domingo, 8 de maio de 2011

O sentido da visão: Adagiário

CEIFEIRA DE ESTREMOZ (1926) - aguarela de Mestre ALBERTO DE SOUZA (1880-1961), notável aguarelista e ilustrador, que calcorreou o país de lés a lés na primeira metade do século XX, funcionando como consciência plástica da Nação.

Na sequência do post anterior, subordinado à epígrafe "O sentido da visão: Cancioneiro", apresentamos hoje mais de dezasseis dezenas de adágios, sistematizados por vinte e quatro tópicos, os quais integram o conjunto por nós catalogado. Naturalmente, que mais uma vez, estre trabalho corresponde a uma sinopse que deixa de parte, variantes e corruptelas.

A visão (vista) é um dos sentidos que permite observar e analisar o meio ambiente:

- A cegueira quando dá é pela vista.
- A malícia tem vista fraca e memória forte.
- A paciência é boa para a vista.
- Cada um vê mal ou bem, conforme os olhos que tem.
- Doença que não é vista, não é conhecida.
- Entre amigos, a vista basta.
- Longe da vista, longe do coração.
- Mais faz a vista do amo do que as suas mãos.
- Morte não vista é mal crida.

Os órgãos sensoriais da visão são os olhos:

- A juventude é a idade em que os olhos brilham sem ver.
- Dois olhos enxergam mais que um só.
- Graça de olhos tarde envelhece.
- Olho de mãe, olho de falcão.
- Olho de menino, olho de diabinho.
- Olhos que não choram não sabem ver.
- Os mortos aos vivos abrem os olhos.
O mecanismo da visão tem por base os raios luminosos que atingem o globo ocular:

- A luz que vai adiante é a que alumia.
- A candeia que vai à frente alumia duas vezes.
- A candeia, debaixo do alqueire, não comunica a sua luz.
- À luz da candeia faz tua meia.
- À luz da candeia, não há mulher feia.
- A luz se apaga mais depressa do que se acende.
- A luz, onde está o fogo, aparece.
- Mais vale um raio de Sol que um arrátel de sabão.
- O excesso de luz produz a cegueira.
- O sol quando nasce é para todos.

Para a maioria de nós:

- Os ouvidos são mais infiéis que os olhos.

Os olhos dizem muita coisa:

- Os olhos não enganam, nem mesmo quando pretendem enganar.
- Os olhos são o espelho da alma.

À cor dos olhos são atribuídos significados:

- Olho azul em portuguesa é erro da natureza.
- Olho azul em raça portuguesa é velhaco com certeza.
- Olhos verdes, olhos de traidor.

O movimento dos olhos cronometra o tempo:

- Menos tempo gasta um postilhão a andar uma légua, que um preguiçoso a abrir os olhos.
- Num volver de olhos ao mau vento, volta-lhe o capelo.

È através do mecanismo da visão que se forma no cérebro a imagem do que vemos, assim como dela a forma, a volumetria, a medida, a profundidade, a textura, o contraste, a luminosidade, o brilho e naturalmente a cor:

- Azul e verde, ranho na parede.
- Das cores a grã; da fruta a maçã.
- Em vendo amarelo, todo me descanelo.
- Gostos e cores não se discutem.
- O azul é o almoço do sol.
- O castanho-escuro corre o mole e o duro.
- O verde é esperança; quem espera sempre alcança.

Os espelhos reflectem a nossa imagem e assim, através deles, a maioria de nós consegue observar o seu rosto:

- Ao cego não dão cuidado os espelhos.
- Levantou-se a torta e pôs-se ao espelho.
- Para quê cego com espelho?
- Tiraram-me o espelho por feia, e deram-no à cega.

Há dificuldades de visão (astigmatismo, estrabismo, hipermetropia, miopia) que podem ser corrigidas, através do uso de óculos com lentes adequadas:

- Quatro-olhos vêem mais que dois.
- Se não vejo pelos olhos, vejo pelos óculos.

A falta do sentido da visão constitui a cegueira:

- A cegueira quando dá é pela vista.
- A ver vamos como diz o cego.
- A ver vamos, dizia o cego e cada vez via menos.
- Achou o cego um dinheiro.
- Antes cegues que mal vejas.
- Antes torto que cego de vez.
- Bem cego é quem muito vê por aro de peneira.
- Cego é aquele que vê e não quer ver.
- Cego é quem não vê por uma peneira.
- Deus podia ter botado os cegos no mundo, para vigiar os que vêem.
- É mais cego aquele que não quer ver do que aquele que não vê.
- Janelas fechadas são olhos de cego.
- Louvar-me num cego para julgar das cores.
- Maria, antes com um olho só, do que com um filho.
- Marido, não vejas! Mulher, cega não sejas!
- Na terra dos cegos, quem tem um olho é rei.
- Não há cego que se veja.
- Não pode o cego distinguir cores.
- O ambicioso é um cego a caminhar com pernas de pau.
- O olho do cego é na mão.
- O pior cego é o que não quer ver.
- Os cegos desesperados por si se consolam.
- Quem dá a vista aos outros, cego fica.
- Quem não enxerga por trás de cerca de vara é cego.
- Se o cego guia o cego, correm ambos o risco de cair.
- Sonhava o cego que via.
- Um cego não pode ser guia de outro cego.
- Um cego não pode ser juiz em cores.

Uma boa visão exige cuidados de saúde:

- A palha no olho alheio e não a trave no nosso.
- Cada um vê o argueiro no olho do vizinho, e não vê a tranca no seu.
- Nada é bom para os olhos.
- O mal do olho cura-se com o cotovelo.
- Quando o nó se faz piolho, com mal anda o olho.
- Quem quiser olho são, ate a mão.
- Sol roxo, água a olho.

