sexta-feira, 1 de abril de 2016

Estremoz vai ter Metro



A Câmara Municipal de Estremoz vai vender os terrenos da “Mármores Batanete” a um consórcio luso-chinês. A decisão foi aprovada por maioria numa reunião extraordinária do executivo municipal, com os votos contra da oposição socialista.
A iniciativa foi tornada pública numa conferência de imprensa realizada pelo Presidente da edilidade Luís Mourinha, após o término daquela reunião, na qual tornou público o que esteve na origem da decisão. É que com a retoma da ligação ferroviária no ramal Estremoz-Évora, impunha-se a construção de um linha de metro de profundidade entre o princípio e o fim da Avenida Rainha Santa Isabel, que como é sabido foi construída no percurso da anterior linha de caminho de ferro. A decisão visa ainda recapitalizar o Município, que assim se pode abalançar a novas obras de grande envergadura.
Os capitais da futura empresa “Metro de Estremoz” são luso-chineses, contando com a participação pela parte portuguesa dos supermercados “Pingo Doce”, de Jerónimo Martins, que assim facilitarão a chegada de mercadorias, mesmo ali ao pé da porta, o que se traduzirá numa diminuição de custos, importante em termos de concorrência. A participação chinesa é assegurada pela EDP, que assumirá o integral fornecimento de energia às obras, bem como a utilização de mão-de-obra de baixo custo.
Segundo fomos informados, toda a maquinaria e equipamentos para as obras vão ser produzidos localmente na Fundição Pirra e na Gancho, Lda., que para o efeito vão ser reactivadas.
A realização das obras e o funcionamento do metro irão causar no local, um aumento do nível de ruído, mas está assegurado que não haverá reclamações nem protestos, uma vez que os moradores mais próximos, são os defuntos do cemitério municipal. Aqui, o Convento de Santo António, desactivado desde a 1ª República e propriedade do município, vai ter serventia como estação de metro, o que constituirá uma joint venture do município com a empresa luso-chinesa, exploradora daquele meio de transporte.
A decisão do município carece de autorização da Assembleia Municipal, mas está previamente assegurada pelo MIETZ que elegeu a actual maioria municipal, bem como por alguns Presidentes de Junta de Freguesia, que inexplicavelmente no decurso de algumas votações, não se encontram presentes na sala das sessões.
Com a entrada em funcionamento do metro de Estremoz, a chamada cidade branca fica ao nível das maiores capitais europeias. Assim, Estremoz tem mais encanto.  
Em círculos geralmente bem informados, existe a convicção de que na sua próxima viagem ao Alentejo, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, não deixará de visitar Estremoz para felicitar Luís Mourinha pela iniciativa e visitar a SEL – Salsicharia Estremocense, Lda., empresa de sucesso, seguindo-se um périplo pelas adegas do concelho, não só para desembuchar, como para acarinhar a excelência dos vinhos da região.
Aguarda-se a todo o momento a saída de um comunicado de imprensa da oposição socialista, a quem o Presidente da edilidade Luís Mourinha, promete derrotar mais uma vez no próximo pleito eleitoral.