domingo, 2 de setembro de 2012

Memórias do Tempo da Outra Senhora

Um aspecto parcial da vasta assistência presente na sessão de lançamento apresentação
do livro "MEMÓRIAS DO TEMPO DAS OUTRA SENHORA / ESTREMOZ-ALENTEJO".
Fotografia de Luís Mariano Guimarães.

O EVENTO EM SI

Pelas dezasseis horas de ontem, teve lugar na Igreja dos Congregados, em Estremoz, o lançamento e apresentação do meu livro “MEMÓRIAS DO TEMPO DA OUTRA SENHORA / ESTREMOZ-ALENTEJO.
Ao evento compareceram mais de 200 pessoas, o que é gratificante e a que não será estranho o facto de os assuntos abordados serem transversais a toda a sociedade local, que se revê no livro. É que eu escrevi sobre coisas do dia-a-dia, do tempo da outra senhora. Ali estão os meus afectos e os afectos de muitas pessoas ali presentes. A presença do sapateiro, do livreiro, da senhora do supermercado, do gerente bancário, do vendedor de automóveis, do empresário de sucesso, do médico, do vendedor "on line", do descarregador, de artesãos, de poetas populares, do homem do táxi, de professores, de antigos alunos, de companheiros de infância e juventude, de funcionários públicos, de aposentados, de simples donas de casa, do Pároco, do Comandante do Regimento, do Presidente da Assembleia Municipal, do Vice-presidente da Câmara, de 5 ex-Vereadores do Pelouro da Cultura da Câmara, são presenças que traduzem a transversalidade do livro. Foi ela que juntou amigos, homens e mulheres desta terra transtagana, com outros que vieram de longe, respondendo ao convite para estarem presentes.
O painel de apresentação do autor e do livro foi constituído por Fernando Mão de Ferro (da editora Colibri), Augusto Fitas, Hernâni Matos (autor), António Simões e Francisca Matos.
No decurso do evento, houve leitura de excertos a cargo de Adelaide Glória, Ana Mateus, Georgina Ferro, Fátima Crujo, Maria do Céu Pires e Odete Ramalho.
No local esteve ainda patente ao público uma interpretação das Irmãs Flores sobre as “Memórias do Tempo da Outra Senhora”. Tratou-se de uma Mostra  que através da linguagem, da técnica e dos materiais dos bonecos de Estremoz, procurou realizar uma sinestesia entre o barro e a escrita, ilustrando temas do livro.
No final, teve lugar nos claustros do Convento dos Congregados, uma “Degustação de sabores Alentejanos”, que contou com o patrocínio das empresas Selrest e Porta de Santa Catarina.
No final alguém disse:
- PIM! Nunca se viu uma coisa assim.

PALAVRAS DO AUTOR

Minhas Senhoras e meus Senhores:

Lá diz o rifão:
"Quem não tem que fazer, faz colheres"
O correspondente para um artesão das palavras como eu, será:
“Quem não tem que fazer, escreve”.
Todavia para mim, a escrita é um instrumento ao serviço da libertação do Homem. Libertação de tudo aquilo que o passado tem de mau e de perverso, mas retenção e exaltação de tudo aquilo que o passado teve de bom e positivo. É isso a decantação através da escrita.
Desde os longínquos tempos do bibe e do pião, que sou recolector de objectos materiais que fazem vibrar as tensas cordas de violino da minha alma. Por outro lado, o fascínio da ruralidade e o culto da tradição oral levam-me a procurar a companhia de pessoas simples do povo, camponeses, artesãos e poetas populares. Tendo eu a escrita na massa do sangue, é natural que tudo isso aflore nos meus textos.
No livro agora dado à estampa, entre outras, carpintejei crónicas do bando do Largo do Espírito Santo, onde nós os capitães da calçada à portuguesa, éramos reis e senhores.
Hoje, de cabelos brancos ou carecas, barrigudos ou mirrados nas carnes, com olheiras ou grossas lentes, somos no fundo da nossa alma, os mesmos meninos de bibe e de pião ou de talego de botões no bolso, que tínhamos que fugir à polícia quando com bola de trapos jogávamos na rua. E assim aprendemos a ser homens, correndo, correndo sempre, fugindo à adversidade e lutando por um mundo mais justo, mais solidário e mais fraterno, pois como diria o poeta Carlos de Oliveira pela voz de Manuel Freire:

Não há machado que corte a raiz ao pensamento
... porque é livre como o vento
porque é livre.”

