sábado, 25 de junho de 2016

O rei vai nu!



Há por aí ditadores inchados, servidos por um séquito de serventuários de conveniência, instalados estrategicamente onde lhes dá jeito ter o cu. Uns e outros, julgam-se erradamente os donos disto tudo.
São tiranetes de pacotilha, nesta ópera bufa em que envergando o traje de mandarins, pensam que aos demais apenas compete a genuflexão, a vénia e o amem. Daí que erroneamente entendam usufruir do privilégio da arrogância, a qual é desprovida de qualquer sentido, no momento em que o barco começa a ir ao fundo.
Trata-se de uma atitude de desespero que alguns teimam em continuar a não querer ver, quando se torna impossível esconder que o rei via nu.


Hernâni Matos