quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Poesia Portuguesa - 026


Química
José Saramago (1922-2010)

Sublimemos, amor. Assim as flores
No jardim não morreram se o perfume
No cristal da essência se defende.
Passemos nós as provas, os ardores:
Não caldeiam instintos sem o lume
Nem o secreto aroma que rescende.

José Saramago (1922-2010)