terça-feira, 24 de julho de 2012

A Greve dos Correios de 1920 em Estremoz

Fig. 1 - Bilhete-postal que durante a Greve dos Correios seguiu o trajecto
LISBOA-PORTALEGRE-ELVAS-ESTREMOZ.

1. INTRODUÇÃO
Em recente artigo (1), cuja leitura vivamente aconselhamos, o nosso estimado Amigo, Senhor Eng.º Armando Vieira, relata-nos um episódio da Greve dos Correios de 1920 (2), cuja história aí se reconhece está ainda por fazer. A finalizar o seu brilhante artigo sobre este interessante período da nossa História Postal, lança um apelo aos filatelistas para examinarem as correspondências circuladas em Março de 1920, pois a correspondência processada durante o período da Greve é portadora de curiosas marcas apostas por entidades que substituíram os grevistas.

2. MARCA "ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ELVAS"
Quis o Deus Acaso que num pequeno lote de correspondência que nos foi oferecida por mão amiga, viesse incluído um bilhete-postal (Fig. 1) processado durante o período da Greve.
O referido bilhete-postal (3) foi escrito por D. Maria do Carmo S. de Araujo, moradora na Calçada Marquês de Abrantes, 95-3º esqdº, em Lisboa, a sua amiga D. Lucrécia Rodrigues Fragoso, em Extremôz. Datado de 3 de Março de 1920 (1º dia da Greve dos Correios), foi expedido de Lisboa nesse dia, tendo recebido a flâmula obliterante então em uso na estação de Lisboa Central. A mensagem do bilhete-postal é a seguinte:

"Recebemos a sua estimada carta e as amostras.
Fomos a casa de sua Ex.ma Cunhada perguntar
por seu Ex.mo Marido e disseram-nos que já não
estava. E como veio a greve do c. de ferro, temos
estado à espera. Mas como hoje nos disseram que
seguia o correio por Portalegre, rogo-lhe a fineza
de dizer o que deseja que se faça.
Os nossos cumprimentos e creiam-nos sempre ao
seu dispor.
Sua amiga e muito obrigada
M.ª do Carmo S. de Araujo"

O bilhete-postal apresenta a marca de chegada a Estremoz (4) no dia 26 de Março de 1920, decorridos que são 23 dias sobre a sua expedição! Apresenta ainda duas marcas interessantíssimas. Uma delas, batida a azul-escuro, é da "ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ELVAS", entidade que substituiu os grevistas elvenses e que atesta o estranho itinerário seguido pelo bilhete-postal: LISBOA - PORTALEGRE - ELVAS - ESTREMOZ. A outra marca, batida a azul esverdeado, é de numerador e tem o número 10556. Pela diferença de cores entre estas duas marcas, estamos em crer que a Associação Comercial de Elvas não numerou a correspondência por si marcada e processada durante a Greve dos Correios. Inclinamo-nos mais para esse número ser um número de ordem da folha de cartolina na respectiva remessa à Casa da Moeda, local onde foi impresso o bilhete-postal.
Está ainda por investigar o modo como foi conduzida no trajecto LISBOA-PORTALEGRE-ELVAS-ESTREMOZ, a mala postal que transportava o bilhete-postal que vimos referindo. Não podemos esquecer que a rede de transporte e permuta de malas postais estava desorganizada, uma vez que também abrangia as Ambulâncias Postais Ferroviárias e que a greve dos Caminhos de Ferro foi agravada pela Greve dos Correios.

Fig. 2 - Não podendo seguir o trajecto usual: LISBOA - BARREIRO - VENDAS NOVAS -
- TORRE DA GADANHA - CASA BRANCA - ÉVORA - ESTREMOZ, o bilhete-postal seguiu
o trajecto: LISBOA – SETIL – ENTRONCAMENTO - ABRANTES - TORRE DAS VARGENS -
 PORTALEGRE - ELVAS. Em 1920 não existia o ramal PORTALEGRE - ESTREMOZ ,
que só foi inaugurado em 21-1-1949. Por outro lado nunca houve ligação ferroviária
entre ELVAS e ESTREMOZ, pelo que entre estas duas últimas localidades,
o bilhete-postal terá tido outro meio de transporte que não o Caminho de Ferro.
Transporte Militar? Transportado pela Guarda Nacional Republicana?
Transportado por recovagem ou por um particular? Não sabemos.

