sexta-feira, 4 de junho de 2010

Nós e os números - O número um

Narciso (1594-1596), por Michelangelo Merisi da Caravaggio (1571-1610), Palazzo Barberini, Roma.

NÓS E OS NÚMEROS
0
A vida é, de certo modo, um gigantesco caderno de Matemática. São múltiplos e diversificados os campos e domínios do conhecimento que recorrem aos números. A estatística, a economia, a contabilidade, as sondagens de opinião, a lotaria, o controle de qualidade, as ciências exactas, a arquitectura, a engenharia, etc., etc., etc.,...
Os números são tão importantes na nossa vida como o ar que respiramos ou o chão que pisamos.
Para a maioria das pessoas, os números representam quantidades, pelo que eu, como bom filho do sistema não fujo à regra. Como Físico procuro decifrar a natureza, de modo a torná-la inteligível. A minha Leitura traduz-se, assim, por números, na mais ampla vastidão deste conceito. Contudo, a própria natureza dos sistemas físicos, leva-me a ter de seleccionar de entre os números que são soluções matemáticas de problemas físicos, aqueles e apenas aqueles (Oh grau supremo da exigência física!), que são fisicamente aceitáveis.
Apesar de tudo e pese embora o facto de estar familiarizado com os números na óptica estrita que acabo de esquematizar, não posso, nem por mera fracção infinitesimal de segundo, deixar de ser assaltado por dúvidas que sendo estruturalmente cartesianas, têm a ver com a minha maneira própria de ser e estar no mundo - este álbum em que, cromos animados, procuramos ser argumentistas, realizadores e autores dos nossos próprios destinos.
Nessa assunção de vida, a minha produção é divergente, o que me leva a procurar conhecer sempre as múltiplas facetas dum problema, sob os mais diferentes ângulos e com abordagens diversas. Do confronto e do tratamento de toda a informação, resulta a síntese unificadora, que me permite ter uma visão o mais global possível da realidade.
No caso dos números, importa-me saber o modo como outros os vêem, quais os números que ocorrem nos vários domínios do conhecimento e porquê uns e não outros. Por outro lado, qual o simbolismo dos números? Que números aparecem na mitologia e nas religiões? Que números aparecem na antropologia, nas ciências exactas e na literatura oral? Parafraseando o nosso Vasco Santana na aldeia dos macacos, é caso para dizer “Números há muitos...”, embora por questões óbvias de conveniência retórica, não subscreva solidariamente o remanescente da frase omissa.
Porque o meu “eu” tem a ver convosco, oh portadores ignotos das mais diversificadas valências numéricas, o título do meu post só podia ser um: "NÓS E OS NÚMEROS".
No quadro seguinte figuram  os vários tipos de números correntes, bem como aquilo que indicam e exemplos. Sobretudo a nível de provérbios, aparecem os vários tipos de números:

