sábado, 21 de outubro de 2017

A Caça


CENAS DE CAÇA (1670).
Pormenor de painel de azulejos (158 x 286cm), fabrico de Lisboa.
 Museu de Lamego.

 
A necessidade de sobreviver levou o homem primitivo a caçar, isto é, a perseguir outras espécies animais, com a finalidade de os abater e consumir na alimentação. Provavelmente o homem terá começado por caçar sem armas, às quais terá começado a recorrer em certo estágio da sua evolução. E naturalmente com a evolução do homem, vão evoluindo igualmente as armas usadas na caça. Estas classificam-se em:
- Armas de arremesso de mão: o dardo, a azagaia e o arpão.
- Armarremesso de engenho: as de  a funda, o arco, a besta e a zarabatana.
- Armas de choque: o cajado, a moca, o machado, o punhal, a faca, a espada, o sabre e a lança.
- Armas de choque e arremesso de mão: o machado, o punhal e a lança.
- Armas de fogo: mosquete de pederneira, espingarda, pistola, revólver, etc.
Na caça, o homem pode também utilizar armadilhas diversas, tais como gaiolas, laços e redes. Pode igualmente ser auxiliado pelo cavalo em quer se faz transportar ou por animais como o cão e o furão, assim como por aves de rapina como o falcão e o açor, usados na caça de altanaria.
A caça é um tema que tem sido profusamente abordado na arte. Começando na arte rupestre e marcando presença assinalável nas iluminuras dos livros de horas medievais e renascentistas, a caça é um tema que foi também bastante retratado nos painéis azulejares portugueses de composição figurativa do século XVIII, com os quais ilustramos o presente post. Nesses painéis os caçadores trajam à moda do século, destacando-se o uso do chapéu tricórnio. A caça é efectuada a pé ou a cavalo, com recurso a lança ou mosquete de pederneira e o auxílio de cães.
O contexto da caça nos séculos XVII-XVIII está registado no adagiário português referido por autores das época, em alguma da bibliografia indicada ([1], [2], [4]), com o qual termino o presente post:
- A galgo velho deita-lhe a lebre e não coelho.
- A lebre é de quem a levanta e o coelho de quem o mata.
- A pássaro dormente, tarde entra o cevo no ventre.
- À porta de caçador, nunca grande monturo.
- Andar com furão morto à caça.
- Aquela ave é má, que em seu ninho suja.
- As folósas querem dar nos grous.
- Às vezes, corre mais o Demo que a lebre.
- Bem sabe a rola em que mão pousa.
- Bom cão de caça, até à morte dá ao rabo.
- Caça, guerra e amores, por um prazer muitas dores.
- Caçar e comer, começo quer.
- Cão azeiteiro, nunca bom coelheiro.
- Com este cajado mataste já outro coelho.
- De casta lhe vem ao galgo ter o rabo longo.
- De má mata, nunca boa caça.
- Do gavião maneiro se faz o çafaro; e do çafaro o maneiro, segundo a têmpora do cetreiro.
- Em Dezembro, a uma lebre galgos cento.
- Em Janeiro, nem galgo lebreiro, nem açor perdigueiro.
- Galgo, comprá-lo e não creá-Io.
- Galgo, que muitas lebres levanta, nenhuma mata.
- Gavião temporão, Santa Marinha na mão.
- Inda que a garça voe alta, o falcão a mata.
- Ir à guerra, nem caçar, não se deve aconselhar.
- Levantas a lebre, para que outrem medre.
- Mal haja o caçador doido, que gasta a vida com um pássaro.
- Mentiras de caçadores são as maiores.
- Metes os cães à moita, arredaste-a fora.
- Não cava de coração, senão o dono do furão.
- Não crie cão quem lhe não sobeje pão.
- Não é regra certa, caçar com besta.
- Não levantes lebre, que outrem leve.
- Nem de cada malha peixe, nem de cada mata feixe.
- Nunca bom gavião de francelho, que vem à mão.
- O açor e o falcão, na mão.
- O galgo, à larga, lebre mata.
- Porfia mata caça.
- Porfia mata veado, e não besteiro cansado.
- Quando o lobo vai por seu pé, não come o que quer.
- Quem pássaro há-de tomar, não o há-de enxotar.
- Quem quiser caça, vá á praça.
- Se assim corres como bebes, vamo-nos às lebres.
- Se caçares, não te gabes; e, se não caçares, não te enfades.
- Se esta cotovia mato, três me faltam para quatro.
- Sede de caçador, e fome de pescador.
- Tenho-te no laço, pombo torcaz.

