segunda-feira, 13 de junho de 2011

Santo António na barrística popular estremocense

Santo António (Séc. XX), peça da barrística popular estremocense.
Museu de Arte Popular (Lisboa). Fotografia de José Pessoa (1995).

ESBOÇO BIOGRÁFICO DE SANTO ANTÓNIO
Santo António (1195-1231) nasceu em Lisboa no dia 15 de Agosto de 1195 numa família de mercadores e cavaleiros-vilãos, filho de Martim de Bulhões e de Maria Teresa Taveira Azevedo. Foi baptizado no Mosteiro de São Vicente de Fora com o nome de Fernão de Bulhões. Fez os primeiros estudos na Igreja de Santa Maria Maior, hoje Sé de Lisboa. Em 1209 ingressa como noviço na Ordem dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho, estabelecida naquele Mosteiro.
Em fins de 1210, princípios de 1211 transfere-se para o Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, pertencente à mesma Congregação e que na época era a nível europeu, um importante centro de cultura medieval e eclesiástica. Aí realizou estudos em Direito Canónico, Ciências, Filosofia e Teologia e veio a ser ordenado sacerdote entre 1218 e 1220.
Em Coimbra toma contacto com os franciscanos e é atraído pelos ideais de humildade, pobreza, evangelização e martírio, professados pela ordem italiana. O martírio de cinco franciscanos, decapitados em Marrocos e a vinda dos seus restos mortais em 1220 para Coimbra, levam Fernando a trocar a Regra de Santo Agostinho pela Ordem de São Francisco. Toma então o hábito franciscano, sob o nome de Frei António e recolhe-se no Eremitério dos Olivais de Coimbra.
Por essa época, decide dirigir-se a Marrocos num projecto isolado de conversão pacífica dos Mouros. Contudo, adoece quando atravessa o mar para ir a África, pelo que resolve regressar a Portugal, mas o barco que o transporta é desviado por uma tempestade e vê-se obrigado a aportar na Sicília. António dirige-se então a Assis, onde assiste em 1221 ao Capítulo Geral da Ordem. É em Itália, que António se notabilizará como teólogo exímio e grande pregador.
Em Março de 1222, em Forli, discursa para religiosos franciscanos e dominicanos de modo tão fluente e admirável que o Provincial da Ordem o destina imediatamente à evangelização e difusão da doutrina. Fixa-se então em Bolonha onde se dedica ao ensino da Teologia e à pregação, designadamente contra as heresias dos Cátaros, Patarinos e Valdenses. Segue depois para França, visando lutar contra os Albijenses e em 1225 ensina Teologia em Montpellier e Toulouse e, prega em Puy e em Limoges. Nessa época é-lhe confiada a guarda do Convento de Puy-en-Velay e torna-se custódio da Província de Limoges, um cargo eleito pelos frades da região. Dois anos mais tarde instala-se em Marselha, mas em breve será designado ministro-provincial na Emília, Norte de Itália, onde continua a pregar e a ensinar Teologia no Convento de Pádua. Aqui compõe os “Sermões” destinados a servir de modelo aos pregadores franciscanos, sermões esses caracterizados por alegorias extraídas da observação da natureza, facilmente compreendidas por um auditório ligado ao quotidiano material e concreto. A este período pertence o seu “Sermão aos peixes”.