Fazendo fé na mensagem do bilhete-postal, sabemos que ele seguiu no combóio Lisboa-Portalegre no primeiro dia da Greve dos Correios, na qual também participaram os funcionários das Ambulâncias Postais. A consulta do mapa dos Caminhos de Ferro Portugueses dessa época permite-nos tirar duas conclusões (Fig. 2):
- PRIMEIRA: a mala postal saída de Lisboa seguiu por Setil, Entroncamento, Abrantes, Torre das Vargens e Portalegre;
- SEGUNDA: devido à Greve dos Caminhos de Ferro, a mala postal não seguiu em direcção a Estremoz o trajecto usual: Lisboa, Barreiro, Vendas Novas, Torre da Gadanha, Casa Branca, Évora, Estremoz.
Concluído isto, põe-se a questão de saber quem conduziu a mala com o bilhete-postal entre Portalegre e Elvas. Provavelmente a Ambulância Postal que o trouxe de Lisboa e que deverá ter furado a greve. E no resto do trajecto quem conduziu a mala postal onde ia o bilhete-postal? Militares? Guarda Republicana? Particulares ? Não sabemos. É um assunto que procuraremos investigar e que se formos bem sucedidos, divulgaremos. Podemos, porém, desde já assegurar que, de Elvas para Estremoz, o bilhete-postal não seguiu pelo Caminho de Ferro, uma vez que em 1920 não existia o ramal Elvas-Estremoz, assim como também não existia o ramal Portalegre-Estremoz. Para além disso, só uma certeza temos: a marca "ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ELVAS", batida a azul escuro, é rara.

3. A GREVE DOS CORREIOS EM ESTREMOZ
O interessante bilhete-postal da Fig. 1 levou-nos a investigar os aspectos assumidos pela Greve dos Correios em Estremoz, visando reconstituir a história local daquele período conturbado da nossa História Postal. Para o efeito socorremo-nos da imprensa local daquela época ( os semanários "O Jornal de Estremoz”e "O Eco de Estremoz”) e tentámos fazer uma cronologia da Greve (5):
3 de Março - Após a declaração da Greve Telégrafo-Postal, os empregados da estação (6) da vila (7), solidários com o movimento grevista, abandonam o serviço.
5 de Março - Foi a Estremoz o chefe dos Serviços Telégrafos-postais de Évora, sr. Alegria Vidal, que não aderiu à Greve, acompanhado do sr. Coronheiro Ramos, a fim de persuadir o pessoal de Estremoz a retomar o trabalho. Este, manteve-se firme na sua atitude grevista, tomando então conta da estação o sr. Coronheiro Ramos.
6 de Março - Foi solucionada a greve dos ferroviários, circulando já os comboios, mas mantêm-se em greve os empregados dos Correios e Telégrafos.
13 de Março - O Governo promulga o Decreto nº 6448 (Diário do Govêrno nº 51, 1ª série, 1920), pelo qual são concedidas indistintamente, aos funcionários civis do Estado, determinadas quantias, a título de "Ajuda de Custo de Vida". O funcionalismo retoma então o trabalho, com excepção da maioria dos funcionários dos serviços telégrafos-postais.

Fig. 3 - Estremoz: A estação telegrafo-postal situava-se em 1920 no primeiro andar de um
edifício do Largo da República, à direita e não visível na imagem. Como curiosidade, o facto
de o editor do bilhete-postal se ter enganado e ter chamado ao largo, Largo General Graça,
que é o largo onde em Estremoz existe a Fonte das Bicas.

15 de Março - O pessoal dos Correios e Telégrafos resolveu retomar o trabalho, afixando na porta da entrada da estação (Fig. 3) o seguinte comunicado:
“AO PUBLICO”
“O pessoal telegrafo-postal de Estremoz, revendo "o abono de ajuda de custo da vida", concedido aos funcionários publicos, não discordando dele em absoluto e levando em conta as promessas feitas pelos ex.mos srs. Presidente da Republica e Presidente do Ministerio de que a equiparação de vencimentos será um facto logo que reabra o Parlamento, resolveu retomar o trabalho, não deixando porém de continuar a dar o seu apoio moral ao funcionalismo que ainda fica em luta para se conseguir uma ajuda de custo da vida, mais equitativa.
Estremoz, 15-III-20
O pessoal telegrafo-postal de Estremoz.”

Fig. 4 - Estremoz: Fachada do Café Águias d'Ouro
nos anos vinte do séc. XX.