0
AONDE SE FALA DO UM
0
Na MATEMÁTICA, “um” é o menor número natural e um é o ponto de tangencia de duas figuras planas ou sólidos geométricos.
Na FÍSICA, “um” sentido tem a corrente eléctrica contínua. Na ZOOLOGIA, “um” é o como do rinoceronte e do unicórnio e um é o número de alguns órgãos da espécie humana (nariz, boca, língua, esófago, faringe, laringe, traqueia, estômago, fígado, vesícula biliar, pâncreas, intestino fígado, intestino grosso, recto, ânus, bexiga).
Na MINERALOGIA, “um” é a dureza do talco foliáceo na escala de dureza de Mohs.
No DESPORTO: “uma” bola têm jogos como o futebol, o voleibol, o basquetebol, o andebol, o basebol, o ténis, o badmington e o pólo; uma rede tem o campo de ténis e de badmington; um é o apito do árbitro.
Na MUSICA, “uma” é a batuta do maestro.
Em POLÍTICA, “um” é o Presidente da República na República, bem como “um” é o Rei na Monarquia. Numa religião monoteísta como o cristianismo, o islamismo ou o budismo, há “um” só Deus.
O número “um” tem a ver com o poder supremo e absoluto, com a responsabilidade exclusiva e a lógica univalente. Para os pitagóricos o “um” representava a razão por ser imutável.
Na LINGUAGEM COMUM, a palavra “um”, combinada com outras palavras, assume determinados significados, o que lhe confere equivalência a outras frases. Assim:
0
Um e outro = Ambos
Nem um nem outro = Nenhum dos dois
Um ao outro = Reciprocamente
Um a um = Individualmente
Um tanto ou quanto = Em grau que se não quer determinar
0
O “um” é um número que também aparece em bastantes PROVÉRBIOS, tais como:
0
“A primeira é rodilha a segunda é senhora“
Abre um olho para ver e dois para comprar“
“Amizade de um dia recordação de um minuto“
“Ao cabo de um ano tem o criado as manhas do amo“
“Cabrito e leitão de um mês e cordeiro de três“
“Dá-lhe uma e promete-lhe duas“
“Deus fecha uma porta e abre um cento“
“Doze galinhas e um galo comem como um cavalo“
“Hoje um amanhã dois ao outro dia três ou quatro depressa enche o saco“
“Leitão de um mês e marreco de três “
“Leitão de um mês e pato de três “
“Leitão de um mês cabrito de três“
“Mais caga um boi que mil mosquitos“
“Mais descobre uma hora de jogo que um ano de conversação“
“Mais vale um ano de tarimba do que dois em Coimbra“
“Mais vale um asno que me leve que um cavalo que me derrube“
“Mais vale um bom amigo que honra de parente“
“Mais vale um bom desengano que ar toda a vida enganado“
“Mais vale um carneiro nosso que um rebanho da sociedade“
“Mais vale um farto que cem famintos“
Mais vale um feio alegre que um bonito tristonho“
“Mais vale um gosto na vida que cem mil réis na algibeira“
“Mais vale um gosto na vida que três vinténs“
Mais vale um não a tempo que um sim retardado“
“Mais vale um ovo hoje que uma galinha amanhã“
“Mais vale um pássaro na mão do que dois a voar“
“Mais vale um pé que duas muletas”
“Mais vale um que bem mande do que dois que bem façam“
“Mais vale um toma que dois te darei“
“Mais vale um vizinho à mão que longe um irmão“
“Mais vale uma aguilhada que cem arres“
“Mais vale uma boa sentença que um bom acordo“
“Mais vale uma dor que cem“
“Mais vale uma égua que me carregue que um cavalo que me derrube“
“Mais vale uma hora de obediência que um ano de penitência“
“Mede cem vezes e corta uma“
“Mesmo a um homem morto quatro homens para o tirar de casa“
“Moços e bois de um ano a dois“
“O que não se faz numa vez faz-se em duas ou três“
“O que um não quer dois não fazem“
“Ovo de uma hora pão de um dia vinho de um mês“
“Quem duma escapa cem anos dura“
“Uma maçã pode apodrecer um cento“
“Vale mais um amigo que cem parentes“
“Vale mais um pássaro na mão que dois a voar“
0
A definição de amor de Almada Negreiros (o tal "poeta de Orfeu, futurista e tudo...") é dada pela proposição:
0
"Um mais um igual a um"
0
Simbolizando, segundo creio, a fusão do corpo e do espírito, a comunhão e a identidade. Encarando matematicamente uma tal operação, teríamos:
0
1+1=1
0
Por outras palavras, o elemento 1 é o elemento neutro da operação + e é único, mas só operado consigo próprio é igual a si mesmo. Porém, operar consigo próprio, é amar-se a si mesmo. Daí que do amor narcisista não resulte mais que o próprio ente narcisista. Não há valor acrescentado, nem ganho físico, nem ganho espiritual nesta forma peculiar de amar. Penso que usando a notação biológica, a melhor definição de amor pode ser dada através do esquema:


Hernâni Matos