quarta-feira, 26 de junho de 2013

SANTO ANTÓNIO NA TRADIÇÃO POPULAR ESTREMOCENSE (Conferência no Museu Municipal de Estremoz)

Fig. 1 - Santo António (séc. XVIII). Oficinas de Estremoz.
Colecção Júlio Reis Pereira. Museu Municipal de Estremoz.


“Santo António na Tradição Popular Estremocense” foi o tema da conferência proferida pelo professor Hernâni Matos, no passado sábado, dia 22 de Junho, pelas 17 horas, no Museu Municipal de Estremoz. A dissertação, à qual assistiram mais de duas dezenas de pessoas, foi acompanhada de projecções multimédia (Fig. 2).
O orador começou por fazer uma súmula da vida de Santo António, afirmando seguidamente que o culto do Santo foi incentivado em Estremoz pelos religiosos da ordem de S. Francisco de Assis, sediados no Convento de S. Francisco (Fig. 3), desde os primórdios da sua construção no século XIII, em data imprecisa, balizada pelos reinados de D. Sancho II – D. Afonso III (1239-1255). Sublinhou também que a circunstância de o dia festivo de Santo António (13 de Junho) coincidir com as festas do Solstício de Verão, faz com que seja celebrado em Portugal como um dos santos mais populares. Daí que nas décadas de quarenta e cinquenta do século passado, houvesse arraiais decorados com mastros e tronos de Santo António no Largo do Almeida, nas traseiras da Igreja de Santo André, no largo General Graça e no Pátio dos Solares, na noite de 12 para 13 de Junho. Houve também a tradição das Marchas Populares, as primeiras das quais tiveram lugar em Estremoz na noite de Santo António em 1948, numa organização da Banda Municipal, tendo as marchas desfilado desde o Pelourinho até à Esplanada Parque, onde se exibiram. Apresentaram-se a concurso quatro marchas: do Outeiro, da Escola Industrial e Comercial de Estremoz, do Castelo e de Santa Catarina. Uma das marchas vencedoras foi a Marcha do Outeiro (Fig. 4), do tradicional bairro dos oleiros e bonequeiras, que tinha música de João Manaças e letra de Luís Rui (Fig. 5), pseudónimo literário de Joaquim Vermelho, posteriormente estudioso da nossa barrística popular.
Continuando, o conferencista concluiu que a popularidade do culto antoniano levou o povo a recriar pequenos altares nas suas casas e a ter o Santo exposto em oratórios. A procura de imagens estará na origem do aparecimento da figura de Santo António na barrística popular estremocense. Como fontes de inspiração possível apontou: - A imagem seiscentista de Santo António em lenho dourado, do altar homónimo do Convento de São Francisco em Estremoz, situado no lado esquerdo da Capela Maior e referenciada nas Memórias Paroquiais de 1758 (Fig. 6); - A Imagem seiscentista de Santo António em mármore branco existente no nicho da parte superior das Portas de Santo António, em Estremoz (Fig. 7).
Na sequência da sua exposição, o prelector deu conhecimento que no acervo do Museu Municipal de Estremoz existem imagens que vão desde o século XVIII até à actualidade e com dimensões e atributos variáveis, tendo passado em revista algumas dessas imagens, bem como outras pertencentes a colecções particulares (Fig. 8 a Fig. 17).
A finalizar a sua dissertação, o discursante concluiu ser vasta a literatura de tradição oral portuguesa referente a Santo António, debruçando-se ali sobre o adagiário, tradições e superstições populares, orações populares (encomendações e responsos) e cancioneiro popular alentejano, reveladores da religiosidade própria do homem alentejano, em consonância com a sua própria identidade cultural. Já no fim, congratulou-se com a candidatura dos bonecos de Estremoz a Património Imaterial da Humanidade.
A sessão terminou com um debate com a assistência.

Fig. 2 - Um aspecto da assistência à conferência.
Fig. 3 - Convento de São Francisco em Estremoz, nos finais do séc. XIX.
Fotografia do Arquivo Hernâni Matos. 
Fig. 4 - Marcha do Outeiro, vencedora do concurso de Marchas Populares de Estremoz, em 1948. 
Fotografia cedida pela Biblioteca Municipal de Estremoz / Arquivo Fotográfico.
Fig. 5 – Letra da Marcha do Outeiro (1948),
da autoria de Luís Rui, pseudónimo literário
de Joaquim Vermelho (1927-2002). 
Fig. 6 - Santo António. Imagem seiscentista em lenho dourado,
do altar homónimo do Convento de São Francisco em Estremoz,
 situado no lado esquerdo da Capela Maior e referenciada nas
Memórias Paroquiais de 1758. 
Fig. 7 - Santo António. Imagem seiscentista em mármore branco, existente
no nicho da parte superior das Portas de Santo António, em Estremoz. 
Fig. 8 - Santo António (séc. XVIII). Oficinas de Estremoz.
Colecção Júlio Reis Pereira. Museu Municipal de Estremoz. 
Fig. 9 - Santo António (séc. XIX). Oficinas de Estremoz.
Colecção Júlio Reis Pereira. Museu Municipal de Estremoz. 
Fig. 10 - Santo António (séc. XX). Mariano da Conceição.
Colecção Museu Rural de Estremoz 
Fig. 11 - Santo António (séc. XX). Sabina Santos.
Colecção Sabina Santos. Museu Municipal de Estremoz. 
Fig. 12 - Santo António (séc. XX). José Moreira.
Colecção Museu Municipal de Estremoz. 
Fig. 13 - Santo António (séc. XX). Liberdade da Conceição.
Colecção Hernâni Matos. 
Fig. 14 - Santo António (séc. XX). Quirina Marmelo.
Colecção Irmãs Flores. 
Fig. 15 - Santo António (séc. XX-XXI). Luísa da Conceição.
Colecção Luísa da Conceição. 
Fig. 16 - Santo António (séc. XX-XXI). Irmãs Flores.
Colecção Museu Municipal de Estremoz. 
Fig. 17 - Santo António (séc. XXI). Ricardo Fonseca.
Colecção Hernâni Matos.