quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Cautela e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém


     
Exº Senhor
Director do jornal
Etc. e Tal
  
Fulano de tal, no exercício pleno e legítimo dos seus direitos cívicos, vem por este meio solicitar a Vª Exª para que no jornal que superiormente dirige, em caso algum a sua fotografia seja publicada na primeira página. Mesmo que as circunstâncias possam ser extraordinárias, nunca deverão servir de pretexto para legitimar tal publicação.
O signatário permite-se desde já chamar a atenção para algumas dessas circunstâncias ímpares: - Sair-lhe o jackpot no Euromilhões; - Ganhar um Oscar de Hollywood ou o Prémio Nobel de Qualquer Coisa; - Ser designado Chef de Cozinha do Ano ou Rabin Honorário de Telavive; - Ser nomeado Curador do Museu do Prado, Cônsul Honorário na Baía, Embaixador residente em Xangai, Mediador da Paz na Síria ou Marechal do Exército Português; - Ter direito a usar a Banda das Três Ordens.
A solicitação, longe de constituir uma atitude de falsa modéstia, apenas visa acautelar a possibilidade da imagem do requerente poder ser obliterada por qualquer cabeçalho publicitário de natureza lúgubre. A talhe de foice cita duas dessas possibilidades: Primeira: a sua fotografia aparecer encimada por uma faixa publicitária de uma agência funerária local, onde se observa que o serviço é permanente e tratam de toda a documentação. Segunda: a imagem do signatário ostentar superiormente uma faixa publicitária do Matadouro Regional, na qual se assegura abate rápido, indolor e higiénico de todo o tipo de animais.
Como Vª Exª decerto concluirá, o primeiro caso dá a aparência de que se estão a preparar para lhe fazer o funeral, tratando de toda a papelada que lhe é inerente. No segundo caso, o público é levado a pensar que estão disponíveis para o abater, enquanto o diabo esfrega um olho.
Vª Exª tem que reconhecer que são situações desconfortáveis para o requerente, já que o anúncio da funerária lhe deixa o corpo gelado e o do Matadouro Regional, o leva repetida e angustiadamente a verificar se tem ou não o cachaço incólume.
Face ao exposto, o peticionário ficaria mais confortado, se Vª Exª se abstivesse de, em circunstância alguma, publicar a sua fotografia na primeira página do seu conceituado jornal.
Sem outro assunto de momento e antecipadamente grato pela atenção dispensada, subscreve-se com os seus melhores cumprimentos.

Fulano de Tal

Hernâni Matos