sexta-feira, 3 de maio de 2013

Grândola, Vila Morena


canção “Grândola, Vila Morena", utilizada como senha pelo MFA
se transformou em símbolo da revolução de Abril.


Tive o privilégio de conviver pela primeira vez com o Zeca Afonso (1929-1987) no contexto da luta académica contra o fascismo, que uniu as Academias de Lisboa, Coimbra e Porto. Nessas circunstâncias, salvo erro em 1967, viajei no mesmo autocarro que o Zeca, quando o Movimento Associativo da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, no qual me integrava, foi até Coimbra partilhar experiências de luta com os camaradas de lá. Viria a ser uma memorável jornada de luta, com a PIDE a vigiar-nos no Choupal, no decurso dum almoço improvisado e com a malta a cantar:

A pulga salta,
A pulga pica,
Ora vai-te embora,
Ora vai-te embora,
Oh pulga fascista!
 
Antes disso e devido à minha disponibilidade e solidariedade militantes, fui encarregado pelo Movimento de realizar no autocarro uma recolha de fundos a favor do Zeca. Este, expulso do ensino e impedido de leccionar, sobrevivia com dificuldade, graças a algumas explicações que lá conseguia dar. Lá fui de lugar em lugar, com a minha boina basca e cada um lá contribuiu com as magras moedas possíveis, para dar uma ajuda ao Zeca. A solidariedade não se ensina, partilha-se.
Depois disso e depois das “portas que Abril abriu”, encontrámo-nos numa sessão de solidariedade com a Reforma Agrária na qual marcámos presença, cada um à sua maneira. Trocámos um abraço caloroso, ainda que breve, já que o Zeca tinha de cantar e isso era o mais importante, pois ele era o catalizador para a acção.
Algumas histórias ficaram por relembrar, porque um homem não tem tempo de falar de tudo. Dalgumas delas pode-se falar depois, como é o caso da canção “Grândola, Vila Morena", pertencente ao álbum "Cantigas de Maio", editado em 1971. A canção transmitida pela Rádio Renascença, a emissora católica portuguesa, às zero horas e vinte minutos do dia 25 de Abril de 1974, como segunda senha pelo Movimento das Forças Armadas (MFA), confirmou o início do golpe de estado militar que derrubou a ditadura e instaurou a democracia em Portugal. Como tal, transformou-se em símbolo da revolução de Abril.
Na actualidade, é entoada como forma de protesto contra as políticas económicas do governo e da troika, sendo importante que todos assumamos esta canção como símbolo da luta por um mundo melhor, com justiça social, trabalho e esperança no amanhã.
Mais que nunca é preciso relembrar Abril e apontá-lo às novas gerações como um caminho a seguir. Foi o que aconteceu na passada noite de 24 de Abril quando a Academia Sénior de Estremoz comemorou Abril com cravos, poemas e canções na Biblioteca Municipal desta cidade. Foi bonito e daqui se felicita a iniciativa da Academia. Ali não havia quem nunca tenha gostado de cravos. Todavia havia quem os tenha usado ao peito e tenha fugido deles como o diabo da cruz. O mesmo aconteceu com “Grândola Vila Morena”, que duma forma torta, alguém “de direito” entendeu que não devia ser ali cantada, por que era uma canção contra o Governo. Fez o seu papel e com isso negou a própria essência do que ali tinha acontecido. Descontentes com tal atitude, muitos dos presentes dirigiram-se para o exterior da Biblioteca, onde cantaram “Grândola, Vila Morena” três vezes seguidas. Eu por mim, ainda lá estava, até que a voz me doesse.
25 DE ABRIL SEMPRE!