terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Pedalar é preciso

Foto recohida no grupo de Facebook “Massa crítica Lisboa”.

A circulação automóvel nas cidades constitui a principal fonte de poluição atmosférica, a qual tem efeitos nocivos na saúde em geral e na saúde respiratória em particular. Para além disso, a poluição atmosférica contribui para o chamado “efeito de estufa”, que se traduz no aquecimento global do planeta. Este tem consequências negativas: - alterações climáticas a nível mundial e a extinção de determinadas espécies de fauna e de flora; - fusão de gelo das calotes polares, que se traduz na subida do nível médio do mar, o qual determinará uma total reconfiguração dos continentes, tal como os conhecemos na actualidade; - aumento da frequência de catástrofes naturais (tufões, furacões, inundações, períodos longos de seca), que afectarão a produção agrícola a nível global, prejudicando o fornecimento de alimentos às populações.
Face ao panorama anterior, a consciência cívica de um número cada vez maior de jovens e adultos, tornou-os eco-militantes, levando-os a adoptar a bicicleta como meio de transporte nas cidades. Para além de ser um veículo amigo do ambiente, a bicicleta permite fugir aos engarrafamentos de trânsito, bem como evitar longas esperas de transportes públicos, assim como ultrapassar a dificuldade e o custo do estacionamento automóvel. De resto, a utilização da bicicleta é benéfica, uma vez que tonifica os músculos e facilita a circulação sanguínea, o que traz vantagens cárdio-respiratórias.
A necessidade de os ciclistas fazerem valer os seus direitos, levou-os a criar a chamada “massa crítica (bicicletada)”. Esta é um evento que assume a forma de um passeio auto-organizado e independente, de periodicidade mensal, no qual um grupo de ciclistas passeia numa determinada cidade. Não se trata de uma prova desportiva, nem de uma manifestação. Trata-se simplesmente de um percurso pela cidade, o qual não carece de qualquer pedido de autorização para se realizar, tal como acontece com os automóveis que se deslocam em fila.
A massa crítica visa: - afirmar o direito dos ciclistas à estrada; - divulgar as vantagens de utilização da bicicleta como meio de transporte vantajoso nas cidades; - alertar para a necessidade de mudanças no espaço urbano para melhor acomodar os ciclistas.
A massa crítica integra não só ciclistas, como skatistaspatinadores e pessoas com veículos de propulsão humana. Em geral, ocorre na última sexta-feira de cada mês, a partir das 18 horas, embora nalgumas localidades ocorram noutro dia e com outro horário.