sábado, 26 de junho de 2010

D. Carlos I, Fotógrafo Amador‏

Fotografia obtida pelo Monarca. Fundação da Casa de Bragança – Palácio Ducal de Vila Viçosa.

1. EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIA "D. CARLOS I, FOTÓGRAFO AMADOR"
0
Numa iniciativa do Museu-Biblioteca da Casa de Bragança esteve patente ao público na Sala de Exposições Temporárias do Castelo de Vila Viçosa, entre 20 de Junho e 20 de Setembro de 2010, uma exposição de fotografia, designada “D. Carlos I, Fotógrafo amador”. As fotos pertenciam ao Arquivo Fotográfico do Paço Ducal de Vila Viçosa, constituído por:
- um núcleo de cerca de cinquenta álbuns de família (cerca de 2000 fotos), muitos deles organizados pelo próprio Rei a bordo do Yacht Amélia;
- um conjunto de maços com cerca de 1000 fotografias idênticas de D. Carlos I, destinadas a serem oferecidas;
- álbuns e os maços de fotografias (cerca de 7000), das visitas reais, das fotografias oficiais e das cerimónias protocolares oferecidas pelos melhores fotógrafos da época.
Deste vasto conjunto apenas estiveram em exposição, reproduções de sessenta espécies, principalmente da autoria de D. Carlos I, distribuídas por quatro temas:
- As mais antigas (1887), as experiências (1888) e as ofertas;
- As fotografias para apoio à pintura e que serviriam de modelo ao quadro que surgiria mais tarde;
- As reportagens com títulos que ilustram o tema abordado;
- Uma família de fotógrafos.
A mostra visava divulgar um arquivo que é desconhecido da maioria dos investigadores e simultaneamente dar uma nova perspectiva da vida e dos interesses da Família Real, nos últimos anos da Monarquia.
O respeito que me merece a memória daquele a quem Ramalho Ortigão apelidou de “O martyrisado”, levou-me a que, pensando nos meus leitores, fizesse aqui o traçado fiel do perfil biográfico do Monarca.
0
2. SINOPSE DUM REINADO
0
D. Carlos I, mais tarde cognominado “O Diplomata”, nasceu no Palácio da Ajuda, a 28 de Setembro de 1863, sendo baptizado ria igreja de S. Domingos em 19 de Outubro do mesmo ano, recebendo o nome de Carlos Fernando Luís Maria Vítor Miguel Rafael Gabriel Gonzaga Xavier Francisco de Assis José Simão de Bragança Sabóia Bourbon Saxe-Coburgo-Gotha. É filho primogénito de El-Rei D. Luís I e da rainha senhora D. Maria Pia de Sabóia; neto paterno de D. Fernando de Saxe-Coburgo-Gotha e da rainha D. Maria II; neto materno do rei de Itália Vítor Manuel.
Casou em Lisboa, na Igreja de S. Domingos, a 22 de Maio de 1886 com a princesa Maria Amélia Luísa Helena de Orléans (28-9-1865, 25-10-1951), neta de Luís Filipe, rei de França e filha de Luís Filipe Alberto, conde de Paris e duque de Orléans, e de sua esposa, Maria Isabel Francisca de Assis, infanta de Espanha.
Do casamento nasceram:
1. D. Luís Filipe (21-3-1887, 1-2-1908), vítima como o pai do regicídio;
2. D. Maria Ana (14-12-1887, 14-12-1887), falecida à nascença;
3. D. Manuel II (15-11-1889, 2-7-1932), que sucedeu no trono a D. Carlos I e viria a ser o último rei de Portugal, tendo recebido os cognomes de “O Patriota” e “O Bibliógrafo”.
O reinado de D. Carlos I, iniciado em 19 de Outubro de 1889, por morte de D. Luís I, decorreu num ambiente efervescente, marcado por uma série de graves acontecimentos:
 O “Ultimatum” inglês, apresentado ao governo português, em 11 de Janeiro de 1890, motivado pelo traçado do chamado “mapa cor-de-rosa”, acerca de limites territoriais em Africa;
 A tentativa gorada de Revolução Republicana de 31 de Janeiro de 1891, associada à revolta militar do Porto, na sequência da enorme agitação causada pelo “Ultimatum” inglês;
- O recrescimento das lutas políticas entre republicanos e monárquicos;
- A Ditadura de João Franco (2-5-1907 a 4-2-1908).
- A eclosão de revoltas por todo o Ultramar;
- Nova tentativa gorada de Revolução Republicana, em 21 de Janeiro de 1908;
- E, finalmente, a 1 de Fevereiro de 1908, quando a Família Real regressava de Vila Viçosa com destino a Lisboa, D. Carlos I, sofre um atentado republicano em pleno Terreiro do Paço, sendo vitimado, bem como o filho mais velho, o Príncipe herdeiro D. Luís Filipe. O segundo filho, D. Manuel II, é aclamado Rei de Portugal pelas Cortes, a 6 de Maio de 1908. Dois anos mais tarde é implantada a República (5-10-1910) e a Família Real embarca na Ericeira (6-11-1910), no iate real "Amélia IV”, para o exílio em Inglaterra.
D. Carlos I foi educado para ser rei, revelando desde muito jovem cedo uma forte aptidão para as artes, para o desporto e para a observação da natureza, dedicando-se com notável êxito a um conjunto variado de actividades de que sobressaem, a Arte, a Oceanografia, a Ornitologia e o Desporto (caça, pesca e equitação).

