sexta-feira, 17 de setembro de 2010

32 - São Pedro, Pescador, Apóstolo, Porteiro do Céu, 1º Bispo de Roma, 1º Papa e Mártir.


 
São Pedro.
Liberdade da Conceição (1913-1990).
Colecção particular.


São Pedro (ca.1 a.C - 67 d.C.) nasceu na povoação de Betsaida na Palestina e foi morar mais tarde para a cidade de Cafarnaum. Era filho de um homem chamado João e irmão do igualmente apóstolo André. Ambos eram armadores com frota de barcos própria, em sociedade com Tiago, João e o pai destes, Zebedeu.
São Pedro conheceu Jesus quando este lhe pediu para utilizar uma das suas barcas, para poder pregar à multidão que o queria escutar. Pedro anuiu e afastou a barca um pouco da margem. No final da pregação, Jesus aconselhou-o a pescar em águas mais profundas. Foi tão bem sucedido que as redes iam rebentando. Numa atitude de humildade e surpresa, Pedro ajoelhou perante Jesus, a quem disse para se afastar dele, já que era um pecador. Jesus incentivou-o, então, a segui-lo, dizendo que o tornaria "pescador de homens".
São Pedro foi um dos 12 apóstolos e por Jesus Cristo indigitado para os guiar. Discípulo de Jesus, resolve fugir na altura da prisão do Mestre. Ao regressar ao Pretório para saber notícias, é confrontado e renega, então, três vezes Jesus Cristo, que lhe havia vaticinado a sua traição.
Em Antioquia, onde fundou a primeira igreja, é preso entre 41 e  43 d.C. por ordem de Herodes Agripa I (c.10 a.C. - 44 d.C.), acabando por ser libertado por um anjo. Segue depois para Roma (ano 43 d.c.), cidade de que foi o primeiro Bispo e o primeiro Papa e onde foi crucificado no ano 64, de cabeça para baixo, a seu pedido, pois, conforme disse, “Não merecia ser tratado como o seu Divino Mestre”.
São Pedro é tido como autor de duas epístolas, dois dos 27 livros do Novo Testamento.
Iconograficamente São Pedro é representado como homem robusto, de meia-idade, de barba curta, vestido de apóstolo ou de papa. Múltiplos são os seus atributos: as chaves do Céu, em número de uma, duas ou três (que Cristo lhe terá confiado, dizendo: “Dar-te-ei a chave do Reino dos Céus: àqueles a que tu as abrires, as portas franquear-se-ão, e àqueles a quem as cerrares, ser-lhes-ão cerradas); a barca e o peixe (alusão ao seu mester de pescador); o galo sobre uma coluna (a lembrar a sua traição a Cristo: “Antes que o galo cante me negarás três vezes”); as cadeias (referência à sua prisão em Antioquia e Roma); a cruz de três ramos (atributo dos Papas), a cruz invertida (símbolo do seu martírio) e um livro (é um dos autores do Novo Testamento).
São Pedro é Padroeiro de Papas e pescadores. A sua festa litúrgica ocorre a 29 de Junho. Os festejos populares de São Pedro, ocorrem de 28 para 29 de Junho, são diversificados e atingem especial brilhantismo em Alverca do Ribatejo, Câmara de Lobos, Montijo, Nisa, Póvoa de Varzim, Ribeira Brava, Ribeira Grande, Ribeira Seca, São Pedro do Campo, Teixoso e Viana do Castelo.
São Pedro integra a nossa literatura de tradição oral. A nível de adagiário destacamos: “Até ao São Pedro, o vinho tem medo.”, “Até São Pedro, abre rego e fecha rego.”, “Bem está São Pedro em Roma.”, “Chuva de São Pedro, faz acordar cedo.”, “Dia de São Pedro tapa o rego.”, “Dia de São Pedro, vê teu olivedo e se vires um bago, espera por cento.”, “Pelo S. João, figo na mão, pelo S. Pedro, figo preto.” São abundantes as referências ao Santo no cancioneiro popular alentejano. Dele destacamos duas quadras. Uma brejeira: “Se S. Pedro não me casa/ N'este domingo de festa,/ Hei de me ir á sua egreja,/ Hei de lhe chamar careca.” Outra que reflecte as tradições agro-pastoris: “S. João e mais S. Pedro/ São dois santos mudadores,/ S. João muda os criados,/ S. Pedro muda os pastores.”