quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

No mesmo mar navegamos…



No tempo da outra senhora
No tempo da outra senhora, a teia de interesses urdida pela aranha salazarista, obrigava quem se candidatasse a integrar a função pública, a ser forçado a subscrever um documento com assinatura reconhecida, no qual se expressava: “Declaro por minha honra que estou integrado na ordem social estabelecida pela Constituição Política de 1933, com activo repúdio do comunismo e de todas as ideias subversivas”. Estava-se no regime de partido único que através da castração política, exigia fidelidade canina e obediência cega ao então suposto bem amado chefe e dono disto tudo.
“Brados do Alentejo” e “E”
Entre nós, nesta terra transtagana, existem dois jornais locais: o “Brados do Alentejo” e o “E”, cada um deles à sua maneira, ao serviço de Estremoz e do seu termo. São jornais plurais, não só pelo que está consignado nos respectivos estatutos editoriais, mas também pela prática salutar de a um jornalismo factual e noticioso, acrescerem um jornalismo de análise e de opinião, subscrito com o nome dos seus autores, o qual chancela indelevelmente aquilo que pensam, acreditam, defendem e propõem.
A matriz pluralista de cada um dos jornais está na origem da sua bateria de colaboradores se espraiar por um espectro largo de visões do mundo e da vida, que vão do CDS ao BE, passando pelo PSD, PS e PCP, englobando também aqueles que não se revêem em nenhuma destas opções do catálogo ideológico.
Um desses jornais, o “E”, inclui uma página onde em cada número e sob a epígrafe “Parlamento”, os representantes das várias áreas ideológicas respondem a uma questão de índole local ou nacional, formulada por um deles, situação na qual se vão sucessivamente revezando. Neste “Parlamento” é notória a ausência de quem quer que seja que dê a cara pela associação local MIETZ. Não porque ali e o mesmo acontece no outro jornal, se ostracize esta Associação, mas simplesmente por que esta decidiu não participar no “campeonato”, não se sabe se por não ter argumentos sólidos ou se por excesso de auto-estima, não se querer confrontar com os outros, ao atribuir-se a si próprio o estatuto de pertencer a um escalão superior, no qual é como que um partido único.
Quem não é por nós, é contra nós
E vá daí, o Presidente da associação local MIETZ proclama que os “Brados do Alentejo” e o “E” são boletins do Partido Socialista. Trata-se de uma forma redutora de catalogar um jornalismo livre e independente que recusa algemas, mordaças e vendas, que se as aceitasse, o reduziriam à condição dócil de ser “a voz do dono”. Honra e glória, pois, aos dois jornais locais que, cada um deles à sua maneira, se comportam como os irredutíveis Astérix e Óbélix, na Gália ocupada pelo usurpador romano.
Navegar é preciso
Os “Brados do Alentejo” e o “E” são jornais pluralistas nesta terra transtagana, na qual alguém sonhou, sem todavia o conseguir, impor a “lei da rolha” e o “delito de opinião”.
Se os “Brados do Alentejo” e o “E” são boletins do Partido Socialista, todos os seus colaboradores, repórteres e cronistas, do BE ao CDS, estão na mesma nau. Somos todos “socialistas”, não necessariamente à António Costa ou à Catarina Martins, mas também à Jerónimo de Sousa, à Rui Rio ou à Assunção Cristas. No mesmo mar navegamos, à procura de bom porto.
Cronista do “Jornal E” e dos “Brados do Alentejo”