3. O ARTISTA

Como pintor, D. Carlos I foi discípulo do pintor aragonês Mestre Henrique Casanova (1850-1913) e apesar de ter experimentado várias técnicas, especializou-se sobretudo na aguarela e no pastel, sendo as temáticas predominantes, o mar, a paisagem alentejana e a fauna. Do seu trabalho como artista merece referência a opinião do escritor Ramalho Ortigão (1836-1915) (8): “Idealmente refugiado no culto da pintura, em que foi eximio, attingiu uma das mais altas eminências a que póde ascender o espírito. Foi consagrado “artista”". De D. Carlos I – artista, disse o naturalista e seu assistente nas Campanhas Oceanográficas Albert Girard (4): “Como Artista estou a vêr os Seus pasteis, as Suas aguarellas, os Seus desenhos à penna, as Suas gravuras, as reproducções d'essas obras que tantas revistas nacionaes e estrangeiras illustraram; a facilidade da Sua maneira, a profusão do Seu pincel, por tal forma espalhado que difficil seria, senão impossível, reunir todas as Suas obras; os Seus triumphos nas exposições do Grémio Artístico, na ultima Exposição universal de Paris, na Sociedade Nacional de Bellas Artes, na Exposição universal de S. Luiz, na de Bellas Artes de Barcelona; e ainda, ha bem pouco, Société Artistique dés Amateurs.
É que Elle tinha a expontaneidade do artista de raça, que n'um traço a lápis affirma a sua individualidade.”

“O Sobreiro”, pastel sobre cartão, executado pelo Rei em 1905. Fundação da Casa de Bragança – Palácio Ducal de Vila Viçosa.

Sobre a obra artística de D. Carlos I diz também o seu biógrafo, o escritor e jornalista Rocha Martins (7): “Fialho de Almeida, republicano, no tempo em que criticou D. Carlos como governante, irreverrente ao referir-se às obras dos pintores, depois chegados à supremacia, não poude deixar d’analisar, com respeito e louvor, certo trabalho do chefe de estado monárquico que conquistara na arte uma realeza”.

4. O OCEANÓGRAFO

Aos estudos oceanográficos dedicou D. Carlos I, a sua mais profunda atenção. Assim, em 1 de Setembro de 1896, nasceu a Oceanografia portuguesa, quando D. Carlos iniciou, a bordo do seu primeiro iate “Amélia”, uma série de 12 Campanhas Oceanográficas ao longo da costa atlântica de Portugal que se prolongariam até 1906, com o objectivo principal de inventariar e estudar a fauna marinha da costa portuguesa, acção que para além do inegável interesse científico se revelava de bastante interesse prático, por permitir maximizar o rendimento da indústria e do comércio da pesca, dada a enorme importância económica da indústria piscatória em Portugal. O monarca efectuou ainda o estudo das correntes e o reconhecimento da topografia dos fundos oceânicos.
Os resultados dessas investigações receberam amplos elogios de cientistas estrangeiros e estão compilados em quatro seguintes livros publicados. Em 1897: Yacht «Amelia» – Campanha oceanographica de 1896. Em 1899: ¬Pescas maritimas – I – A pesca do atum no Algarve em 1898. Em 1902: Rapport préliminaire sur les Campagnes de 1896 à 1900 – Fascicule I – Introduction – Campagne de 1896. Em 1904: Ichthyologia – II – ¬Esqualos obtidos nas costas de Portugal durante as campanhas de 1896 a 1903.
A divulgação científica das Campanhas Oceanográficas oceanográficas de D. Carlos foi ainda efectuada através da participação em exposições públicas nacionais e internacionais, onde figuravam espécimes recolhidos, redes e instrumentos utilizados, bem como desenhos.
O mérito da sua obra científica de D. Carlos I foi internacionalmente reconhecido, como o atesta a profusão de diplomas que lhe foram outorgados pelas mais prestigiadas instituições científicas de antanho.
Para o Professor Luís Saldanha (1937-1997) (6), um dos mais conhecidos biólogos marinhos portugueses “A actividade oceanográfica do Rei D. Carlos de Bragança abriu as portas a uma disciplina completamente nova em Portugal” , pelo que muito justamente considera “D. Carlos de Bragança, pai da oceanografia portuguesa”. Para Maria Manuela da Câmara Falcão (3) “Assim, Carlos I de Portugal e Alberto I de Mónaco fundaram a Oceanografia e com ela abriram à Humanidade a última fronteira do Planeta, os Oceanos”.