Este livro faz parte dessa corrida. Eu, assumidamente um Fernão Lopes de trazer por casa, deixo este legado às gerações mais novas, para que possam fazer uma ideia do que era a vida nesta cidade noutros tempos. Nele há registos da nossa identidade que é importante transmitir. É que a força dum povo advém da sua identidade cultural, local, regional e nacional. E isso não há globalização que consiga apagar ou formatar, porque faz parte da nossa matriz ancestral.
Quero agradecer a todos os que me têm apoiado. Um homem nunca está só, a não ser no “Poema de um homem só”, de António Gedeão.
É certo que nem todos me apoiaram, mas com espírito cristão, agradeço-lhes na mesma, pois as dificuldades estimulam o engenho e dão-nos redobrado vigor. Parafraseando o bloguer brasileiro Nemo Nox, direi:

“Pedras no caminho? Eu guardo todas. Um dia vou construir um castelo.”

Quero agradecer em 1º lugar, ao Padre Fernando Afonso, que muito admiro pela obra social desenvolvida entre nós e a quem muito agradeço ter autorizado o lançamento e a apresentação do meu livro, num espaço de excelência, como é este magnífico auditório edificado num espaço que foi pertença do Convento da Congregação do Oratório de São Filipe Nery.
Trata-se de uma Ordem que apesar de deter uma pequena cota de importância quando comparada com o peso que tinha no ensino a Companhia de Jesus, revelou a particularidade de no século XVIII, o chamado século das luzes, ter propagado as novas ideias da Física, subjacentes à revolução científica iniciada por Copérnico e Galileu.
A Biblioteca do Convento que terá funcionado no espaço onde hoje funciona a Assembleia Municipal, era uma excelente biblioteca apetrechada com obras que chegaram até nós e que hoje pertencem ao acervo da nossa Biblioteca Municipal.
A presença dos homens do Oratório na nossa cidade, deixou de certo marcas positivas que ainda hoje estão por investigar e quantificar.
Sendo eu um homem da Física e também da Escrita, decerto perceberão o significado que terá para mim estar hoje aqui.

Em 2º lugar, quero agradecer às entidades oficiais que com a sua presença muito honraram e dignificaram o presente evento.

Em 3º lugar, a todas as pessoas aqui presentes, que com a sua comparência acarinharam este acto.

Em 4º lugar, à Fátima minha mulher e à Catarina minha filha, minhas primeiras leitoras e críticas, que com o seu amor me têm incentivado a prosseguir o caminho traçado.

Em 5º lugar, aos meus informantes José Letras e Mário Rato. Eles foram o prolongamento da minha memória de elefante. Com o auxílio do primeiro consegui dar uma visão quase fotográfica do mercado das hortaliças nos anos 60 do século passado. E o segundo, membro do consagrado conjunto Maryling, foi imprescindível na reconstituição daquilo que eram nessa época, os bailes das Sociedades. Com ele revisitei a autêntica epopeia que era nessa época, procurar encostar a calça à saia, mas sempre com as mães das meninas a fisgarem-nos com o olhar.

Em 6º lugar, à Adelaide Glória, minha colega e amiga de longa data, que pacientemente reviu o texto e foi minha inestimável conselheira.

Em 7º lugar, aos meus amigos Adriano Chouriço, Jorge Pereira, José Cartaxo, Manuel Gato e Mário Rato, que me facultaram fotografias suas.

Em 8º lugar, ao Poeta António Simões, meu companheiro e cúmplice de muitas iniciativas culturais. Ele é um monumento vivo desta cidade, que há muito me deu o privilégio da sua amizade e que muito me distinguiu ao prefaciar o livro agora dado à estampa.

Em 9º lugar, à Francisca Matos, igualmente minha companheira e cúmplice de muitas iniciativas culturais, mulher de escrita de rara sensibilidade, que igualmente há muito me concedeu o privilégio da sua amizade e que muito me honrou ao posfaciar o livro.

Em 10º lugar, ao Carlos Alves, o autor da capa. Foi ele o gráfico de serviço que procurou transmitir o que me vai na alma.

Em 11º lugar, ao Júlio Rebelo, meu companheiro de estrada, cúmplice e co-autor de eventos que localmente foram picos de actividade cultural ao mais elevado grau, desde os tempos do CENFORSEGA. Como Vereador do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Estremoz tem reservado um lugar muito especial no meu coração. Sempre acreditou nos meus projectos, entre eles o deste livro e foi ele que duma forma companheira me convidou para ir a sua casa, onde me apresentou ao editor.

