quarta-feira, 13 de março de 2013

Púcaros de barro de Estremoz

As Meninas (1656-57). Óleo sobre tela (318 x 276 cm), de Diego Velázquez (1599-1660),
 patente ao público no Museu do Prado, Madrid. A menina Maria Agustina Sarmiento
oferece um púcaro de barro vermelho de Estremoz, à princesa Margarida de Áustria.



Os púcaros de barro de Estremoz foram ao longo dos tempos, fonte de inspiração para autores alentejanos, tanto eruditos como populares. Assim, a nível de poesia erudita, o poeta, historiador, ensaísta, polemista, doutrinador e político monfortense António Sardinha (1) (1887-1925), é autor do poema:



O ELOGIO DO PÚCARO

Tu és a minha companha,
eu tenho-te á cabeceira
ó pucarinho de barro,
enfeite da cantareira.

Amigo certo e sabido,
matas a sede e o calor.
Tu vales mais do que pesas,
não se te paga o valor!

Meu bocadinho de barro,
chiando como um cortiço,
tu dás-te com toda a gente,
não te deshonras por isso!

Prantas a agua fresquinha,
sem ti não passa ninguem.
Mimo de reis e de bispos,
não custas mais que um vintem!

Assim, singelo e sem pompa,
ganhaste fama a Estremoz.
Ah, desgraçado daquele
que nunca a bôca te pôs!

És a cubiça das velhas,
contigo se enche um mercado.
Então a vista que metes,
quando tu és empedrado?!



Quero casar-me. Já tenho
dois pucarinhos pequenos.
Pois, p'ra principio de arranjo,
outros começam com menos!

- Amor, se fôres á feira
traz-me uma prenda galante.
Não tragas nada do ourives,
- um pucarinho é bastante!



Vae alta a febre, vae alta,
- p'ra que é que os médicos são?
Ó pucarinho de barro,
acode a esse febrão!

Eu nunca vi neste mundo,
que é gastador e que é louco,
coisa que tanto valesse,
mas que custasse tão pouco!



Assim, singelo e sem pompa,
tu déste fama a Estremoz!
- Ah, desgraçado daquele
que nunca á bôca te pôs!



Em termos de poesia erudita, é de referir também, de Maria de Santa Isabel (2),(3), o soneto:



PUCARINHOS DE BARRO

Pucarinhos de barro, quem me dera
Sentir, na minha boca, essa frescura
Da vossa água perfumada e pura,
Que me trás o sabor da primavera!



Quanta boca ansiosa vos procura,
Num símbolo de crença e de quiméra:
Simples imagem viva, bem sincera,
Dum mundo de ilusões e de ternura!

Meus santos pucarinhos, milagrosos,
Cumprindo as gratas obras do Senhor,
Dando a beber aos lábios sequiosos:



Minha boca vos beija com fervor,
Como se, noutros tempos luminosos,
Beijasse ainda o meu primeiro amor!



Também o cancioneiro popular alentejano exalta a excelência do púcaro:


Púcaro tão delicado
Que água tão saborosa!
Quem na bebe, é um cravo,
Quem na basa, é uma rosa. (4)



Dava-se água pelo púcaro, o que não era privilégio de todos:



Senhora, que a todos daes
Agua por púcaro novo,
Só a mim é que deixaes
Desconsolado de todo. (5)



Havia quem implorasse água do púcaro:



“M’nina que estás à janella,
Co’ pucarinho na mão,
Dá-lhe volta, se tem agua
Réga-me este coração.” (5)



Termino as referências literárias aos púcaros de barro com um texto do médico, escritor, jornalista e político aljustrelense, Manuel de Brito Camacho (1862-1934). Trata-se de um excerto do conto “O Romana” (6). Nele, o autor evoca a ida na sua juventude a uma feira, onde na secção de loiças:
“Iam-se-me os olhos nos pucarinhos de Estremoz, com incrustrações de pedras brancas, alguns com desenhos de fantasia, reproduzindo animaes duma fauna que se extinguiu m uito antes do diluvio universal. Por força que minha mãe havia de comprar-me um daqueles pucarinhos, e mais um barrelinho para ter agua fresca, no verão, e mais um galo com assobio, de grande crista vermelha, importando tudo bem regatiadinho, em quantia nunca inferior a doze vintens.”.