segunda-feira, 18 de março de 2013

A Páscoa no adagiário português


Calvário (Primeiro quartel do século XVIII).
Painel de azulejos, fabrico de Lisboa.
Arquidiocese de Évora.

Na “Páscoa” os cristãos celebram a Ressurreição de Jesus Cristo depois da sua morte por crucificação, que ocorreu na “Sexta-Feira Santa” (sexta-feira antes do Domingo de Páscoa), data em que é evocado o julgamento, paixão, crucificação, morte e sepultura de Jesus, através de diversos cerimónias religiosas.
O período de quarenta dias que antecipam o Domingo de Páscoa é conhecido por “Quaresma”. Esta começa na quarta-feira de cinzas (quarta-feira a seguir à terça-feira de Carnaval) e termina na chamada “Quinta-Feira Santa”, data da celebração da última ceia de Jesus Cristo com os doze apóstolos. Após a Quaresma, inicia-se o chamado “Tríduo Pascal”, que finda no “Domingo de Páscoa”. Este é precedido por um domingo conhecido por “Ramos” e sucedido por um domingo conhecido por “Pascoela”.
É diversificado o adagiário português, onde é utilizada explicitamente a palavra “Páscoa”. Há adágios que têm a ver com a contagem do tempo:
- Do Carnaval à Páscoa vão sete semanas.
- Da Páscoa à Assunção, quarenta dias vão.
- Ana, Bagana, Rabeca, Fuzana, Lázaro, Ramos, na Páscoa estamos.
- Lázaro, Ramos, na Páscoa estamos.
- Depois de Ramos, na Páscoa estamos.
A observação do céu levou a criação de adágios relativos à astrologia do tempo, como é o caso destes:
- Não há Cinzas sem Lua vazia, nem Páscoa sem Lua cheia.
- Não há Entrudo sem Lua Nova, nem Páscoa sem Lua Cheia.
Os adágios tecem, por vezes, considerações de natureza meteorológica:
- Carnaval em casa e Páscoa na praça.
- Carnaval na eira, Páscoa à lareira.
- Cinza molhada. Páscoa ombrejada.
- Entrudo borralheiro, Natal em casa, Páscoa na praça.
- Entrudo borralheiro, Páscoa soalheira.
- Natal a assoalhar e Páscoa no mar.
- Natal a assoalhar, Páscoa ao luar.
- Natal à lareira: Páscoa na soalheira.
- Natal a soalhar, Páscoa à volta do lar.
- Natal ao lar. Páscoa a assoalhar.
- Natal ao Sol, Páscoa ao fogo, fazem o ano formoso.
- Natal em casa, Páscoa na praça.
- Natal em casa, Páscoa na praça; Natal na praça, Páscoa em casa.
- Natal em casa. Páscoa na rua.
- Natal em casa: Páscoa na praça.
- Natal na praça e Páscoa em casa.
- Natal na praça. Páscoa em casa, Espírito Santo em campo, faz o ano franco.
- Natal no lar e Páscoa em casa.
- No Natal à janela, na Páscoa à panela.
- Nos bons anos agrícolas, o Natal passa-se em casa e a Páscoa na rua.
- O Natal ao soalhar e a Páscoa ao lar.
- O Natal quer-se na praça, a Páscoa em casa.
- Para o ano ser bom, passar o Natal na rua e a Páscoa em casa.
- Por Natal ao jogo e por Páscoa ao fogo.
- Por Natal Sol e por Páscoa carvão.
- Páscoa a assoalhar: Natal atrás do lar.
- Quando pelo Natal vires verdejar, pela Páscoa à pedra do lar.
- Se a Páscoa é a assoalhar, é o Natal atrás do lar; Se a Páscoa é atrás do lar é o Natal a assoalhar.
- Se Natal é na praça a Páscoa é em casa.
- Se no Natal estás á janela, na Páscoa à volta da panela
- Se o Carnaval é na eira, a Páscoa é à lareira.
Alguns adágios têm a ver com o rendimento das colheitas:
- Os Ramos querem-se molhados.
- Páscoa e Pascoela em Abril, ditoso de quem a vir.
- Páscoa e Pascoela em Março, fome ou mortaço.
- Páscoa em Março, ano de mortaço.
- Páscoa em Março, faz o ano mortalaço.
- Páscoa em Março, fome no regaço.
- Páscoa em Março, muita fome ou mortaço.
- Páscoa em Março, ou fome ou cramaço.
- Páscoa em Março, ou fome ou mortaço.
- Páscoa molhada não dá boas nozes.
- Páscoas de longe desejadas, num dia são passadas.
- Páscoas passadas, moitas criadas.
- Quando a Páscoa cai em Março, ou muita fome ou mortalaço.
- Ramos molhados, anos melhorados.
- Ramos molhados, carros carregados.
- Ramos molhados, carros pesados.
- Ramos molhados, carros quebrados.
O adagiário, dá de resto, orientações relativas ao trabalho:
- Domingo de Ramos enxuga os teus panos, que o que vem, enxugará ou não.
- Na semana de Ramos enxuga os teus panos, que na semana maior ou choverá ou fará sol.
- Na semana de Ramos lava os teus panos, que na da Paixão lavarás ou não.
- Na semana de Ramos lava os teus panos, que na Ressurreição lavarás ou não.
- Na semana de Ramos lava os teus panos; na maior ou choverá ou fará sol.
- No Natal, fiar; no Entrudo, dobar; na Quaresma, tecer; e na Páscoa, coser.
Há de resto outros mais difíceis de sistematizar:
- A Quaresma é muito pequena para quem tem de pagar a Páscoa.
- A Páscoa à Ascensão ainda se dá do coração.
- De Ramos, só se aproveita mesmo o Domingo.
- Deus não se pôs na cruz por um só.
- Domingo da Ressurreição, carne no prato, farinha na mão.
- Judeus em Páscoas, mouros em bodas, cristãos em pleitos, gastam os seus dinheiros.
- Não é cada dia Páscoa nem vindima.
- Os Passos, para serem louvados, têm que ser molhados.
- Páscoa alta, chumbo na malta.
- Quando o Natal tem o seu pinhão, a Páscoa tem o seu tição.
- Sair a Páscoa à segunda-feira.




Hernâni Matos