terça-feira, 17 de abril de 2012

A Crucificação na Pintura Portuguesa

Santíssima Trindade (c. 1530).
Cristovão de Figueiredo (activo de 1515 a 1543).
Museu Nacional Soares dos Reis, Porto.


Segundo os Evangelhos, Jesus foi condenado a morrer na cruz numa sexta-feira e o responsável pela sentença foi Pôncio Pilatos, prefeito da província romana da Judeia entre os anos 26 e 36 d.C. apesar de não ter encontrado nele nenhuma culpa. Todavia os líderes judeus queriam a sua morte, por considerarem blasfémia Jesus dizer-se filho do Messias. Vejamos o que nos dizem os Evangelhos.
Jesus foi preso no Jardim de Getsémani (Marcos 14:43-52) e foi submetido a seis julgamentos – três por líderes judeus e três pelos romanos [João (18:12-14), Marcos (14:53-65), Marcos (15:1), Lucas (23:6-12), Marcos (15:6-15)].
Pilatos tentou negociar com os líderes judeus ao permitir que flagelassem Jesus, mas eles rejeitaram a proposta por não os satisfazer e pressionaram Pilatos a condená-lo à morte. Pilatos entregou-lhes então Jesus a fim de ser crucificado tal como eles pretendiam (Lucas 23:1-25). Os soldados escarneceram Jesus e vestiram-lhe um manto escarlate e impuseram-lhe na cabeça uma coroa de espinhos (Mateus 27:28-31).
Jesus veio a ser crucificado num lugar chamado Gólgota, que quer dizer “Lugar da Caveira”. Por cima da sua cabeça puseram uma tabuleta com o motivo da sua condenação: “JESUS NAZARENO, O REI DOS JUDEUS” [João (19,19), Lucas (23,38)]. Na ocasião foram também crucificados dois ladrões, um à direita e outro à esquerda de Jesus. (Mateus 27:33-38). A escuridão cobriu então o céu durante três horas (Lucas 23:44), até que Jesus deu um forte grito: “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito”. Dizendo isto, expirou. (Lucas 23:46). Os relatos evangélicos mostram que Jesus entregou livremente a vida a Deus pela redenção da humanidade.
O sentido espiritual da cruz indicado pelo próprio Jesus (Mateus 10:38), fez com que ela passasse a ser sinal sagrado e objecto de culto.
Na pintura portuguesa, a crucificação foi objecto de quadros pintados por autores como Cristovão de Figueiredo (activo de 1515 a 1543), Vasco Fernandes (activo de 1501 a 1540), Diogo de Contreiras (c.1500-1565), António Nogueira (15??-1575), Pedro Nunes (1586-1637), Baltazar Gomes Figueira (1604-1674) e Josefa de Óbidos (1630-1684). Nas suas obras, Jesus é representado em sofrimento ou no repouso da morte. Passemos em revista essas representações, aqui visualizáveis de uma forma cronológica.



Calvário (c. 1535-40).
Vasco Fernandes (Grão Vasco) (activo de 1501 a 1540).
Óleo sobre madeira (242,3 x 239,3 x 81 cm).
Museu de Grão Vasco, Viseu. 
Calvário (c. 1550).
Diogo de Contreiras (c.1500-1565).
Óleo sobre madeira (122 x 88 cm).
Misericórdia de Abrantes. 
Descida da Cruz (1564).
António Nogueira (15??-1575).
Óleo sobre madeira (115 x 115 cm).
Museu Rainha D. Leonor, Beja.  
Descida da Cruz (1620).
Pedro Nunes (1586-1637).
Óleo e têmpera sobre madeira.
Capela do Esporão da Sé de Évora. 
Calvário (1636).
Baltazar Gomes Figueira (1604-1674).
Óleo sobre tela (169 x 99,5 cm).
Igreja da Santa Casa da Misericórdia, Peniche. 
Calvário (1679).
Josefa de Óbidos (1630-1684).
Óleo sobre madeira (160 x 174 cm).
Santa Casa da Misericórdia, Peniche.