quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

O "Nada" pode ser o "Tudo".

                                     Não acredito em nada. As minhas crenças
                                                 Voaram como voa a pomba mansa;
                                                 Pelo azul do ar. E assim fugiram
                                                 As minhas doces crenças de criança.

                                                    Florbela Espanca in Aos olhos dele.


Por vezes experimentamos um dia de “Nada”, como se o “Vazio” tivesse tomado conta de nós próprios. É um estado de Alma que nos pode consumir e submergir em remoinhos de pensamento que nos conduzem inexoravelmente em direcção às profundidades da escuridão. Todavia, também poderá colher a nossa repulsa, se formos capazes de emergir de tal estado, fruto da intrepidez do nosso querer.
O "Nada" pode ser o "Tudo". Só depende de nós próprios e da força anímica que nos permite dar o “Salto”. E quando sentirmos o "Tudo" bem arreigado no âmago das paredes da nossa “Alma Sideral”, nada nos poderá deter. As fronteiras frementes do Universo em expansão serão, porventura, o único limite físico à nossa acção. Nessa altura, Senhores de Nós Próprios, nada nos deterá, porque nada pode deter, nem o Espaço nem o Tempo, nem esta ânsia que nos vem de baixo, da Matriz Primordial da Terra-Mãe que nos pariu e que nos há-de consumir, porque essa é a essência das coisas que contam. É preciso morrer para renascer de novo. Foi Spartacus que disse na altura da morte:
- Voltarei e serei milhões.
Pela minha parte direi:
- Mulher, gosto de ti!