quarta-feira, 24 de março de 2010

Ciclo do pão na Literatura Oral ( 2 - A sementeira)

2 - A SEMENTEIRA

A sementeira no Alentejo, no início do século XX. Postal edição Malva (Lisboa).

Na sementeira que se seguia à lavra, toda a acção se centrava no semeador, que do sementeiro pendurado ao ombro, apartava uma mão cheia de semente, a qual num gesto augusto, ciclicamente repetido, lançava à terra - mãe para a fecundar.
Apesar da dureza da sua vida, alguém o aconselhava:

“Não maldigas o destino;
E cumpre a tua missão;
Sem o trigo pequenino
Ninguém pode fazer pão.“ [1]

O trigo era considerado mágico:

“Num pequeno grão de trigo
grande magia se encerra;
para o gerar, sol amigo
e água beijando a terra.“ [1]
0
Exaltava-se o valor do grão:
0
“Não há pepita de oiro
que tenha o valor dum grão.
Ninguém transforma um tesoiro
em bocadinhos de pão…“ [1]
0
A colheita tinha o seu custo:
0
“Eu conheci quem queria
ter trigo sem semear.
Quem não semeia não colhe,
como é fácil calcular.“ [1]
0
Havia quem aconselhasse a semear só a própria terra:
0
“A terra é nossa mãe,
pois a terra nos dá pão,
Não semeies terra alheia,
em busca de produção.“ [1]
0
Também havia quem procurasse trabalho:
0
“Já não há por hi quem queira
Accomodar um ganhão
Por alqueive e sementeira
E a temporada do v’rão?“ [2]
0
Para outros era mais forte o desejo de lavrar e semear em corpo de mulher:
0
“Quem me dera ser feitor,
lavrador nesse teu peito,
antes que não semeasse,
ficava o alqueve feito.“ [1]
0
É claro que o namoradeiro não gostava de atrasos:
0
“Semear e não colher
É que atraza o lavrador:
Também eu ando atrazado,
Em não falar ao amor.“ [2]
0
O pior de tudo era a desilusão:
0
“No principio do meu mundo
Fui lavrador alguns annos.
Semeei leaes carinhos
Recolhi falsos enganos.“ [2]
0
O rifonário da semeadura não fica atrás dos restantes rifonários do ciclo do pão:
0
- “A lavrador descuidado os ratos comem o semeado.“
- “Ara com os bois, semeia com as vacas.“
- “Cada um colhe conforme semeia.“
- “Coisa que não se vende, ninguém a semeia. “
- “Coisa que se não colhe, ninguém a viu semear.”
- “Como semeares, assim colherás.“
- “Em Outubro sê prudente: guarda pão, guarda semente.“
- “Maldito dente que come a semente.“
- “Nem sempre a boa semente cai em terreno fértil.“
- “O que à terra deres já, ela depois to dará.“
- “Poda tardio, semeia temporão, terás vinho e pão.“
- “Quando a Lua minguar, nada hás-de semear.“
- “Quando a mão semeia, é mão que abençoa.“
- “Quem não semeia, não colhe.“
- “Quem semeia basto, gasta mais e colhe menos.“
- “Quem semeia, colhe.“
- “Quem semeia, espera.“
- “Quem semeia, recolhe.“ [3]
- “Se ouvires trovejar em Março / semeia no alto e no baixo.“
- “Se queres bom cabaço, semeia-o em Março. “
- “Semeia e cria/terás alegria.“
- “A quem não tem pão semeado, de Agosto se faz Maio.“[3]
- “A terra, lavrada em Agosto, à estercada dá de rosto.“ [3]
- “Cada um colhe segundo semeia.“ [3]
- “Com água e com sol, Deus é o creador.“ [3]
- “De grão te sei contar, que em Abril não ha-de estar nascido, nem por semear.“ [3]
- “Dia de S. Matheus [4], vindimam os sisudos, semeiam os sandeus.“ [3]
- “Em tal lugar, nem quero colher nem semear.“ [3]
- “Por S. Clemente [5], alça a mão da semente.“ [3]
- “Por S. Francisco [6], semeia teu trigo, e a velha que o dizia, semeado o tinha.“ [3]
- “Por Santa Ereia [7], toma os bois e semeia.“ [3]
- “Por todos os santos, semeia trigo, colhe cardos.“ [3]
- “Quem em terra boa semeia, cada dia tem boa estreia.“ [3]
- “Quem não tem bois, ou semeia antes ou depois.“ [3]
- “Quem ralo semeia, rala leva a paveia.“ [3]
- “Quem semeia em arneiros, semeia moios, colhe quarteiros.“ [3]
- “Quem semeia em caminho, cansa os bois e perde o trigo.“ [3]
- “Quem semeia em restôlho, chora com um olho; e eu, que não semeei, com dois olhos chorarei.“ [3]
- “Semeia cedo, colhe tardio, colherás pão e vinho.“ [3]
- “Semeia e cria, terás alegria.“ [3]
0
Terminamos, citando ainda António Delicado:
0
- “A quem vella, tudo se lhe revela.” [3]
0
Hernâni Matos

[1] - SANTOS, Victor. Cancioneiro Alentejano – Poesia Popular. Livraria Portugal, Lisboa, 1959.
[2] - PIRES, A. Thomaz. Cantos Populares Portugueses, vol. IV. Typographia e Stereotypia Progresso. Elvas, 1910.
[3] – DELICADO, António. Adagios portuguezes reduzidos a lugares communs / pello lecenciado Antonio Delicado, Prior da Parrochial Igreja de Nossa Senhora da charidade, termo da cidade de Euora. Officina de Domingos Lopes Rosa. Lisboa, 1651.
[4] - 21 de Setembro.
[5] - 15 de Março.
[6] - 4 de Outubro.
[7] - 20 0utubro.