quinta-feira, 4 de julho de 2013

O meu voto


O meu boletim de voto está do mesmo lado que o coração. Significa isso que assumidamente sou de esquerda, pela teoria e pela prática, pelas emoções e pela razão. Pela cabeça e pela determinação que entronca na matriz térrea que me pariu: o Alentejo.
Passos Coelho? Paulo Portas? Cavaco Silva? Todos diferentes, mas todos iguais. Não vou por aí. O meu caminho é outro. É o caminho de abrir caminho até onde o caminho puder ser aberto. É como fazer amor até se poder fazer amor, porque as coxas se nos abrem com prazer e nós temos virilidade quanto baste para rasgar charnecas e penetrar lodaçais. É isso a procura dos amanhãs que cantam.