sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

Searinhas do Menino Jesus


Searinha do Menino Jesus. Fotografia de Carlos Dalves (http://olhares.aeiou.pt)

Uma tradição que ainda hoje se cumpre no Alentejo é a sementeira das “Searinhas do Menino Jesus”, já referida por A. Thomaz Pires (2) e que se efectua cerca de um mês antes do Natal.
Consiste esta tradição em lançar, em pequenos recipientes (pires ou chávenas) alguns grãos de trigo que são humedecidos com água para germinar, após o que são diariamente borrifados com a mesma, a fim de os rebentos se manterem viçosos.
As searinhas são utilizadas no presépio e no oratório, assim como são levadas à mesa da Consoada, na crença de que o Menino Jesus abençoe o trigo, de modo que nunca falte pão em casa e na mesa.
A. Thomaz Pires cita D. José Coroleu (Las supersticiones de la humanidad) quando afirma que as searinhas “(…) recordam as sementes semeadas nos testos pelas mulheres Phrygias, e que levavam ao terrado para germinarem aos raios do Sol.”.
Parece não restarem dúvidas que se trata de mais um aproveitamento cristão duma tradição pagã. Na verdade, a festa pagã do solstício de Inverno que comemorava o renascimento do Sol, foi substituída pela festa cristã do Natal, que celebra o nascimento de Cristo. Daí que usos e costumes que lhe estavam associados tenham sido adaptados ao Cristianismo, pelo que são reminiscência das antigas crenças.


BIBLIOGRAFIA
(1) - PESTANA, M. Inácio. Etnologia do Natal Alentejano. Assembleia Distrital de Portalegre. Portalegre, 1978.
(2)  – PIRES, A. Thomaz. A noite de Natal, o Anno Bom e os Santos Reis. 2ª edição. António José Torres de Carvalho. Elvas, 1928

Publicado inicialmente em 19 de Dezembro de 2011

14 comentários:

  1. Caro Her^nâni

    Muitíssimo interessante! Gostei mesmo de saber.

    Já agora votos de um Santo Natal com muitas prendas trazidas pelo Menino Jesus e não pelo pai natal!
    Votos de um 2013 com mais atino e que possamos continuar a deliciar-nos com as suas interessantíssimas prosas e alguma poesias.

    Um abração
    Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro:
      Igualmente para si e para todos os seus.
      Vão ser tempos difíceis com novos desafios. Todavia, a memória dos nossos ancestrais, impõe-nos que sejamos tenazes e resistentes, solidários com os nossos filhos e netos para que possam ter futuro.
      Um grande abraço.

      Eliminar
  2. É uma tradição bem bonita esta. Algumas são verdadeiramente encantadoras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francisca:
      Assim é.
      Nós os filhos do Suão,transtornados pelo calor e também pelo frio, estamos em simbiose perfeita com a Terra-Mãe.
      É a nossa maneira inequívoca de dizer:
      - O nosso lugar é aqui!
      Seareiros de memórias que nos vão na alma, é o nosso modo de homenagearmos ciclicamente o Menino-Deus que terá nascido, crescido e morrido para nos libertar ou não fosse a morte uma libertação das amarras não só do corpo como do espírito.

      Eliminar
  3. Conheço esta tradição no Algarve,aprendi com os meus pais. No dia 1º de Dezembro semeia-se os grãos de trigo, chicharos, cevada etc. nas taças com pouca água guarda-se em sitio escuro (debaixo da cama) e borrifa-se todos os dias. Uma semana antes do Natal estão crescidas e viçosas, o presépio é feito em forma de altar, o menino jesus no alto com vários degraus enfeitados com as searas e ramos de laranjas, e uns arquinhos de amendoeira.Lembro-me dos meus tempos de criança era o que acontecia. Fiquei agora a saber pelo professor que afinal a tradição também existe no Alentejo.Obrigada mais uma vez por participar.
    ROSA CASQUINHA

    ResponderEliminar
  4. Respostas
    1. Terezinha:
      Que é a vida, senão ujma aprendizagem?
      Os meus cumprimentos.

      Eliminar
  5. Olá Dr. Hernâni.

    Tradições simples mas que ficam na memória.
    Aproveito para lhe desejar Boas Festas.Que 2015 seja um ano repleto de saúde, paz e amor.

    Com carinho,

    Ermelinda Silva

    ResponderEliminar
  6. Uma tradição muito interessante. Tanto quanto sei, aqui, em Viana do Alentejo nunca dei por tal prática.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. José:
      É possível. As tradições não são uniformes.
      Os meus cumprimentos.

      Eliminar
  7. Que interessante , ainda vou a tempo de fazer a searinha ? Não conhecia esta tradição

    ResponderEliminar