segunda-feira, 31 de maio de 2010

100 anos da Sapataria Joaquim Miguel

Largo da Liberdade em Estremoz, no início do séc. XX. Em frente o edifício da Sapataria Joaquim Miguel, cuja entrada era feita pelas portas que se veem ao fundo, protegidas por toldos. 
Recebi um convite para visitar a exposição “100 anos da Sapataria Joaquim Miguel”, surgindo-me desde logo a ideia de produzir um texto sobre o evento. Não um texto de circunstância, mas um texto em que eu, andarilho das palavras, pudesse revelar duma maneira ou de outra, a minha afectividade com todo o percurso dos sapatos. É certo que o outro eu, mais comedido que eu próprio, me advertiu logo do risco:
- É pá, vê lá o par de botas em que te vais meter!
Se é certo que há um rifão que diz que “A ignorância é atrevida”, o que não é menos certo é que eu não desisto facilmente de uma ideia.
Arregaçadas as mangas e ligado o computador, ficaram, desde logo, afastadas à partida várias hipóteses de abordagem do assunto.
Nada de falar de fabrico de sapatos, de que não percebo patavina, pois ainda sou daqueles que por auto-estima ou se quiserem por vergonha, não se atrevem a falar daquilo que não percebem.
Afastada também a hipótese de falar de pés célebres, de pés chatos ou de moléstias dos pés, como o pé de atleta, os calos e os joanetes, pois já chega os que cada um tem, quanto mais falar dos que atormentam o próximo.
Como sou rato de biblioteca, numa das minhas incursões pelo “Cancioneiro Popular Português” do Dr. José Leite de Vasconcelos, recolhi algumas quadras populares reveladoras das diferentes imagens que o povo faz dos sapateiros.
Nalgumas localidades os sapateiros eram considerados um bom partido. Em Paredes de Coura uma moça dizia:

"Eu hei-de tomar amores:
Há-de ser c’um sapateiro,
P’ra me fazer uns sapatos
E não me levar dinheiro."

Também nas Alcáçovas havia quem pensasse o mesmo:

"Se tomar agora amores
Há de ser c’um sapateiro,
Que me faça umas chinelas
E não me leve dinheiro..."

Em Vila Verde de Ficalho, no concelho de Serpa, outra moça dizia mais ou menos o mesmo:

"Meu amor me disse
E eu achei-lhe graça:
- Eu sou sapateiro,
Não andes descalça."

Já em Penafiel, os sapateiros não eram tidos em grande conta:

"Oh que rua tão comprida
No meio tem um letreiro:
Mal empregada menina,
Vai casar c’um sapateiro!"

A imagem do sapateiro chega a ser denegrida nas Alcáçovas:

"Sapateiros e alfaiates
São uma súcia de ladrões:
Sapateiro furta a sola,
Alfaiate, os botões. "

Em Reguengos de Monsaraz, os sapateiros chegam a ser objecto de humor algo exagerado:

"Quatrocentos sapateiros
Se juntaram em campanha
Com martelos e turqueses
P’ra matarem uma aranha."

Em Marco de Canaveses, ao quer parece, os sapateiros eram encarados sob um ponto de vista mais prático:

"Senhor mestre sapateiro,
Senhor mestre remendão,
Bata-me bem essa sola,
Deite-me aqui um tacão!"

Em todos os tempos e em toda a parte, os sapateiros se queixaram, que a arte não dá. Assim, em Baião dizia um oficial:

"Sou um triste sapateiro
Toda a vida a dar a dar:
Quem nasceu para ser pobre
Não le vale trabalhar!"

