quarta-feira, 4 de março de 2015

20 - Ricardo Fonseca, o benjamim dos barristas

Porco – Paliteiro (2014). 
Ricardo Fonseca (1986-  ).
Colecção particular.
  
Paliteiros zoomórficos constituem a mais recente produção do figurado de Estremoz. Trata-se de uma criação do jovem barrista Ricardo Fonseca.
Natural de Estremoz, onde nasceu há 29 anos, o artesão tem o 12º ano de escolaridade, tendo cursado Artes na Escola Secundária Rainha Santa Isabel. Sobrinho das Irmãs Flores, logo em criança se sentiu atraído pelo trabalho das tias e começou a manusear o barro, usando a técnica tradicional dos bonecos de Estremoz. Quando saiu da Escola em 2005, começou a trabalhar com elas na oficina-loja do Largo da República. A manufactura de bonecos passou então, de brincadeira a actividade profissional, executada com prazer e igualmente com grande paixão, o que o leva por auto-desafio a criar imagens cada vez mais complexas.
Na opinião de Ricardo, as pessoas gostam dos Bonecos de Estremoz, não só pela sua singularidade, como pelo facto de reflectirem fielmente a identidade cultural alentejana.
Habitualmente e conforme as encomendas, faz de tudo um pouco, dentro e fora do núcleo central do figurado de Estremoz. Todavia, hoje em dia, o que tem mais procura são modelos como “O Amor é Cego”, “Primavera”, “Rainha Santa Isabel” e “Presépios”, tanto clássicos como mais populares ou mais estilizados. São estas as peças que mais confecciona. A sua aquisição é feita por todo o tipo de pessoas, oscilando os preços entre os 20 e os 250 euros.
Para além de inúmeros presépios, cujas particularidades se torna difícil descrever, são de sua criação, figuras das quais as mais recentes são: “ O professor”, “Fernando Pessoa”, “Cavaleiro Tauromáquico”, “Forcado” e “Rainha Santa Isabel alimentando um pobre”. As suas marcas de autor são múltiplas: - “Ricardo Fonseca” com ou sem data ou com data e “Estremoz”, manuscritas e com iniciais maiúsculas; - RF com ou sem data, pintado em cor variável.
De parceria com as tias tem executado exemplares como “Coreto Municipal”, “Presépio de Galinheiro” e “Jogador de bilhar”.
Tem participado em exposições colectivas, não só em Estremoz, como em Espanha e Itália, assim como em Feiras de Artesanato (FIAPE e a FATACIL), no stand das tias. Ganhou o 1º Prémio no Concurso de Barrística “Rainha Santa Isabel”, promovido pelo Município de Estremoz no decurso da FIAPE 2011.
Se tivesse que se dedicar à manufactura de um único tipo de artefactos, escolheria os Presépios, já que estes possibilitam um número ilimitado de cenários, o que se torna estimulante, sob um ponto de vista criativo.



LEGENDA DA FIGURA