quinta-feira, 24 de março de 2016

Auto da calçada reposta


Place d'Anvers, Paris (1880).
Federico Zandomeneghi (1841-1917).
Óleo sobre tela (100 x 135 cm).
Galleria d'Arte Moderna Ricci Oddi, Piacenza.

Na nossa urbe transtagana, a rua da Paróquia continua a dar que falar. Desta feita, pelos melhores motivos, já que por ali apareceram os calceteiros da Regedoria, acompanhados do seu ferramental, bem como de uma carrada de pedra e outra de areão. Apareceram logo de manhã e a notícia espalhou-se como um rastilho. Disso se encarregou Mofina, que não escondendo a sua satisfação, sempre aproveitou para mais um remoque ao Regedor:
- Já não era sem tempo. Há mais de um ano que a calçada estava despedrada e com covas de meter respeito. Eu que o diga.
 Ao fim de algum tempo, formou-se uma pequena multidão a ver trabalhar os calceteiros, que sentindo-se protagonistas daquele momento, desancavam a pedra com redobrado ímpeto.
Fernão aproveita a ocasião para dizer:
- Tudo leva a crer que se não fosse a petição entregue ao Regedor e que todos nós assinámos, ainda não era desta.
E acrescenta:
- A resolução do problema que nos atormentava, deve-se muito ao vizinho Vasco, que foi quem teve a ideia da petição e tratou de recolher as assinaturas.
É a altura de Mofina intervir, bradando:
- Viva o vizinho Vasco. Viva!
Pilérias acha que é uma boa altura para colher louros para o regedor, pelo que sem ter seguidores, clama:
- Regedor amigo, a gente está contigo!
Mofina dá-lhe então um safanão e diz-lhe que lhe prega um tabefe, se ele não se calar. Depois e com o apoio geral, grita:
- A arraia unida, jamais será vencida!
À excepção de Pilérias, todos aplaudem e bramam:
- Vasco! Vasco! Vasco!
Este é levantado em ombros e por proposta do Sargento Patacão, que mereceu a aprovação geral, como era hora de molhar o bico, foram todos comemorar à do Jorge Estalajadeiro. Para tal, o Tiras carniceiro teve que fechar o talho e os do Milenas foram à vez. Quando lá chegaram já tinham à espera o Zé Tretas e o marido da Júlia florista, os quais andam sempre por ali. Os calceteiros, coitados, é que ficaram a seco, para não serem apanhados pelos olhos e ouvidos do Regedor. Vale mais prevenir que remediar.
EPÍLOGO
Qualquer semelhança com a realidade local é mera coincidência, visto que o auto reflecte uma realidade de há duzentos anos atrás.