terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Um novo rumo para o país

As Promessas (1993).
José Malhoa (1855-1933).
Óleo sobre tela (59 cm x 72 cm).
Museu José Malhoa, Caldas da Rainha.


A minha postura
Aposentei-me da Escola Secundária da Rainha Santa Isabel há seis anos, tal como entrei trinta e seis anos antes: de cabeça erguida. Atingi o topo da carreira, na qual nunca fui um actor passivo, tendo pelo contrário, sido sempre interveniente e procurando dar resposta aos desafios que me eram colocados em cada instante, muitas vezes para além daquilo que seria humanamente expectável. É certo que saí mais velho, mas também mais sábio, pela valorização profissional ali adquirida, pela partilha de saberes com os restantes membros da comunidade escolar e pelas pontes inter-disciplinares concretizadas com colegas doutras áreas.
Saí feliz, pelo contributo pessoal e desinteressado à formação pessoal de jovens, que vi crescer nos múltiplos aspectos do seu “eu” e que são hoje, homens e mulheres de corpo inteiro, que pela sua motivação e capacidade de realização, alcançaram êxito nas actividades profissionais em que se empenharam e singraram.
O estatuto de professor
Quando ingressei na Escola em 1972, o Professor era uma figura prestigiada, tal como o Padre ou o Médico. Destes todos, só resiste actualmente a figura do Padre e não serão todos. A figura do Professor vale menos que um chinelo velho, graças ao tratamento de polé a que tem sido submetido pelos sucessivos governos dos partidos do arco da governação.
O estatuto de aposentado
Durante 36 anos descontei para a Caixa Geral de Aposentações, cumprindo as regras em vigor, visando o retorno, quando saísse do activo. Foi dinheiro vivo, que me saiu do corpo, que é património meu e que descontei durante 36 anos seguidos, para mais tarde o vir a receber. Pelo menos, era aquilo que era tido como certo. Todavia, sucessivos governos dos partidos do arco da governação, administraram mal os dinheiros públicos, umas vezes duma forma irresponsável caracterizada pelo despesismo e doutras vezes, até mesmo duma forma criminosa. Por isso, nós os aposentados, estamos a ser vítimas de cortes nas pensões e não queremos contribuir para tal saque. Pelo contrário, queremos que sejam responsabilizados e julgados os (ir)responsáveis dos partidos do arco da governação, culpados pelo estado das finanças públicas.
Entendemos, de resto, que é necessário um novo rumo para o país. Assim o exige a elevada taxa de desemprego, a desvalorização dos salários e pensões, a corrupção, a crise na Justiça, o avanço da exploração, o ataque à Escola Pública, à Administração Pública, à negociação colectiva, ao Serviço Nacional de Saúde e à Segurança Social.