aquilo que faz, pelo que de tempos a tempos sente necessidade de se testar. Daí a importância que confere às exposições. Afasta então a insegurança que diz sentir dentro de si e aceita ouvir a opinião franca dos outros, na plena convicção de que seja sempre uma opinião crítica, que lhe permita aperfeiçoar o seu trabalho.
Ainda que não tenha presente na sua memória, todas as exposições em que participou, nem datas, nem locais, sempre nos conseguiu dar algumas indicações. Assim, as Exposições Colectivas aconteceram pelo menos na Galeria do Inatel (Évora), na Galeria Teoartis (Évora), na Sociedade Recreativa e Popular Estremocense (Estremoz) e na Biblioteca Municipal de Sousel. Já as Exposições Individuais tiveram lugar na Biblioteca Municipal do Redondo e no Até Jazz Café (Estremoz), bem como esta agora no Centro Cultural, à qual outras decerto se seguirão, pois a Maria Helena não é mulher para estar parada.