domingo, 25 de novembro de 2012

Mistérios da Lua


Ilustração de Shannon Stamey

Eu, puto de calções, já nas nuvens e “voyeur” inveterado, a tentar decifrar os mistérios da Lua.
O que seria isso de dizerem que eu quando “estava com a Lua” era insuportável?
E punham-me "arrelíquias" ao pescoço, nas quais se incluíam uma meia-lua, para além duma figa, dum cornicho e dum signo-saimão.
Talvez eu fosse insuportável por andar com a Lua ao pescoço.
Já viram qual era o peso, ainda que só fosse meia Lua?
Era esse peso todo, mais o peso da Tradição. Este foi um peso que sempre carreguei e que tem a ver com os registos armazenados na minha memória de elefante, bem guardada no baú das coisas "Do Tempo da Outra Senhora".
Quando me deu para blogar, digam-me lá qual era o nome que eu havia de pôr ao blogue?

(Post com origem num comentário meu no mural da página do Facebook da minha amiga Francisca de Matos)