segunda-feira, 3 de outubro de 2016

A origem, a continuidade e o fim aparente das coisas


A Paixão da Criação (1880),
Leonid Pasternak (1862-1945).


A origem
A água que brota das nascentes.
A lava que irrompe dos vulcões.
Os raios que faíscam dos céus.
As sementes que começam a germinarem.
O choro das crianças que nascem.

A continuidade
A chuva que tomba das nuvens.
Os rios que correm para o mar.
As ondas que rebentam nas praias.
O sol que brilha nos céus.
A luz que se reflecte nas águas.
A vegetação que cresce nos prados.
O ondular das searas nos campos.
As aves que cruzam os céus.
Os coelhos que saltitam nas matas.

O fim aparente
O sol que se põe no horizonte.
O vento que cessa de soprar.
A chuva que pára de cair.
A caruma que seca nos pinhais.
As casas que ruem de velhas.
O amor que seca nos corpos.
Os moribundos que se finam.
O sangue que gela nas veias.
O texto que chega ao fim.
Hernâni Matos