D. Carlos de Bragança, a bordo iate Amélia II. Aquário Vasco da Gama, Lisboa.

5. O NATURALISTA

De acordo com o naturalista e colaborador Alberto Girard (4), D. Carlos I ”…tinha a memoria da vista: forma, cor, tom, tudo apprehendia rapidamente e para sempre fixava com a Sua inexcedível memória…”, De acordo com o biólogo, Professor Mário Ruivo (11) “Temos aqui dois elementos de base, para suportar, potencialmente, a personalidade de um Naturalista, sobretudo no campo da Sistemática”. É assim que D. Carlos I, publica em 1903 um primeiro fascículo do “Catálogo illustrado das aves de Portugal”, a que se segue em 1907 um segundo fascículo, onde ainda segundo Mário Ruivo (11) “…são referidas algumas dezenas de espécies portuguesas, com a referida nomenclatura científica e sinonímia mais importante, e os respectivos nomes vulgares em português, francês, espanhol, inglês e, italiano, sendo acompanhadas de breves indicações sobre a suas distribuição geográfica, arribações, e nalguns casos, comportamento”, o que representa uma contribuição fundamental para o inventário da nossa fauna ornitológica. Contudo, a obra de D. Carlos I, como naturalista, ficaria sobretudo ligada ao inventário da fauna marinha da costa portuguesa.

