quarta-feira, 21 de maio de 2014

A lavagem na gíria popular

MULHER A LAVAR A ROUPA. Irmãs Flores.
Marcas manuscritas: Irmãs Flores/Estremoz.
Dimensões (cm): Alt. 17,5; Larg. 5,8; Prof. 11,5 cm.
Peso (g): 448. Colecção particular.

A presente colectânea de “dizeres” sobre a “lavagem” enquanto acto de limpeza, culmina um árduo trabalho de pesquisa efectuado em dezoito fontes bibliográficas distintas e só por si, é revelador da opulência e exuberância da língua portuguesa:

- Acabar-se como sabão na mão de lavadeira = Gastar-se muito rapidamente
- Às mãos lavadas = Sem dificuldade; Sem trabalho = Gratuitamente
- Dar uma lavagem = Obter facilmente uma retumbante vitória
- De mão lavada = De graça = Gratuitamente
- Lá vai água = Frase com que se acompanha o lançamento de qualquer coisa.
- Lavada = Arte de pesca de rede envolvente de arrasto.
- Lavadas = Iguaria que consiste em fatias de pão e de tomate, alhos pisados, um fio de azeite e sal (Pias/Serpa)
- Lavadas = Iguaria que consiste em fatias de pão e de tomate, alhos pisados, um, fio de azeite e sal (Pias/Serpa)
- Lavadeiro = Cesto grande e redondo com que em algumas praias se mede a sardinha
- Lava-dente = Beberete; pingóla
- Lava-dentes = Descompostura (Trás-os-Montes)
- Lavaceiro = Intrujão (Trás-os-Montes)
- Lavado = Quartilho de vinho
- Lavado de ares = Arejado = Ventilado
- Lavado em lágrimas = Choroso
- Lavado em lágrimas = Que chora muito
- Lavadoura = Junta de bois que no meio de duas, ajuda a puxar um carro (Alentejo)
- Lavadura = A água que serviu para lavar a loiça onde se comeu e que se deita como alimento aos porcos criados em casa
- Lavadura = Água, em que se lavou a loiça de mesa e que se dá como alimento a porcos.
- Lavagem = Caldo diluído, feito pelos toxicodependentes com algodões já utilizados como filtros em “chutos” anteriores.
- Lavagem = Comida para porcos 
- Lavagem ao cérebro = Processo de mudança profunda de pensamento, de identidade ou de personalidade, originado por uma influência exterior poderosa.
- Lavagem cerebral = Interrogatório político conduzido de maneira a quebrar a resistência psicológica do acusado, levando-o a fazer a sua própria auto-crítica e a, finalmente, confessar-se culpado
- Lavagem de dinheiro = Actividade que pretende esconder ou disfarçar a origem irregular ou fraudulenta de dinheiros
- Lavajado = Sujo = Besuntado pela água do lavajo
- Lavajado = Sujo pela água do lavajo (Alentejo).  
- Lavajar = Emporcalhar n a água do lavajo; banhar-se em água suja; Emporcalhar-se no lavajo. (Alentejo e Algarve. (Alentejo)
- Lavajo = Pequeno pântano ou charco; atoleiro; pia dos porcos. (Alentejo)
- Lavajola = Terreno baixo que se alaga de água no Inverno
- Lavajona = Mulher suja e sem vergonha
- Lavamento = Lavadura
- Lavapé = Solenidade que se celebra na quinta-feira maior e em que se comemora o facto de Jesus haver lavado os pés aos discípulos
- Lava-pés = Cerimónia que a Igreja Católica celebra na semana santa e que consiste em lavar os pés aos pobres
- Lava-pés = Cerimónia que se pratica na Quinta-Feira Santa e na qual o sacerdote, assistido por dois ministros, lava o pé direito de 13 homens, clérigos ou seculares, à imitação e em celebração do que fez Jesus aos seus discípulos, na última Ceia
- Lavar = Mostrar arrependimento pelo pranto = Chorar
- Lavar a bateria à face do baluarte = Rasá-la ao longo de todo o lanço do muro 
- Lavar a cara = Estar sempre a referir-se a obséquios prestados, na presença da pessoa que os recebeu
- Lavar a honra = Desafrontar-se de injúrias 
- Lavar a mão em = Bater = Dar pancada em (Brasil) 
- Lavar as cores = Dissolvê-las na água para as purificar e temperá-las
- Lavar as mãos = Declinar responsabilidades
- Lavar as mãos de algum negócio ou facto = Eximir-se de uma responsabilidade que ele pode causar = Subtrai-se às suas consequências  
- Lavar com lágrimas = Mostrar-se arrependido, chorando incessantemente
- Lavar roupa = Falar mal dos ausentes
- Lavar roupa suja = Falar mal dos ausentes
- Lavar um desenho = Aplicar nele as competentes cores aguadas
- Lavar uma injúria ou afronta no sangue de alguém = Vingá-la, matando ou ferindo
- Lavar-se como um gato = Lavar-se superficialmente 
- Lavar-se de uma calúnia  = Reabilitar-se = Tornar-se digno pelo seu comportamento ulterior
- Lavar-se em água de rosas = Regozijar-se
- Lavático = Clister
- Lavático = Próprio para clister
- Lavativo = Clister
- Lavativo = Lavático
- Lavatório = A água que se bebe depois da comunhão 
- Lavatório = Capacete de ferro alemão, da guerra de 1914-18  
- Lavatório = Mistura de água e vinho usada na região de Mação, na lavagem do coração dos porcos, quando se desmancham por ocasião da matança
- O vento lavou as terras = O vento enxaguou as terras
- Rir-se o sujo do mal lavado = Troçar de alguém com defeito que o próprio também tem
- Ser de bofes lavados = Ter bom coração = Ser simples
  