16 de Março - Um dia depois de ter voltado ao serviço, o pessoal da estação de Estremoz retoma a Greve, afixando no Café Águias d'Ouro (Fig. 4) novo comunicado, desta feita com o seguinte teor:
"AO PUBLICO"
"O pessoal telegrafo-postal desta vila, por razões que expoz por escrito ao sr. Comandante da Brigada (Fig. 5), abandona hoje novamente o serviço, tomando o compromisso de voltar ao seu lugar quando, termine de facto a greve telegrafo-postal.
Garante por sua honra ter feito a distrubuição, de toda a correspondência postal existente e de possível entrega e ter deixado as comunicações telegraficas internas normais, não sendo da sua autoria as avarias existentes nas linhas.
Pelo pessoal telegrafo-postal,
Joaquim Vicente Bento
3º oficial"

Fig. 5 - Estremoz: O edifício onde nos anos 20 do séc. XX funcionava o quartel general da Brigada.

20 de Março - “O Jornal de Estremoz” relata o regresso ao trabalho dos funcionários telegrafo-postais no dia 15 e o retorno à greve a 16, "com o que a opinião pública muito se indignou".
21 de Março - "O Eco de Estremoz” relata também o regresso ao serviço dos funcionários dos Correios e Telégrafos a 15 e o reinício da greve a 16 e exclama: "Que incoerência ! Que desassombro !”Diz ainda desconhecer as razões expostas ao Comandante da Brigada.
O mesmo jornal diz ainda que os sargentos do 4º Grupo de Metralhadoras, aquartelados (Fig. 6) na vila, se ofereceram ao Comandante da Brigada, para prestar serviço na estação telegrafo-postal. Por enquanto não conseguimos apurar se estes préstimos foram ou não aceites e utilizados.

Fig. 6 - Estremoz: O quartel do 4º Grupo de Metralhadoras
situava-se no edifício onde hoje funciona a Pousada da
Rainha Santa Isabel.

24 de Março - O Governo promulga o Decreto nº 6468 (Diário do Govêrno nº 60, 1ª série, 1920), mandando proceder ao levantamento de autos de abandono de lugar ao pessoal dos Correios e Telégrafos que não esteja no exercício das suas funções.
3 de Abril - O Ministério do Comércio e Comunicações envia portarias para publicação (Diário do Govêrno nº 80, 2ª série, 1920), determinando inquéritos às responsabilidades dos funcionários dos Correios e Telégrafos nos actos de sabotagem praticados no material dos serviços, em Março de 1920. Manda ainda publicar portarias nomeando a composição das Comissões de Inquérito. São nomeadas três: uma para Lisboa, outra para o Porto e ainda outra para o resto do país. Esta última tinha por função apreciar os relatórios enviados pelos governadores civis dos diferentes distritos, elaborando por sua vez um relatório em que iria discriminar as responsabilidades dos funcionários implicados nos referidos actos de sabotagem.
“O Jornal de Estremoz” referindo-se à greve diz: "Publicamos para ficar arquivada nas colunas do nosso semanario, a resposta que o governo deu à Imprensa que a pedido daqueles funcionários, foi intermediaria para a solução dum problema que tantos e graves prejuízos deu ao paiz:
“O governo, ouvindo as considerações expostas pelos representantes da Imprensa, resolveu permitir o regresso, aos seus serviços, dos funcionarios telegrafo-postais, sem assumir com eles quaisquer compromissos, embora disposto, como o afirmou aos mesmos representantes da Imprensa, a usar da benevolência compatível com a dignidade do poder e os superiores interesses do paiz". A terminar, "O Jornal de Estremoz” crescenta: "Em face disto, os telegrafo-postais deverão retomar o trabalho até às 13 horas do dia 30 do corrente"(8).