Após esta digressão etnográfica pelos sapateiros no imaginário popular, decidi calçar as alpergatas da minha infância e fazer uma abordagem topográfica do assunto.
A Sapataria Joaquim Miguel está situada no Largo da Liberdade. Liberdade apeada pelo 28 de Maio e restituída pelo 25 de Abril. Lembras-te camarada Binadade, quando na véspera do primeiro 1º de Maio em liberdade, apareceste à sede do Círculo Cultural de Estremoz, com uma extensa lista de ruas cuja toponímia, tu defendias, devia ser reposta? Eu fui dos poucos que te ouviu, pois na época pensava-se e agia-se febrilmente e existiam outras prioridades. Mas, o que é certo é que o teu alvitre não caiu em saco roto e com a brevidade possível, lá foi o 28 de Maio restituído à Liberdade.
Até aos anos 50 morei na Rua da Misericórdia, a qual conjuntamente com a de Frei Nuno iam desaguar no Largo 28 de Maio. E digo desaguar, pois sendo ruas de acentuado declive, era esse o termo correcto em dias de fortes chuvadas. Eu morava a meio da rua, do lado direito de quem desce, numa casa que já não existe, mesmo nos altos do caleiro, que também era ferro-velho e montava o estraminé na feira, onde hoje é o Bairro da Cobata. Desta vizinhança e da amizade com o caleiro, cuja casa frequentava, terá surgido o meu gosto por antiguidades e velharias. Ao cimo da Rua da Misericórdia, do lado esquerdo de quem desce, moravam a D. Dionísia e a D. Enué Palma, mãe e filha, com umas mãos como não havia outras. Ainda hoje retenho na memória, embora de forma vaga, o fascínio que exerciam sobre mim os trabalhos que elas executavam, fossem registos ou trabalhos em papel recortado ou em escamas de peixe. Que pena que tenho de não possuir um único trabalho dessas senhoras...
Na Rua de Frei Nuno, onde hoje há uma Fábrica de Bolos, havia a Padaria do Traguedas onde eu aviava o pão para a casa de meus pais e levava bolos para o forno, nos dias de anos ou por ocasião de festas cíclicas.
Mais acima e do mesmo lado, ficava a barbearia do meu amigo Can Can, uma linguinha de prata com um par de óculos que mais pareciam os telescópios de Monte Palomar. Era um organizador exímio de excursões, que os frequentadores, todos gentes do povo, pagavam aos bochechos, pois os tempos eram difíceis. Estou convencido que quando nos encontrarmos lá em baixo, ainda me há de levar numa excursão a Portimão ou ao Portinho da Arrábida.
Mais abaixo, onde hoje está a Drogaria era a Oficina do Mestre Capeto, carpinteiro de carroças e trens. As horas que eu ficava a vê-lo trabalhar!
Do outro lado da rua, ao cimo, ficava a Pensão Marangas, mais tarde Pensão Jantareta. Que raio de nome havia de ter o dono da pensão! Até parecia que os hóspedes eram mal servidos, o que não era o caso, como decerto o atestaria o professor Grilo, um hóspede perpétuo.
No Largo 28 de Maio converge ainda a Travessa da Levada, onde havia a Retrosaria do Mamede e a Casa de Comidas – e também dormidas - do Geadas, que também vendia e distribuía lotaria.
No Largo 28 de Maio converge igualmente a Rua do Almeida. Aqui eram dignas de nota, a mercearia do Genaro, onde eu ia comprar rebuçados com cromos de jogadores de futebol, a Fábrica de Pirolitos do Massano que tinha uma secção de enchimento que era um espectáculo para a época e a Adega do Zé da Glória, já retiro castiço e afamado na época.
Uma vez que através das ruas circundantes já contextualizei topograficamente o Largo 28 de Maio, é altura de começar a falar no Largo 28 de Maio propriamente dito. Além da Retrosaria do Dias, havia a Drogaria da D. Virgínia, onde minha mãe me mandava ao petróleo, bem como a Adega do Sebastião Barrigudo onde tomei conhecimento do ritual diário que constitui um bêbado matar o bicho. Havia também a casa da Família Cortes, com cavalariça e trem, a Loja do Fernandes dos sacos, a Oficina de Reparação de Bicicletas do Conim, a Mercearia do Adriano Pimenta, a Taberna do velho Viana com a caixa da malandrice e a Tipografia Brados do Alentejo. E que fascinante que era para mim, ver o Parelho, de porta aberta, trabalhar com a ainda hoje existente Heidelberga, que num vaivém maquinal, estampava magicamente as letras no papel.
Havia então poucos automóveis e no Largo estacionavam, por vezes, carros de parelha pertencentes a casas de lavoura do concelho ou a simples camponeses, que tinham ido tratar alguma coisa por perto.
Dominando todo o Largo, dum lado e do outro, a Sapataria Joaquim Miguel. Dum lado, a secção de venda de calçado, dirigida por Joaquim António Chouriço, tendo ao lado a secção de venda de solas e cabedais, orientada pelo irmão, Leonel Chouriço. Precisamente nos baixos da casa da D. Silvina e no local onde existira a Mercearia de meu tio-avô, João António Carmelo, vulgo o Carmelinho - porque nascera nos dias pequenos - o qual no princípio deste século ali tinha torrefação e moagem pelos mais aperfeiçoados processos, comercializando o afamado “Café Roca do Príncipe”.
Do outro lado do Largo, ficava a secção de consertos, que fervilhava de vida. O mestre, os oficiais, os aprendizes, a ajuntadeira e, é claro, os fregueses. Era uma época em que se mandava ali fazer calçado por medida, bem como pôr meias solas, remendos, reforços, tacões novos e protectores ou carda na solas, a fim de que melhor resistissem ao desgaste. Ainda não tinha chegado o tempo das boutiques de calçado, das lojas de pronto a calçar e do hábito de deitar fora o calçado usado e menos vistoso. Ali ia, mandado por meus pais, levar calçado para pôr meias solas, gaspear ou pôr umas capinhas. Era a nossa sapataria e é, ainda, a minha sapataria. Muda-se de camisa, muda-se de mulher ou de marido, muda-se de partido, mas não se muda nem de clube nem de sapateiro.
Desde miúdo que conheço e admiro Joaquim António Chouriço, uma pessoa simples, um grande filósofo da vida, um referencial de civismo, uma fortaleza de qualidades humanas que todos reconhecem e que por isso apenas se sublinham aqui. Joaquim António Chouriço é um filho amado de Estremoz, de que a cidade justamente muito se orgulha. No centenário da sua firma, apetece-me dizer-lhe:
- Obrigado, senhor Joaquim António pela perseverança e pelo belo exemplo de firma e de vida, esta também quase centenária. Bem haja, por isso!
Chegado a este ponto do texto sobre os “100 anos da Sapataria Joaquim Miguel”, estou certo que alguns não gostaram e estarão a esta hora a invocar o ditado que diz: “Quem te manda a ti, sapateiro, tocar rabecão?”. A esses responderei com outro ditado: “O sapateiro não julga mais que os sapatos”, para acrescentar de seguida, que os não sapateiros, nem calçado sabem julgar.