quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

62 - Berços do Menino Jesus - 1


Berço enfeitado (Anos 80 do séc. XX).
Liberdade da Conceição (1913-1990).
Colecção particular.

O núcleo central do figurado de Estremoz inclui o chamado presépio de trono ou de altar, no qual figura um berço com o Menino Jesus. Também os chamados presépios de 3, 6 e 9 figuras, incluem um berço idêntico. Esta singularidade, levou-nos a contextualizar o nascimento de Jesus.

Referências bíblicas
Um dos grandes símbolos religiosos, que retrata o Natal e o nascimento de Jesus é o presépio. De acordo com Rafael Bluteau (1713) e Cândido de Figueiredo (1819), a palavra “presépio” provem do latim “praesepium”, que genericamente significa curral, estábulo, lugar onde se recolhe gado e que, numa outra óptica designa qualquer representação do nascimento de Cristo, de acordo com os Evangelhos (LUCAS 2: 1 a 18) e (MATEUS 2: 1 a 11). Deles destaco a anunciação do anjo do Senhor aos pastores: “Isto vos servirá de sinal: achareis um recém-nascido envolto em faixas e posto numa manjedoura.” (LUCAS 2: 12), bem como “ Foram com grande pressa e acharam Maria e José, e o menino deitado na manjedoura.” (LUCAS 2: 16).
O presépio é uma referência cristã que nos remete para o nascimento de Jesus numa gruta de Belém, na companhia de José e Maria, que ali pernoitaram na sequência do recenseamento de toda a Galileia. Jesus terá nascido numa manjedoura destinada a animais e foi reconhecido após o nascimento, por pastores da região, avisados por um anjo, e, dias mais tarde, por Reis Magos vindos do Oriente, guiados por uma estrela e que terão chegado até Jesus no dia 6 de Janeiro, data que em presentemente se comemora o “Dia de Reis”.

Literatura de tradição oral
O nascimento de Jesus tem múltiplos registos na nossa literatura de tradição oral. No que respeita a ADAGIÁRIO assinalo: “Depois que o Menino nasceu, tudo cresceu”, bem como “Quando o Menino nasceu, tudo cresceu” e ainda: “Um menino nasceu, o mundo tornou a começar”.
No que concerne a CANCIONEIRO POPULAR ALENTEJANO, Jesus é identificado como mais pobre que os pobres: "Qualquer filho de homem pobre / Nasce n’um ceo de cortinas. / Só tu, menino Jesus, / Nasceste n’umas palhinhas." Também é dito que passou frio: “Jesus menino, / Mal agasalhado, / Tremendo com frio, / Em palhas deitado.” Todavia, um poeta mais imaginativo, porventura pensando naquilo que não tinha, pintou um menino empanturrado com aquilo que o porco e a terra dão: "Olha o Deus Menino, / Nas palhinhas deitado, / A comer pão e toicinho, / Todo besuntado!”.