4. À MARGEM DA GREVE
Em 1920, o Cinema, ainda nos seus primeiros passos, despertava enorme interesse pela sua quase novidade. As sessões de cinema eram mais frequentes que as peças de Teatro levadas à cena e constituíam um espectáculo de agrado popular. Vejamos como a Greve dos Correios teve reflexos negativos entre os cinéfilos de Estremoz. O "Jornal de Estremoz” referindo-se sempre ao Ciné Estremoz diz:
6 de Março - "Deve começar brevemente a exibir-se neste salão a grande e extraordinária fita MASCARA VERMELHA em 32 partes. Esta fita que tem sido corrida em muitos salões, tem feito sucesso pelo seu entrecho, scenario e guarda-roupa".
13 de Março - "Está despertando grande interesse a fita MASCARA VERMELHA, que o emprezario do cinema vai apresentar ao publico brevemente".
20 de Março - "A fita MASCARA VERMELHA, que o emprezario tem contratada e que deveria estar já a exibir-se, só o poderá ser quando haja correio de Lisboa."
Depois de tanta promoção não é de estranhar que os cinéfilos estremocenses, se outros motivos não houvesse, tenham ficado danados com a Greve dos Correios. Finalmente, o mesmo jornal continuando a referir-se ao citado salão de cinema diz:
10 de Abril - "Continua hoje e amanhã, neste salão, a correr-se a fita de grande espectáculo a MASCARA VERMELHA, terceira e quarta serie."
Daqui depreendemos que só em princípios de Abril ficou normalizada a distribuição do correio de Lisboa.
O referido jornal noticiava ainda:
10 de Abril - "Regressou de Lisboa, aonde foi escolher a fita cinematográfica, que deve ser exibida à que actualmente está sendo corrida no Ciné Estremoz, o sr. Pascoal da Graça".
Este senhor deslocou-se a Lisboa para escolher uma fita que sucedesse ao MASCARA VERMELHA, mas anteriormente não o fez para trazer consigo esta última fita, talvez porque esta já estivesse retida devido à Greve dos Correios. Pela mesma razão não deverá ter recorrido aos serviços de estafeta, que de acordo com o número de 6 de Março, do mesmo jornal, ia a Lisboa, domingos e quintas-feiras.
A propósito de ter regressado de Lisboa, o sr. Pascoal da Graça, é de salientar que na época, face à distância a percorrer e aos meios de locomoção à disposição do público, não era muito vulgar viajar até Lisboa, pelo que os dois semanários de Estremoz davam conta em todos os números dos conterrâneos que viajavam até à capital e na maioria das vezes indicavam os motivos dessa viagem.
Não só os cinéfilos estremocenses sentiram os efeitos da Greve dos Correios. Também os "vates” locais deram um ar da sua graça. Vejamos os versos em jeito de "pé quebrado", publicados a 21 de Março desse ano em "O Eco de Estremoz":

"PELA SEMANA
 
Aqui d'el-rei quem m'acode
Tenho em gréve as mioleiras,
Depenado até mais não
Tenho em gréve as algibeiras.

Quiz resolver esta gréve
Esta gréve endiabrada...
Meto a mão na algibeira
E a gréve estava furada.
 
Ficou apenas de pé
E com aspecto guerreiro
A gréve fenemonal
Dos bacharés em carteiro.
 
Na falta d'estes senhores
Dos grévistas os primeiros.
Tem a gente, por mal nosso
De fazer d'alcoviteiros.

Jorge A.Caius"


(1) - Dado à estampa no Catálogo do Salão Filatélico "Ceres", patente ao público na Escola Superior de Educação do Porto, de 28 de Fevereiro a 1 de Março de 1992.
(2) - A Greve teve lugar sobretudo entre 3 e 20 de Março de 1920, mas nalguns locais ultrapassou este período.
(3) - Bilhete-postal "Ceres", de 2 centavos, ocre, impresso em cartolina camurça, nº 61 O.M.
(4) - COPRº E TELº / ESTREMOZ. A marca é do tipo de 1880 e batida a preto. Tem a particularidade do primeiro R de CORRº estar partido, lendo-se COPRº em vez de CORRº. Aquela letra aparece já partida em correspondência datada de 1912.
(5) - Integrada no movimento grevista do funcionalismo público, a Greve dos Correios teve início a 3 de Março e visava lutar contra o aumento do custo de vida.
(6) - A estação telegrafo-postal de Estremoz ficava em 1920 situada no nº 38-1º do Largo da República.
(7) - Estremoz só foi elevada à categoria de cidade pelo decreto 12227 (Diário do Governo nº 192 - 1ª série, de 31 de Agosto de 1926).
(8) - Embora só publicada a 3 de Abril, a notícia foi redigida antes de 30 de Março.

Hernâni Matos
(O presente texto foi publicado como artigo
 “NOVO EPISÓDIO DA GREVE DOS CORREIOS DE 1920”
in Correio do Alentejo, nº 5, Estremoz, Setembro de 1993.)