Em 1228 assistiu à canonização de São Francisco e deslocou-se a Ferrara, Bolonha e Florença. No ano de 1229 as suas pregações dividiram-se entre Vareza, Bréscia, Milão, Verona e Mântua. Tratava-se de uma actividade que o absorvia de tal maneira, que a ela se passou a dedicar em exclusivo. Em 1231, após contactos com Gregório IX, regressa a Pádua, ficando a Quaresma do ano seguinte assinalada por múltiplos sermões da sua autoria.
A sua intensa vida religiosa e apostólica estará porventura na origem da sua morte, aos 36 anos, a 13 de Junho de 1231, no Convento de Arcella, perto de Pádua. Os seus restos mortais repousam na Basílica de Pádua, construída em sua memória.
Canonizado em Maio do ano seguinte pelo papa Gregório IX, foi declarado oficialmente Padroeiro de Portugal em 1932 e proclamado por Pio XII, Doutor da Igreja, em 1946. Santo António é assim o segundo Santo português após o início da Monarquia em 1139. O primeiro foi S. Teotónio (1092-1162).
Santo António é venerado pela Igreja Católica, que o considera um grande taumaturgo e lhe atribui um extraordinário número de milagres, não só em vida, como desde os primeiros tempos após a sua morte até aos dias de hoje.
Face à sua intensa actividade religiosa foram-lhe atribuídos epítetos como “Arca do Testamento“ (Gregório IX), “Martelo dos hereges”, “Defensor da fé”, “Oficina de milagres, etc.".
Santo António além de Padroeiro de Portugal e de Pádua, é considerado Padroeiro dos pobres, dos oprimidos, dos combatentes, dos doentes, dos náufragos, dos animais, dos noivos, dos casais, das casas e das famílias, das pessoas que desejam encontrar objectos perdidos, bem como aquele que livra os homens das tentações demoníacas.
Os atributos de Santo António são variados: um livro (alusão à sua posição como doutor da Igreja), o Menino Jesus (símbolo das suas aparições), um crucifixo, os peixes a escutar os seus Sermões, o burro ajoelhado perante a Hóstia, assim como um lírio. Observe-se que o lírio sempre foi encarado como o símbolo da pureza e relacionado com a Virgem Maria, em homenagem à sua pureza e por isso muito utilizado para decorar igrejas. Épocas houve em que retiravam do lírio os órgãos masculinos e femininos, pois só assim a flor seria "verdadeiramente virgem". Pelo seu simbolismo o lírio é também usado em bouquets de noiva. De resto, existia a crença que um bolbo da flor ajudava a reconciliar namorados desavindos e era uma planta mágica, protectora contra a bruxaria.
A circunstância de o dia festivo de Santo António (13 de Junho) coincidir com as festas do Solstício de Verão, faz com que seja celebrado em Portugal como um dos santos mais populares, com presença honrosa e permanente na literatura, na pintura, na escultura, na música, na toponímia, na filatelia, no folclore, na arte popular, especialmente na barrística, assim como na literatura oral.

