terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Bonecos de Santo Aleixo

BONECOS DE SANTO ALEIXO

Os Bonecos de Santo Aleixo são títeres tradicionais do Alentejo, originários da aldeia homónima, manipulados por rurais e que outrora percorriam o Alto Alentejo, apresentando os seus espectáculos em herdades, feiras e povoados.
São marionetas de varão, de vinte a quarenta centímetros, manipuladas por cima. Actuam num pequeno palco de madeira com cenários pintados em cartão. O palco dispõe de uma rede dupla de cordéis, colocada verticalmente entre os bonecos e o público. A iluminação é obtida através de candeias de azeite e o acompanhamento musical é feito por uma guitarra portuguesa.
O repertório engloba peças de tradição oral e de teor religioso, assim em como textos da chamada literatura de cordel. Os seus personagens são o Padre Chancas (representante da autoridade eclesiástica) e o Mestre-sala (o mestre de cerimónias que tem uma moca, com a qual castiga ou abraça o Padre, enquanto o mesmo prega.
Existem registos da sua existência já no século XVIII, como refere o Padre Joaquim da Rosa Espanca in “Memorias de Vila Viçosa”, onde relata que em 1798. o Padre Vicente Pedro da Rosa mandara apreender e queimar, defronte da sua casa, uns títeres “a que chamavam de Santo Aleixo e em que figurava desonesta e vilmente um Padre Chanca”.
Em meados do século XIX, foram “reelaborados” os seus textos por um certo Nepomuceno, guarda de herdades e natural de Santo Aleixo. O espectáculo dos bonecos foi mantido posteriormente durante várias décadas por Ti Manel Jaleca, cuja mulher os herdara e seguidamente durante cerca de três décadas por Manuel Talhinhas, camponês com grande poder de improvisação e cantador. Em 1967 conheceram grande divulgação graças à acção de Michel Giacometti e Henrique Delgado. Os bonecos foram adquiridos em 1978 pela Assembleia Distrital de Évora, são propriedade do CENDREV de Évora e estão expostos no Teatro Garcia Resende, nesta cidade. Actores profissionais garantem a permanência do espectáculo, utilizando réplicas, reproduzidas por Joaquim Carriço Rolo, artesão da aldeia da Glória, no concelho de Estremoz.
O repertório dos Bonecos de Santo Aleixo é vasto e inclui as peças: 
- Aldonso e Doroteia 
- Auto da Criação do Mundo 
- Auto do Nascimento do Menino 
- Baile das Cantarinhas 
- Baile dos Anjinhos 
- Baile dos Cágados 
- Confissão da Beata 
- Confissão do Mestre Salas 
- Contradança
- Disputa entre o Sol e a Lua 
- Fado do Senhor Paulo d’Afonseca e da Menina Vergininha 
- Filomena e Zeferino 
- O Lará 
- Os Martírios do Senhor (Auto da Paixão) 
- Passo do Barbeiro 
- Saiadas (bailinho) 
- Sermão do Padre Chancas 
A fama dos Bonecos de Santo Aleixo transvazou o nosso país, uma vez que têm participado em certames internacionais, um pouco por todo o lado: Alemanha, Bélgica, Brasil, China, Espanha, França, Grécia, Holanda, Índia, Inglaterra, Macau, México, Moçambique, Rússia e Tailândia.
Os Bonecos de Santo Aleixo são anfitriões da Bienal Internacional de Marionetas de Évora – BIME que se realiza desde 1987.
Graças à acção do CENDREV está assegurado a continuidade dos Bonecos de Santo Aleixo como forma de expressão artística genuinamente alentejana.




BONECOS DE SANTO ALEIXO - 1 (De CENDREV)

BONECOS DE SANTO ALEIXO - 2 (De CENDREV)


BONECOS DE SANTO ALEIXO SÃO ANFITRIÕES DA BIENAL DE MARIONETAS DE ÉVORA  (De LUÍS GARCIA)