segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

O Avental

Traje maçónico com banda e avental (1840-50).
Museu Nacional do Traje, Lisboa.

São Bento tem andado ultimamente numa autêntica roda-viva. É que um verbo de conjugação supostamente discreta, adquiriu uma inesperada e gigantesca visibilidade quando começou a ser conjugado com frequência no Hemiciclo e nos Passos Perdidos:

Eu uso Avental
Tu usas Avental
Ele usa Avental
Nós usamos Avental
Vós usais Avental
Eles usam Avental

É que por ali impera o Avental como fatiota ritual de alguns membros dos partidos do arco da governação. Pelos vistos só o Bloco, o PC e os Verdes não querem nada com o Avental.
Parafraseando o adagiário português há já quem proclame: “Diz-me se usas ou não Avental, dir-te-ei quem és.” Outros vão ao ponto de congeminar: “Será que o Presidente da República usa Avental?”
Cá em casa posso-vos assegurar que ninguém usa Avental, a começar pela minha mulher e pela minha filha, mesmo quando cozinham. Quanto a mim e apesar de ter sido convidado a usar Avental, declinei elegantemente o convite. É que a liberdade de consciência e de determinação que usufruo como Franco-Atirador, não são compatíveis com as amarras que manietam aqueles que por aconchego vivem à sombra tutelar da Acácia. As Claridades do Sul querem-me livre como o vento Suão. Daí que não me motivem as fatiotas rituais.


Traje maçónico com banda e avental (1840-50).
Museu Nacional do Traje, Lisboa. 
 Avental maçónico (1840-50).
Museu Nacional do Traje, Lisboa.
Avental maçónico (2ª metade do séc. XIX).
Museu Nacional do Traje, Lisboa.