Em 12º lugar, ao editor, Fernando Mão de Ferro da Colibri, a quem agradeço ter acreditado e apostado em mim, numa missão arriscada como é a edição de livros. Estou certo que terá motivos para não se arrepender. E é bom que assim seja, porque eu tenho mais projectos de edição em carteira.

Em 13º lugar ao Augusto Fitas, que pintou aqui o meu retrato. Ele é meu companheiro e amigo desde os bancos da Universidade. Juntos temos partilhado lutas, sonhos, vitórias e derrotas, pois a vida é tudo isso. Mas como eu costumo dizer, um homem nunca se rende, mesmo de fato e gravata.

Em 14º lugar a quem deu voz a textos meus: a Adelaide Glória, a Ana Mateus, o António Simões, a Fátima Crujo, a Francisca Matos, a Georgina Ferro, a Maria do Céu Pires e a Odete Ramalho.

Em 15º lugar, às Irmãs Flores, que há muito me dão o privilégio da sua amizade e que têm a paciência de me aturar. Em plenas canículas de Agosto, quando os outros vão para banhos, elas responderam ao desafio da minha loucura mansa: realizar uma sinestesia entre o barro e a escrita. E para gáudio nosso ela foi conseguida e está aqui patente para vosso julgamento neste magnífico auditório.

Em 16º lugar, aos estremocenses, aos meus amigos da Filatelia, do Facebook e aos seguidores do meu blogue, que com regularidade acompanham os meus escritos. É gratificante partilhar com eles os registos da memória, os sentimentos, as emoções, o resultado das pesquisas, as ideias, os projectos, os valores cívicos, morais e estéticos e, também as esperanças.

Em 17º lugar, aos meios de comunicação social que divulgaram este evento, muito em especial os locais, como a Rádio Despertar e os quinzenários Brados do Alentejo, Jornal E e ECOS on line.

Em 18º lugar, aos patrocinadores da DEGUSTAÇÃO DE SABORES ALENTEJANOS que no final deste evento, decorrerá aqui mesmo ao lado, nos Claustros do Convento dos Congregados. Os patrocinadores foram as empresas SELREST e PORTA DE SANTA CATARINA, de dois amigos e empresários de sucesso da nossa terra, respectivamente Francisco Arvana e José Poeiras.

Finalmente, palavras de agradecimento também, para a Câmara Municipal de Estremoz, que a vários níveis deu apoio à realização deste evento.

A todos o meu muito obrigado. Bem hajam!

Para todos vós, como é meu timbre, peço uma calorosa salva de palmas.

Hernâni Matos

Apresentação do livro por Fernando Mão de Ferro (editora Colibri).
Fotografia de Jorge Pereira.
Apresentação do autor por Augusto Fitas.
Fotografia de Jorge Pereira.
Apresentação da obra e leitura de excerto de O JOGO DO PIÂO por António Simões.
Fotografia de Catarina Matos. 
Apresentação da obra e leitura de excerto do MERCADO DAS VELHARIAS por Francisca Matos.
Fotografia de Catarina Matos. 
 Palavras de agradecimento por Hernâni Matos.
Fotografia de Catarina Matos.
Leitura do texto A BRINCAR SE CONSTRÓI A PERSONALIDADE por Georgina Ferro.
Fotografia de Catarina Matos. 
 Leitura de excertos de O CAVALINHO DE PAU por Odete Ramalho.
Fotografia de Catarina Matos.
Leitura de excertos de 100 ANOS DA SAPATARIA JOAQUIM MIGUEL por Adelaide Glória.
Fotografia de Catarina Matos.
Leitura de excertos de OS BAILES DAS SOCIEDADES por Ana Mateus.
Fotografia de Catarina Matos. 
Leitura de OS CHURRIÕES por Maria do Céu Pires.
Fotografia de Catarina Matos.
Leitura de SEXTA-FEIRA SANTA E ROCK AND ROLL por Fátima Crujo.
Fotografia de António Rodrigues.
Interpretação das Irmãs Flores sobre as “Memórias do Tempo da Outra Senhora”.
Sinestesia entre o barro e a escrita, ilustrando temas do livro.
Fotografia de António Rodrigues. 
O autor autor no decurso da sessão de autógrafos.
Fotografia de Luís Mariano Guimarães.