BIBLIOGRAFIA
[1] - BLUTEAU, Raphael. Vocabulario Portuguez e Latino. Vol. I a X. Officina de Pascoal da Sylva. Coimbra, 1712-1728.
[2] - DELICADO, António. Adagios portuguezes reduzidos a lugares communs / pello lecenciado Antonio Delicado, Prior da Parrochial Igreja de Nossa Senhora da charidade, termo da cidade de Euora. Officina de Domingos Lopes Rosa. Lisboa, 1651.
[3] - EDITORIAL ENCICLOPÉDIA. Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. Editorial Enciclopédia, Limitada. Lisboa, s/d.
[4] - ROLAND, Francisco. ADAGIOS, PROVERBIOS, RIFÃOS E ANEXINS DA LINGUA PORTUGUEZA. Tirados dos melhores Autores Nacionais, e recopilados por ordem Alfabética por F.R.I.L.E.L. Typographia Rollandiana. Lisboa, 1780.

Hernâni Matos

CENA DE CAÇA (1670).
Painel de azulejos (154 x 286cm), fabrico de Lisboa.
Museu de Lamego.
CENA DE CAÇA (1670).
Pormenor da metade esquerda de painel de azulejos (154 x 286cm), fabrico de Lisboa.
Museu de Lamego. 
CENA DE CAÇA (1670).
 Pormenor da metade direita de painel de azulejos (154 x 286cm), fabrico de Lisboa.
 Museu de Lamego. 
CENA DE CAÇA (1670-75).
Painel de azulejos (166 x 517 cm), fabrico de Lisboa.
Museu Nacional do Azulejo. 
CAÇA AO LEOPARDO (3º quartel do séc. XVII).
 Painel de azulejos (150 x 189,5 cm), fabrico de Lisboa.
Museu Nacional do Azulejo, Lisboa. 
FRONTAL DE ALTAR / EMBLEMA CARMELITA E CENA DE CAÇA (c. 1670).
Painel de azulejos (95 x 156 cm), fabrico de Lisboa.
 Museu Nacional de Machado de Castro. 
CENA DE CAÇA (c. 1680).
Pormenor central de painel de azulejos (166 x 517 cm), fabrico de Lisboa.
 Museu Nacional do Azulejo, Lisboa. 
CENA DE CAÇA (1750 – 1760).
Painel de azulejos/silhar (83 x 167,5 cm), fabrico da Real Fábrica de Louça (Rato?), Lisboa.
Museu Nacional do Azulejo, Lisboa.
CENA DE CAÇA (séc. XVIII).
Painel de azulejos da Igreja de São José dos Carpinteiros, Lisboa.
CENA DE CAÇA (séc. XVIII).
Painel de azulejos da Igreja de São José dos Carpinteiros, Lisboa.
CENA DE CAÇA (séc. XVIII).
Painel de azulejos da Igreja de São José dos Carpinteiros, Lisboa.
CENA DE CAÇA (séc. XVIII).
Painel de azulejos. Igreja de Vilar de Frades, Barcelos. 
CENA DE CAÇA (séc. XVIII).
Painel de azulejos, Palácio Biscainhos, Braga. 
CENA DE CAÇA (séc. XVIII).
Painel de azulejos, Sé, Porto.
CENA DE CAÇA (Séc. XVIII).
Painel de azulejos nos claustros do Mosteiro de S. Vicente de Fora, Lisboa.
CENA DE CAÇA (séc. XVIII). Painel de azulejos.
Convento de Nossa Senhora da Conceição dos Congregados de S. Filipe Nery,
actual edifício dos Paços do Concelho de Estremoz.
 CENA DE CAÇA (séc. XVIII).
 Painel de azulejos da Igreja da Ordem Terceira Secular de São Francisco da Bahia.
CENA DE CAÇA (séc. XVIII).
 Painel de azulejos do Palácio do Marquês de Marialva, Lisboa.
 Museu do Açude, Rio de Janeiro. 
 CENA DE CAÇA (séc. XVIII).
 Painel de azulejos da Capela Dourada, Recife.
 CENA DE CAÇA (1881).
 Azulejo (12 x 33 cm) da autoria de D. Fernando de Sax Coburgo.
 Palácio Nacional de Mafra.
 CENA DE CAÇA (1881).
Azulejo (12 x 33 cm) da autoria de D. Fernando de Sax Coburgo.
Palácio Nacional de Mafra.

 CENA DE CAÇA (1881).
Azulejo (12 x 33 cm) da autoria de D. Fernando de Sax Coburgo.
Palácio Nacional de Mafra.

CENA DE CAÇA (1881).
Azulejo (12 x 33 cm) da autoria de D. Fernando de Sax Coburgo.
Palácio Nacional de Mafra.