Projecto de D. Carlos para a capa da sua obra “Estudos Ornitológicos”. Aquário Vasco da Gama, Lisboa
0
6. UM BALANÇO
0
No reinado de D. Carlos I, há a destacar eventos como:
- As vitórias na campanha de África, contra o Gungunhana e namarrais;
- As celebrações do V Centenários do nascimento do Infante D. Henrique, no Porto (1894), e do IV Centenário do descobrimento do caminho marítimo para a Índia, em Lisboa (1898);
- Um certo desenvolvimento das colónias;
- A ligação das ilhas dos Açores ao continente pelo cabo submarino;
- As visitas a Portugal de soberanos estrangeiros: Eduardo VII de Inglaterra (1903), Afonso XIII de Espanha (1905), Guilherme II da Alemanha (1905) e do Presidente República Francesa, Emile Loubet (1905), visitas que foram retribuídas e que correspondem a um notável trabalho diplomático.
Apesar de todos estes aspectos positivos do seu reinado e da notoriedade que alcançou a nível científico, tanto nacional como internacionalmente, D. Carlos I não conseguiu resolver os graves problemas políticos resultantes, por um lado, de uma profunda crise interna e do ambiente internacional, favorável ao desaparecimento das monarquias na Europa.
Em entrevista ao Diário francês “Le Temps” de Novembro de 1907, dizia D. Carlos: “Nunca esqueci, um instante sequer, quais são os meus deveres para com a minha coroa e para com o meu querido país”. Entendimento diferente tinham os republicanos, daí ser vítima de um atentado perpetrado em pleno Terreiro do Paço, a 1 de Fevereiro de 1908, quando regressava de Vila Viçosa. Os regicidas, os republicanos, Alfredo Costa e Manuel Buíça, mortos no próprio local do atentado, foram elevados à categoria de heróis nacionais. Diz-nos Margarida Magalhães Ramalho (10): “No dia seguinte, poucos jornais tarjaram de preto e a notícia foi dada displicentemente. Sobre D. Carlos pouco se disse. No estrangeiro, mesmo na França republicana, o atentado é condenado veementemente e em toda a imprensa estrangeira a figura do rei desaparecido é largamente enaltecida, lembrando-se o político, o artista e o homem de ciência. Por cá, são as figuras de Costa e Buiça que merecem o carinho do público, abrindo-se mesmo subscrições para os órfãos deste último”.
Para o jurista e jornalista Miguel Sousa Tavares (14) “Se a Maçonaria matou El-Rei D. Carlos, cada português, todos os portugueses, mataram El-Rei segunda vez, na escura cobardia colectiva, na estranha aceitação do crime e das suas consequências políticas”.
Em entrevista publicada pelo jornal “Correio da Manhã”, no dia dia 27 de Janeiro de 2008, o então Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano - Maçonaria Portuguesa (GOL), António Reis, esclareceu que “Por doutrina, a Maçonaria não é contra a monarquia, mas contra as monarquias absolutas e contra as ditaduras, por violarem um dos grandes princípios da Maçonaria que é a Liberdade”. Porém e de acordo com ele “A Maçonaria combateu a monarquia concreta de D. Carlos que com o governo de João Franco, de 1906 a 1908, teve uma deriva ditatorial, cuja responsabilidade pertence ao próprio rei. Foram estas circunstâncias que levaram a Maçonaria a preparar o derrube da monarquia”. Apesar de tudo e segundo o Grão-Mestre do GOL, “A Maçonaria “não interveio, nem directa, nem indirectamente” no regicídio de 1908, com o qual não concordou”.
0
7. A FOTOGRAFIA E A CARTOFILIA
0
D. Carlos I foi um amante da fotografia, arte a viver os seus primeiros tempos de pioneirismo e que também cultivou, registando para a posteridade, reportagens das múltiplas actividades em que se viu envolvido (campanhas oceanográficas, caçadas, regatas, comboios, etc).
É no reinado de D. Carlos que são introduzidos em Portugal os bilhetes-postais ilustrados.
O primeiro bilhete-postal ilustrado português foi emitido pelos correios e data de 4 de Março de 1894, quando da comemoração do 5° Centenário do Nascimento do Infante D. Henrique. Seguiu-se-lhe o do VIl Centenário do Nascimento de Santo António, em 1895, e os do IV Centenário da Índia, em 1898.
O primeiro bilhete-postal ilustrado português de fabrico não oficial, exigindo a colagem de um selo de franquia ordinária, foi editado em 1895 pela Companhia Nacional Editora, a propósito do Centenário de Santo António.
Desde então para cá, correios e particulares nunca mais pararam na emissão e edição de bilhetes-postais ilustrados para comemorar efemérides, homenagear personalidades, fazer propaganda oficial ou religiosa, divulgar monumentos, paisagens ou costumes regionais e evocar acontecimentos históricos.
Com o aparecimento dos bilhetes-postais surgiu o seu coleccionismo (Cartofilia) e os coleccionadores (cartófilos).
Naturalmente que D. Carlos e com ele a família real seriam tema de edições particulares de postais ilustrados, o mesmo acontecendo com as visitas de soberanos estrangeiros, atrás referidas. Alguns desses bilhetes-postais ilustrados circularam com o selo do lado da imagem e são designados por TCV’s – timbre-cotê-vues.

Bilhete-postal ilustrado, edição privada, não identificada, reproduzindo sua Majestade, envergando a farda de Almirante General da Armada, cerca de 1906. Porte de 10 reis. Expedido de LISBOA para BRUXELAS no dia 16-3-1906. Colecção de Hernâni Matos.
0
8. BIBLIOGRAFIA
0
1. AQUÁRIO VASCO DA GAMA. El-Rei D. Carlos. A história de um dos pioneiros mundiais no estudo da Oceanografia.
4. GIRARD, Alberto (1909). Elogio Académico de Sua Majestade El-Rei o Senhor D. Carlos I, Presidente da Academia Real das Sciencias de Lisboa. Lisboa: Typographia da Academia.
5. MARQUES, Oliveira (1954). História do Selo Postal Português. Volume I – Continente. Porto: Mercado Filatélico.
7. MARTINS, Rocha (1926). D. Carlos, História do seu Reinado. Lisboa; A.B.C.
8. ORTIGÃO, Ramalho (1908). REI D. CARLOS – O Martyrisado. Lisboa: Typographia “A Editora”.
9. RAMALHO, Margarida Magalhães (2003). Cadernos de Desenho – D. Carlos de Bragança. Lisboa: Edições INAPA.
10. RAMALHO, Margarida Magalhães (2001). FOTOBIOGRAFIAS SÉCULO XX – REI D. CARLOS. Lisboa: Círculo de Leitores.
11. RUIVO, Mário (1958). D. Carlos de Bragança – Naturalista e Oceanógrafo. Lisboa: Fundação da Casa de Bragança.
12. SERRÃO, J. Veríssimo (1986). História de Portugal, Volume X. Lisboa: Verbo.
13. SERRÃO, Joel (1976). Pequeno Dicionário de História de Portugal. Lisboa: Iniciativas Editoriais.
14. TAVARES, Francisco Sousa Tavares (1960). Combate Desigual. Lisboa: Edição de Autor.