BIBLIOGRAFIA
(1) - BARROS, Vítor Fernando e MARTINS GUERREIRO, Lourivaldo. Dicionário de Falares do Alentejo. Campo das Letras. Porto, 2005.
(2) - BESSA, Alberto. A Gíria Portugueza. Gomes de Carvalho-Editor. Lisboa, 1901.
(3) - CALDAS AULETE, Francisco Júlio. Diccionario Contemporaneo da Lingua Portugueza (1ª ed.). Parceria António Maria Pereira. Lisboa, 1881.
(4) - CALDAS AULETE, Francisco Júlio. Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa (5ª ed.). Editora Delta. Rio de Janeiro, 1987.
(5) - DICIONÁRIO PRIBERAM DA LÍNGUA PORTUGUESA [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/lavagem
(6) - FIGUEIREDO, Cândido de. Novo Dicionário de Língua Portuguesa (1ª ed.). Livraria Editora Tavares Cardoso e Irmão. Lisboa, 1899.
(7) - GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA. Editorial Enciclopédia, Limitada. Lisboa, s/d.
(8) - HOUAISS, António e VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Círculo de Leitores, Lisboa, 2002.
(9) - LAPA. Albino. Dicionário de Calão. Edição do Autor. Lisboa, 1959.
(10) - LEITÃO, Humberto e LOPES, J. Vicente. Dicionário da Linguagem de Marinha Antiga e Actual. Centro de Estudos Históricos Ultramarinos. Lisboa, 1963.
(11) - MACHADO, José Pedro. Grande Dicionário da Língua Portuguesa). Publicações Alfa. Lisboa, 1991.
(12) - MACHADO, José Pedro. Grande Enciclopédia da língua Portuguesa. Círculo de Leitores, Lisboa, 1997.
(13) - NEVES, Orlando. Dicionário de Expressões Correntes (2º ed.). Editorial Notícias. Lisboa, 2000.
(14) - PRAÇA, Afonso. Novo Dicionário de Calão. Editorial Notícias. Lisboa, 2001.
(15) - SANTOS, António Nogueira. Novos dicionários de expressões idiomáticas. Edições João Sá da Costa. Lisboa, 1990.
(16) - SILVA BASTOS, J. T. da. Diccionário Etymológico, Prosódico e Orthográfico da Língua Portuguesa. Parceria António Maria Pereira. Lisboa, 1928.
(17) - SIMÕES, Guilherme Augusto. Dicionário de Expressões Populares Portuguesas. Publicações Dom Quixote. Lisboa, 1993.
(18) - TAVARES DA SILVA, D. A. Esboço Dum Vocabulário Agrícola Regional. Separata dos Anais do Instituto Superior de Agronomia, Vol. XI. Lisboa, 1942.