PRESENÇA NA BARRÍSTICA POPULAR ESTREMOCENSE
O culto de Santo António foi incentivado em Estremoz pelos religiosos da ordem de S. Francisco de Assis, sediados no Convento de S. Francisco, desde os primórdios da sua construção, no século XIII, em data imprecisa, balizada pelos reinados de D. Sancho II – D. Afonso III (1239-1255).
Lá diz o rifão “Não há bela sem senão”, pelo que na sequência da influência franciscana, o culto de Santo António popularizou-se e o povo fez de Santo António um Santo à sua maneira e de acordo com as suas necessidades e conveniências:

“Santo António de Lisboa,
Guardador dos olivais,
Guarda lá minha azeitona
Do biquinho dos pardais.“ [4]

“Ó meu padre Santo António,
Vestidinho d’estamenha;
A quem quer ajudar
O vento lhe ajunta a lenha.“ [4]

Já no século XVII o padre António Vieira dizia num dos seus famosos sermões (1), que os portugueses para tudo pediam o auxílio de Santo António. Pregava ele: “Se vos adoece o filho, Santo António; se vos foge o escravo, Santo António; se mandais a encomendas, Santo António; se esperais o retorno, Santo António; se aguardais a sentença, Santo António; se perdeis a menor miudeza da vossa casa, Santo António; talvez se quereis os bens da alheia, Santo António.”
Nos anos 50-60 do século passado havia arraiais de Santo António em Estremoz, no Largo do Almeida, nas traseiras da Igreja de Santo André e no Pátio dos Solares, na noite de 12 para 13 de Junho. Todos eles com um mastro donde irradiavam troços de festão com lanternas de papel suspensas, que conferiam colorido e iluminação ao arraial. E havia bazares de rifas decorados com flores de papel e ramos de louro, planta que além de ser utilizada em culinária, simboliza desde a Grécia Antiga, a recompensa ao mérito. Mas o que era verdadeiramente indispensável era o trono com a imagem de Santo António, ornado com manjericos, flores de papel e pavios de cera e lamparinas de azeite a arder. Recorde-se a propósito que a tradição dos tronos de Santo António remonta a 1755 quando o Terramoto destruiu Lisboa e foi efectuado um peditório para ajudar a reconstruir a Igreja de Santo António, que ficara parcialmente destruída. O costume manter-se-ia e alastraria a todo o país. E em Estremoz como noutros lugares, era corrente durante a quadra festiva, ver os miúdos a pedir “um tostãozinho para o Santo António”. Saltava-se também a fogueira, queimavam-se as alcachofras e largava-se no ar o balão de papel, movido a ar quente, que nem sempre subia bem alto, pois algumas vezes se incendiava logo à partida. No arraial, bailava-se alegremente e o petisco obrigatório eram sardinhas assadas, acompanhadas de batata cozida, salada de tomate e pimentos assados, bem regados com vinho tinto ou branco, à excepção dos miúdos que bebiam pirolito de berlinde. No ar uma indescritível mistura de aromas de sardinha assada, louro e manjerico. A festa, essa durava até ao raiar d'aurora.
A popularidade do culto antoniano levou o povo a recriar pequenos altares nas suas casas e a ter o Santo exposto em oratórios. A procura de imagens estará na origem do aparecimento da figura de Santo António na barrística popular estremocense. No acervo do Museu Municipal de Estremoz existem imagens que vão desde o século XVIII até à actualidade e com dimensões e atributos variáveis.
No exemplar aqui reproduzido, pertencente à colecção do Museu de Arte Popular, de Lisboa, Santo António é representado em jovem e em pé, envergando um hábito franciscano e uma capa, ambos em castanho. O hábito tem mangas com punhos orlados a amarelo, que é também a cor da gola e da orla da capa. O hábito está cingido à cintura por um cordão igualmente amarelo, pendente a todo o comprimento do hábito. O Santo calça sandálias e está assente numa peanha oca que pretende imitar as de talha. Na mão esquerda, o Doutor da Igreja segura um livro no qual está sentado o Menino Jesus, que sobre o joelho esquerdo e com a mão esquerda segura a “esfera mundi”. Qualquer das imagens ostenta auréolas douradas, com linhas incisas que radiam do centro. A posição do braço direito do taumaturgo alvitra que a sua mão deve ter segurado um lírio ou um crucifixo, que conjuntamente com o livro e o Menino Jesus, são outros dos atributos deste Santo. De salientar que nesta imagem há elementos amovíveis (auréolas, Menino Jesus, Cruz e lírio), que eram retirados da imagem e guardados, até o devoto ver o ser desejo satisfeito. Daí que em muitas destas imagens faltem alguns destes elementos. A pressão sobre o Santo a fim de que produzisse milagres, ia ao ponto de alguns porem a sua imagem de castigo, virada para a parede, como outrora os mestres-escola procediam com os alunos cábulas. Em casos extremos, a imagem era posta de cabeça para baixo e até mesmo atada a um cordel e mergulhada num poço. Seria para o Santo refrescar as ideias e fazer o milagre pretendido? Vejam lá o extremo a que podia chegar a religiosidade popular…

(1) - O padre António Vieira pregou dois sermões sobre Santo António: um em Roma, na Igreja dos Portugueses, outro na Baía, na Igreja de Santo António. Vêm ambos na edição dos “Sermões” publicada em Lisboa no ano de 1855.

BIBLIOGRAFIA
[1] – ESPANCA, Túlio. Inventário Artístico de Portugal. Distrito de Évora. Concelhos de Arraiolos, Estremoz, Montemor-o-Novo, Mora e Vendas Novas. I volume. Academia Nacional de Belas Artes. Lisboa, 1975.
[2] - GAMA, Estanislau Martins. Santos de Portugal. Edição de Luís G. Martins Gama. Estremoz, 1971.
[3] - PINHEIRO CHAGAS, M. Portugueses Ilustres. Lello e Irmão, Editores. Porto, 1983.
[4] - THOMAZ PIRES, A. Cantos Populares Portugueses, vol. I. Typographia Progesso. Elvas, 1902.