quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Bonecos de Estremoz foram a Fátima


Mulher a passar a ferro (2013).
Jorge da Conceição (1963- ).
Colecção particular.

Fátima, altar do mundo e local supremo de peregrinação mariana, acolheu de braços abertos, os bonecos de Estremoz. Com efeito, numa organização da Paróquia de Fátima, a exposição “Raízes”, de Jorge da Conceição, está patente ao público desde 24 de Julho a 25 de Setembro, no Centro Paroquial de Fátima, junto à Igreja Matriz.
O certame mostra não só trabalhos de Jorge da Conceição, como dos seus avós, Mariano da Conceição (1903-1959) e Liberdade da Conceição (1913-1990), bem como da sua mãe, Luísa da Conceição (1934-2015). As mais de 300 peças expostas, são das temáticas mais diversas: presépios, imagens de Santos, de Nossa Senhora e da vida e paixão de Cristo, assim como figuras alegóricas, ofícios rurais e tradicionais, quotidiano doméstico e figuras contemporâneas. O conjunto apresentado, além de constituir uma extraordinária mostra de divulgação da arte bonequeira e do ambiente artístico em que o barrista nasceu e cresceu, permite ainda ficar a conhecer o estilo próprio de cada membro do clã Conceição, que com Jorge já vai na 3ª geração.
Esta peregrinação dos bonecos de Estremoz a Fátima, é mais um passo e simultaneamente um marco importante, no reforço da candidatura da ”Produção de Figurado em Barro de Estremoz", a Património Cultural Imaterial da Humanidade.
De acordo com estatísticas do Santuário de Fátima relativas a 2015, o número médio mensal de peregrinos em Fátima, é de cerca de 50.000 pessoas, o que leva a admitir que no decurso dos 2 meses da exposição, esta possa ser visitada e usufruída por cerca de 100 mil pessoas, que deleitadas com a excelência do que lhes foi dado ver, serão os melhores embaixadores da nossa barrística, aquém e além fronteiras.
Melhor do que isto, só a Exposição do Mundo Português, realizada em Lisboa em 1940 e que durante cerca de 5 meses, acolheu à volta de 3 milhões de visitantes, o que significa que os bonecos de Estremoz de Ana das Peles [Ana Rita da Silva (1870-1945)] e de Mariano da Conceição (1903-1959) ali presentes, foram visualizados por cerca de 600 mil pessoas por mês, o que constitui um pico de visibilidade, não ultrapassado desde então.
A divulgação da nossa barrística em Fátima, cidade do Oeste, alvo de fluxos peregrinos e cujo orago é Nossa Senhora dos Prazeres, é um bom augúrio para a vitória da candidatura da ”Produção de Figurado em Barro de Estremoz", a Património Cultural Imaterial da Humanidade. Acredito no seu êxito em Novembro de 2017, contra os agouros de alguns profetas da desgraça, que ainda campeiam entre nós e que por motivos que ultrapassam a candidatura, estão apostados na sua derrota.
Hernâni Matos

Jorge da Conceição no seu atelier.