sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Bonecos de Estremoz na Assembleia da República



Voto de Congratulação pela inscrição da Produção de Figurado em Barro de Estremoz, conhecido por “Bonecos de Estremoz”, na Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da UNESCO
(Por iniciativa dos deputados eleitos pelo círculo eleitoral do distrito de Évora,
António Costa da Silva (PSD), João Oliveira (PCP), Norberto Patinho (PS) e
da deputada estremocense Rita Rato (PCP). Aprovado por unanimidade
e aclamação na sessão plenária de 7 de Dezembro de 2017)

«A Assembleia da República congratula-se pela decisão de reconhecimento do Figurado em Barro de Estremoz, conhecido por “Bonecos de Estremoz”, como Património Cultural Imaterial da Humanidade, pela UNESCO, durante a 12.ª Reunião do Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial.
Os Bonecos de Estremoz remontam ao século XVII e inicialmente eram manufaturados apenas por mulheres. Representam ofícios e tradições do Alentejo, figuras religiosas, temas urbanos e rurais e a sua estética muito característica torna os Bonecos imediatamente identificáveis.
De acordo com o investigador Hernâni Matos, "Trata-se de uma manufatura “sui-generis”, distinta de todo o figurado português. Nela, o todo é criado a partir das partes, recorrendo a três geometrias distintas: a bola, o rolo e a placa. São elas que, com tamanhos variáveis, são utilizadas na gestação de cada boneco. Para tal são coladas umas às outras, recorrendo a barbutina e afeiçoadas pelas mãos mágicas dos artesãos, que lhes transmitem vida e significado.
Os bonecos nascem nus e depois vão sendo vestidos e enfeitados, que os bonecos também são vaidosos. Apenas a cara é confecionada com recurso a moldes adequados.
A técnica ancestral de produção de “Bonecos de “Estremoz” transmitiu-se ao longo dos séculos e chegou até nós. Depois da sua manufatura, os bonecos são postos a secar, depois são cozidos no forno e são pintados com cores minerais já utilizadas pelos artistas rupestres de Lascaux e Altamira no Paleolítico, mas aqui 2 garridas e alegres, como é timbre das claridades do Sul. Por fim, são protegidos com verniz."
Ainda de acordo com aquele investigador, trata-se de "Bonecos que duplamente têm a ver com a nossa identidade cultural estremocense e alentejana, bonecos que, antes de tudo, são arte popular, naquilo que de mais nobre, profundo e ancestral, encerra este exigente conceito estético-etnológico."
Atualmente, modelam bonecos as Irmãs Flores, Fátima Estróia, Afonso e Matilde Ginja, Duarte Catela e Ricardo Fonseca. Utilizando as técnicas tradicionais, mas modelando com formas contemporâneas e locais, temos Isabel Pires, Jorge da Conceição e Célia Freitas/Miguel Gomes.
A consagração da Produção de Figurado em Barro de Estremoz, como Património Imaterial da Humanidade é um importante elemento de valorização desta expressão da cultura popular e contribui decisivamente para a sua preservação e salvaguarda.
Através deste voto, a Assembleia da República felicita as entidades que integraram a Comissão Executiva da candidatura pelo trabalho que, de forma persistente, desenvolveram, bem como todas as entidades e individualidades que se envolveram e empenharam neste processo, bem como todos os estremocenses.

A Assembleia da República felicita, de forma destacada, todas as artesãs e artesãos, pelo seu insubstituível papel de preservação e divulgação deste património, cujo reconhecimento pela UNESCO engrandece a cultura popular e o País»

Assembleia da República, 7 de dezembro de 2017

Os Deputados