Quando dormimos fechamos os olhos:

- Se não dorme meu olho, folga meu osso.

A religião não podia deixar de ter múltiplas ligações aos olhos:

- Com o olho e com a fé não zombarei.
- Fui para me benzer e quebrei o olho.
- O amor e a fé nos olhos se vê.
- Quem, por virtude, se abate aos olhos dos homens, eleva-se aos olhos de Deus.
- Santos da Catalunha, olhos grandes e vista nenhuma.

O amor nasce com o próprio acto de visão:

- O amor e a fé nos olhos se vê.
- O amor é cego mas vê muito longe.
- O amor, ainda que cego para ver, é lince para adivinhar.
- A mão na dor e o olho no amor.
- Os olhos da namorada têm luz mais viva do que a do sol.
- Coração de mãe, olhos de mãe.
- O amor nasce da vista e vai ao coração.

Os olhos são sentinelas que nos mantêm alerta em relação às ameaças a que podemos estar sujeitos:

- Abre um olho para comprar e os dois para vender.
- Ao amigo que não é certo, com um olho fechado e outro aberto.
- Chaves de Faro, prados de Loulé, e criados de S. Brás, olho vivo e pé atrás.
- Contas na mão e olho no ladrão.
- Mãos na roca, olhos na porta.
- Não fies nem um tostão de quem põe os olhos no chão.
- Não metas em tua casa quem dois olhos haja, senão trigo e cevada.
- Os que falam com olhos fechados querem ver os outros enganados.
- Quem com mau vizinho há-de vizinhar, com um olho há-de dormir e com outro vigiar.
- Traze de olho o criado que ronha.
- Um olho no burro, o outro no cigano.
- Um olho no prato, outro no gato.

A mulher marca presença no adagiário da visão:

- A mulher do cego para quem se enfeita?
- A viúva rica com um olho chora e com outro repenica.
- Devemos procurar a mulher antes com os ouvidos que com os olhos.
- Levantou-se a torta e pôs-se ao espelho.
- Mulher honrada não tem ouvidos nem olhos.
- Olho de mãe, olho de falcão.
- Quem não tem mulher, muitos olhos há mister.

Os olhos têm naturalmente a ver com sentimentos:

- A doçura tira nojo e a gordura abre olho.
- A inveja tem os olhos vesgos para o bem, e pulmões de ferro para apregoar o mal.
- Ao medo sobejam os olhos.
- Aos olhos da inveja, todo o sucesso é crime.
- Facilmente aos olhos se afigura aquilo que se pinta ao desejo.
- Gente baixa só tem olho no interesse.

Com os olhos se chora, produzindo lágrimas, em estados emocionais alterados: casos de dor, medo, aflição, raiva, tristeza, depressão, saudade, alegria exagerada, etc.:

- A linguagem das lágrimas, não a entendem os corações de argila.
- As chamas da caridade secam as lágrimas da dor.
- As grandes desventuras não têm lágrimas.
- As lágrimas são o forte das mulheres.
- As lágrimas são, quase sempre, o último sorriso do amor.
- Ás mulheres parece que trazem as lágrimas numa bilha.
- Chorar com um olho e rir com o outro.
- Chorar por um olho azeite e, por outro, vinagre.
- Chorem olhos de teu amigo e ele enterrar-nos-á vivo.
- Fugi do homem orgulhoso, que se envergonha de verter lágrimas.
- Lágrimas abrandam pedras.
- Lágrimas abrandam penas.
- Lágrimas com pão ligeiras são.
- Lágrimas de herdeiros, risos secretos.
- Lágrimas de mulher são tempero de malícia.
- Lágrimas de mulher valem muito e custam-lhe pouco.
- Lágrimas de sermão e chuva de trovoada, cai na terra e não vale nada.
- Nada seca mais depressa do que as lágrimas.
- Não choram os olhos as perdas das coisas que não cansaram os braços.
- Não os olhos que choram, senão as mãos que trabalham.
- Os olhos que não têm chorado, não vêem nada.
- Que mil olhos chorem, menos os meus.

Os animais também estão presentes no adagário sobre a visão:

- Aos olhos tem a morte quem a cavalo passa a ponte.
- Cria o corvo, tirar-te-á o olho.
- Em tempo nevado, o olho vale um cavalo.
- Não há coisa encoberta senão olhos de toupeira.
- O cavalo engorda com o olho do dono.
- O olho do amo engorda o cavalo.
- Quem a cavalo passa a ponte, ao olho vê a morte.

Através dos olhos conseguimos percepcionar a beleza:

- A beleza da mulher é uma das suas armas, as lágrimas são outra.
- A beleza depressa se acaba.
- A beleza é frágil; a virtude é eterna.
- A beleza enche os olhos mas não enche a barriga.
- A beleza está nos olhos de quem a vê.
- A beleza exterior inspira amor; a interior inspira estima.
- A beleza não se põe na mesa.
- A beleza não tem senão a profundidade da pele.

Podemos também apreender a boniteza:

- Boniteza não põe mesa.
- Bonito é o que bonito parece.
- Lindos olhos, feio bicho.

Podemos igualmente ter ou não a noção de feiura:

- À luz da candeia, não há mulher feia.
- Nem tudo o que é feio é mau.
- O desejo torna formoso o que é feio.

A acção do olhar precede a alimentação:

- Abre o olho, que assam carne.
- Comer sem beber, cegar e não ver.
- Mau é ter os olhos maiores do que a barriga.
- Os olhos comem primeiro que a boca.
- Os olhos não comem sopas.
- Os olhos também comem.
- Pão com olhos, queijo sem olhos, e vinho que salte aos olhos.

Porque julgamos que todos viram “com olhos de ver”, o que era nosso objectivo mostrar, damos por terminado o presente post.

Hernâni Matos